O Google quer uma “pesquisa perfeita” e refina seus mecanismos de pesquisa com (muita) IA

Tudo sobre

Google

Saiba tudo sobre o Google

Ver mais

Nesta quinta-feira (15), o Google realizou um evento online denominado Procure em. Nele, a empresa implantou novas funcionalidades que vão permear seu mecanismo de busca nos mais diversos níveis. Desde uma espécie de “Shazam” melhorado, que ajuda a identificar aquela música que não sai da sua cabeça, à identificação daquela parte de um vídeo que traz a resposta ao que você procura, são várias novidades que trazem uma coisa comum: Inteligência Artificial (IA), que dá cada vez mais cartas para refinar a investigação e trazer a “busca perfeita”, o “Santo Graal” dos engenheiros que atuam nessa área.

A seguir, confira as novidades que a empresa apresenta para seu mecanismo de busca:

O mais refinado “Google Shazam”

Por fim, deixada na apresentação -mas acabou sendo uma das notícias mais comentadas-, o Google apresentou uma espécie de “Shazam” que será integrado ao seu mecanismo de busca. Como seu “irmão mais velho”, esta função permitirá que você descubra o nome daquela música cuja melodia se enraizou em seu cérebro.

Para fazer isso, basta abrir a Pesquisa ou o Google Assistente, cantarolar a melodia, ou o que você se lembrar, e os modelos de IA de pesquisa combinarão a melodia com a música correta.

Para ser justo: o Google Assistente sempre teve esse recurso. O que muda agora é a capacidade de poder cantarolar apenas uma melodia e o algoritmo de aprendizado de máquina para entender e trazer o resultado, com o percentual de possibilidade de que as músicas apresentadas estejam corretas.

Pesquisa mais eficiente em vídeos

Na opinião do escritor, esse recurso é o mais interessante apresentado pelo Google hoje. No final das contas, promete corrigir algo muito irritante: o tempo perdido indo e vindo em um vídeo, procurando aquele fragmento que traz a resposta para uma dúvida que você tem, como: “Como desentupir um vaso sanitário com Coca Cola? ? ” ou “Como acertar um pênalti decente no FIFA 21 sem isolar a bola” … não que eu já tenha pesquisado essas coisas no Google, é claro …

Encontrar partes importantes dos vídeos pode ser mais fácil (Foto: Divulgação / Google)

De qualquer forma, graças a uma nova estratégia de inteligência artificial, o Google Search será capaz de compreender em profundidade a semântica de um vídeo e, assim, identificar automaticamente os principais momentos. Será possível marcar (ou “etiquetar” essas passagens importantes para que o usuário navegue pelo vídeo como se estivesse passando pelos capítulos de um livro.

A pessoa pode estar procurando, por exemplo, uma etapa específica em uma receita culinária; Ou talvez você só queira ver a enterrada que decidiu uma partida de basquete em um vídeo com os melhores momentos do jogo. Essa novidade permite que você encontre esse tipo de cena em particular. A tecnologia começou a ser testada em 2020 e, até o final do ano, o Google espera que 10% das buscas usem o novo recurso.

Pesquisa mais refinada de dados estatísticos

Esta melhoria será muito útil para quem precisa de consultar dados estatísticos ou de números para um trabalho, um relatório …, ou mesmo para escrever uma notícia. Hoje, muitos desses dados estão escondidos no meio de um mundo de conjuntos de informações, tornando-os difíceis de entender.

Agora, o mecanismo de busca do Google, baseado em uma parceria – criada em 2108 – com o Projeto Data Commons, tornará essas informações mais acessíveis e úteis em seu mecanismo de busca. O Datta Commons ´Project é um banco de dados aberto contendo estatísticas de entidades como o American Census (departamento dos Estados Unidos responsável pelo censo populacional), o Center for Disease Control and Prevention, o Banco Mundial e várias organizações.

Encontrar informações estatísticas deve ser mais fácil no Google (Foto: Divulgação do Google)

Em outras palavras, sempre que um usuário faz uma pergunta como “quantas pessoas estão empregadas na cidade de Chicago”, o Google usará o processamento de linguagem natural para mapear a pesquisa e corresponder a qualquer um dos bilhões de pontos de dados nos dados Os bens comuns. Assim, será possível exibir as estatísticas em um formato visual e de fácil compreensão. A desvantagem dessa notícia é que essa funcionalidade só estará presente nos EUA. Pelo menos inicialmente.

Mais recursos com lente e realidade aumentada

Embora não seja exatamente uma novidade, a verdade é que o Google finalmente lançou as novas funções em Lens e Realidade Aumentada (AR) a partir de seu mecanismo de busca. A partir do Lens, será possível, por exemplo, obter ajuda passo a passo na resolução de problemas de matemática, química, biologia e física.

Subtítulo

Além disso, essas duas tecnologias também devem facilitar as compras online. Isso porque permitirá uma busca e análise mais detalhada de produtos, mesmo aqueles em que, tradicionalmente, as pessoas preferem comprar em lojas físicas, como um casaco ou um carro.

Mais dados relacionados ao COVID-19

O mecanismo de busca do Google agora fornece atualizações em tempo real sobre a ocupação do local, mostrando se um determinado local está ou não cheio no momento. Dessa forma, o usuário pode garantir a distância social. Há também um novo recurso no Live View, que ajuda você a obter informações essenciais sobre uma loja ou restaurante antes mesmo de entrar.

Buscas traz mais informações que permitirão manter distância social para combater o COVID-19 (Foto: Divulgação / Google)

Além disso, as informações sobre as medidas de segurança relacionadas ao COVID-19 tomadas por empresas serão destacadas no perfil desses locais exibidos na Pesquisa e no Maps. Assim, o usuário poderá saber, por exemplo, se determinada loja exige máscaras, se um restaurante só atende por meio de reservas ou se está verificando a temperatura dos clientes que entram no estabelecimento.

BERT em todas as pesquisas

Antes que você pergunte o que é BERT, já estamos na frente: é uma técnica baseada em rede neural para pré-treinamento de processamento de linguagem natural (PNL). E essa técnica leva o nome de Representações do Codificador do Transformador Bidirecional. Ou apenas BERT (muito mais fácil, vamos encarar). Basicamente, essa tecnologia permite que qualquer pessoa treine seu próprio sistema para responder a perguntas.

Depois de explicar o que é BERT, a Google anunciou hoje que esta tecnologia será utilizada em todos os inquéritos (inicialmente os realizados em inglês), ajudando a mostrar resultados de maior qualidade nas questões das pessoas.

Além disso, a empresa anunciou novos avanços no ranking das respostas mais relevantes, graças à evolução de sua Inteligência Artificial. Isso inclui:

Ortografia de palavras: O Google afirma que o mecanismo de busca melhorou sua capacidade de entender palavras com erros ortográficos, e isso tem um motivo: 10% das pesquisas no Google contêm erros de digitação. As pesquisas agora usam um novo algoritmo de ortografia que usa uma rede neural profunda e melhora a capacidade de identificar e decifrar erros de digitação. Ainda assim, segundo o Google, apenas essa mudança já melhora a identificação de grafia incorreta mais do que todos os avanços feitos nos últimos cinco anos.

PeçasO Google também anunciou melhorias nos resultados de pesquisas muito específicas. Agora, o mecanismo de busca pode indexar não apenas páginas, mas também fragmentos individuais dentro delas. Graças a essa compreensão da relevância das passagens, e não apenas da página, será possível encontrar essa informação no nível da “agulha no palheiro”. Ainda de acordo com o Google, essa tecnologia vai melhorar 7% das buscas feitas na Pesquisa em qualquer idioma, e será lançada mundialmente.

Subtópicos: A Pesquisa Google agora pode entender quais subtópicos relevantes estão relacionados a uma pesquisa, como equipamento mais barato ou premium, ideias para espaços apertados e uma gama mais ampla de conteúdo na página de resultados. Esta função começará a ser utilizada até o final do ano.

Pesquisa avançada para jornalistas

Finalmente, em mais uma iniciativa de apoio ao jornalismo, o Google apresentou o Estudo de jornalista, um novo conjunto de ferramentas para auxiliar os profissionais da área. A primeira solução neste kit é o Pinpoint, que ajuda os repórteres a se moverem rapidamente por centenas de milhares de documentos, identificando e organizando automaticamente as pessoas, organizações e lugares citados com mais frequência.

PinPoint – a solução do Google para jornalistas permite pesquisas mais rápidas em milhares de documentos (Imagem: Google)

As inscrições para acesso ao Pinpoint começam esta semana.

Gostou deste artigo?

Assine seu e-mail no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas novidades do mundo da tecnologia.

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *