O feito de Ada ganhou força nos Jogos de Tóquio de 1964, no ano da luta anti-racista

Ada do Santos é homenageada no Caminho Niemeyer de Nidaoy – (Foto: Wilton Jr./Estadau)

Nos Jogos Olímpicos de 1964 em Tóquio, no Japão, a atleta carioca Iida dos Santos terminou em quarto lugar no salto em altura. Ele competiu sem treinador próprio, uniforme, tênis e intérprete. Ela era a única mulher em uma delegação de 68 atletas. Quase 60 anos depois, a história olímpica de uma negra pobre de Netroi (RJ) está associada à luta contra o racismo e à busca pela igualdade de gênero, desde as páginas da história até os dias atuais.

Em 32 anos, Ada conquistou o título de melhor atleta nas Olimpíadas. Sua marca foi superada apenas nos Jogos de Atlanta em 1996, nos Estados Unidos. A conquista de Aida está sob análise devido a uma nova Olimpíada realizada em Tóquio. Os Jogos de 1964 foram os últimos na capital japonesa. Uma nova versão estava prevista para julho, mas foi adiada devido à nova epidemia de coronavírus. A nova cerimônia de abertura acontecerá no dia 23 de julho do próximo ano.

Há dois meses, a ex-atleta de 83 anos foi homenageada na cidade onde nasceu. No aniversário de seu salto memorável, Ada ganhou um mural de 30 metros na Nemear Way, criado pelo artista Marcello LaMarca. Na inauguração, disse que tem o hábito de estar entre os melhores jogadores da história do país.

A trajetória de Ada (a pronúncia correta é Ada) foi transformada em filme. No documentário de 2012 “Ida dos Santos – uma mulher garra”, dirigido por Andre Pupo e Ricardo Quintella, ela teve a oportunidade de retornar à capital japonesa para retornar o roteiro de sua vida. As lembranças dos campeões estaduais, Brasil, América do Sul e Pan-Americano de salto em altura são Bitwatch.

“Tenho boas lembranças de participar dos Jogos Olímpicos, mas infelizmente porque estava sozinho na delegação de Tóquio, sem treinador, sem forma, sem material para competir. Chorei muito, estava sempre chorando. Mas eu tive que representar meu país. ” , disse.

As dificuldades começaram antes da competição. Depois de chegar ao troféu olímpico, saltando 1,65 metros em direção ao troféu brasileiro, o atleta ainda teve que passar por mais cinco baterias para confirmar a marca. É difícil imaginar um atleta sozinho em um torneio internacional, mas Ada teve uma experiência semelhante nos primeiros Jogos Olímpicos no continente asiático.

Por não entender inglês ou japonês, preencheu a ficha de inscrição na Vila Olímpica apenas com seu nome e data de nascimento. Isso porque o oficial japonês gritou “Parabéns a você” por fornecer as informações necessárias. Ada treinou sozinha, pois não tinha treinador. Em seu tempo livre, ele andava de bicicleta. Mesmo depois disso, ele não teve paz. O colega da delegação afirmou ser um “turista”. Em Tóquio, ela era a única mulher entre 68 homens. Quando ela não estava treinando ou andando de bicicleta, Ada chorava. “Vi outras meninas com dois ou três treinadores: correndo, pulando e terminando. E eu não tinha ”.

No estádio, ele imitou outros competidores para encontrar um palco no Estádio Nacional. Aonde quer que fossem, Aida os seguia. Ele também não tinha um sapatinho de unha adequado para o jogo. Ele teve que competir com sapatos de 100 metros emprestados de um fornecedor. Foi instantâneo aquele tênis ou competição descalço.

Para chegar à final, ele precisou saltar 1,70 metros, uma marca inédita em sua carreira. Seu recorde pessoal foi de 1,68 metros. Até Purna saiu do estádio, ele o fez. Ele se classificou para a final, mas torceu a perna. “Eu esperava que no Brasil ele estivesse acostumado a pular na areia. Não havia colchão. Quando usamos um material mais fino, também somos raros. “

Na hora da lesão, ele costumava pedir a ajuda de arquibancadas lotadas para a bandeira do Brasil. Ninguém foi encontrado. Foi um médico cubano que o ajudou com uma bota de curativo. Parece fantasia, mas tudo é realidade. Na final, mais um sucesso. Mesmo ferido, ele saltou 1,74 m, recorde sul-americano. Ele foi o quarto, alguns milímetros atrás de um romeno, um australiano e um russo. E só soube do resultado histórico mais tarde, ao sair do estádio. “Não sabia se era o quarto, quinto ou sexto lugar. Foi gratificante. Foi com determinação, fé, vontade e amor pelo Brasil ”.

Em 16 de outubro de 1964, Estadou escreveu: “Ada, que partiu sem desculpa senão aprender, como dizia, surpreendeu os patógenos mais otimistas.” No trecho a seguir, o jornal afirma que “o desempenho de Ada dos Santos merece os maiores elogios, pois ela pode ser descrita sem exageros como uma das melhores atletas do Brasil”.

Ao retornar ao país, Ada era uma celebridade. Um batalhão de fotógrafos aguardava seu treinamento no Botafogo do clube, onde treinou. Irritado, ele dispensou o desfile em um caminhão de bombeiros oferecido pelas autoridades. “Primeiro eu precisava de apoio. Não era questão de mais tarde ”, respondeu ele.

O resultado foi tão impressionante que resultou em um convite para treinar nos Estados Unidos. O técnico americano veio testar como treinava e, finalmente, venceu o competidor lá. Ele foi surpreendido. O bastão era um cachimbo de água. Não havia colchão. Após o salto, ele caiu em um buraco de areia. A família não o deixou viajar. O pai, um oleiro, objetou e disse que a medalha não enchia a barriga de ninguém. A mãe, a lavadeira, preocupava-se em fazer o trabalho doméstico. Aida era a caçula de seis irmãos, que morava em uma casa sem luz no Morro do Arzo, bairro de Nitrai.

Com seus três filhos, Ada fez exatamente o contrário: contratou todos para brincar. Funcionou. Ela é mãe da jogadora de vôlei Valeska Menezes, Welleskinha, campeã dos Jogos de Pequim 2008. A dupla segurou a tocha olímpica no Rio de Janeiro em 2016. Antes de conquistar a China, Welleskin também conquistou a quarta colocação, a mesmo lugar em 2004. Hoje, a filha joga e costuma dizer que bateu na mãe para ganhar uma medalha. Ada responde: “Meu jogo é pessoal”, ela sorriu.

Campus Brasil em Tóquio: o quarto lugar de Aida no salto em altura nos Jogos de 1964 foi um dos melhores resultados do Brasil. Medalha de bronze somente com basquete masculino, acima do salto carioca. Este foi o terceiro jogo de todos os tempos. No salto individual, Nelson Pesoa Filho (pai de Rodrigo Pesoa), um dos maiores nomes brasileiros do esporte, ficou em quinto lugar.

Deixe o seu comentário

Veja também

Mais Lidos

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *