O governo de SP atualiza o plano e coloca 95% da população do estado na fase amarela; só Ribeirão Preto desiste | São Paulo

O governo de São Paulo atualizou nesta sexta-feira (4) a classificação das regiões no plano A reabertura gradual das atividades econômicas durante a pandemia do coronavírus e anunciou o avanço de cinco regiões e o declínio de uma.

Com isso, 95% da população do estado encontra-se na fase amarela da classificação do plano, permitindo o funcionamento de bares, restaurantes, lojas e outras atividades não essenciais. O governo também estendeu a quarentena pela 10ª vez e o estado permanece sob restrições até 19 de setembro.

Marília, Presidente Prudente, São João da Boa Vista, Registro e São José do Rio Preto passaram do laranja para o amarelo. A única região que caiu foi Ribeirão Preto, que passou da fase amarela para a fase laranja. O estado continua sem região na fase vermelha, a mais restritiva do plano de afrouxamento econômico.

Alterações em São Paulo Traffic News Eles ocorrem a cada 2 semanas, quando as regiões podem evoluir em fase. Porém, se houver piora nos índices, as regiões podem recuar no intervalo da semana. No ultimo Sexta-feira (28), nenhuma região regrediu.

O governador João Doria (PSDB) disse nesta sexta-feira (4) que a progressão de cinco regiões se deve à melhora nos índices dessas localidades.

“A progressão dessas regiões é uma tendência de melhora nos indicadores que observamos no estado como um todo e já estamos na quarta semana consecutiva de queda nas mortes, fato inédito desde o início da pandemia. Quatro semanas consecutivas com taxas de infecção decrescentes, taxas de mortalidade decrescentes, taxas de ocupação de leitos de UTI decrescentes ”, disse o governador.

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, disse nesta sexta-feira (4) que a região de Franca continuou na fase laranja e a de Ribeirão recuou devido ao número de mortes nas regiões.

“Então temos 5 regiões que estão avançando em fase e aqui temos Franca e Ribeirão Preto que continuam na fase de controle, principalmente pelo número de óbitos que temos registrado nessas regiões. O que também é um sinal positivo para o futuro porque há uma estabilização das internações nessas regiões, que, agora, podemos ter uma maior abertura para a fase amarela ”, afirma.

A única região que recuou nesta sexta-feira (4), Ribeirão Preto, registrou aumento de 43,1% no número de casos e 48,3% nos óbitos na variação semanal. As novas admissões, no entanto, caíram 8,2%.

Nesta sexta-feira (21), o estado registrou 186 novas mortes por coronavírus em 24 horas, atingindo um total de 31.091 mortes desde o início da pandemia. Na segunda-feira (31) a marca de 30 mil mortes foi superada, número superior ao registrado em toda a Espanha.

O governo de São Paulo também anunciou nesta sexta-feira (4) o início da Operação Independência, que vai reforçar a vigilância policial nas cidades turísticas do estado para tentar evitar multidões durante a pandemia de Covid-19.

As cidades do litoral paulista e demais complexos turísticos do interior do estado receberão reforço de 20 mil policiais por dia durante o feriado prolongado de 7 de setembro. Também serão utilizados 7,2 mil veículos e 880 motocicletas, além de helicópteros e drones.

Com exceção de Franca e Ribeirão Preto, 95% das regiões do estado estão na fase amarela

O secretário de Desenvolvimento Regional do estado de São Paulo, Marco Vinholi, afirmou que, pela primeira vez, as mortes no interior do estado atingiram um patamar superior às mortes na capital.

“Outro fator importante é que, pela primeira vez, as mortes no interior do estado atingem patamar superior às mortes na capital: 37,7% das mortes durante a pandemia no estado de São Paulo ocorreram no interior e 37,6% na capital, revertendo essa pirâmide e o interior passando a capital por essa pandemia. Ressaltando a ocupação dos leitos de UTI, apenas a ocupação de Franca tem 75,7%, esse índice deve cair, pois é em média 14 dias, mas os 52 leitos instalados na região nas últimas quinze dias já reproduzem um número chocante no que diz respeito. capacidade hospitalar na região de Franca ”, disse Vinholi.

A maioria de os leitos já haviam sido desativados no dia 1º de agosto. UMA O contrato estava previsto para durar até o final de setembro., mas o prefeito disse que a diminuição de novas internações por coronavírus na capital paulista permitiu antecipar a desativação.

Covas também anunciou nesta sexta-feira (4) que Buffets e discotecas podem funcionar na cidade de São Paulo como restaurantes sem a necessidade de nova licença. Anteriormente, a orientação era que os estabelecimentos deveriam emitir um novo documento para poderem reabrir como restaurantes, que podem operar em regiões que estão na fase amarela do Plano São Paulo e, então, para retornar às suas funções devem solicitar outra licença.

Essa foi a terceira reclassificação no Plano São Paulo após mudanças no processo de classificação feitas pela administração em 27 de julho, que alterou os critérios dos índices monitorados, como percentual máximo de leitos de UTI ocupados permitido nas fases amarela e verde.

A mudança feita pela direção de João Doria (PSDB) nas regras de ocupação de leitos na UTI e margem de erro nos critérios de evolução da epidemia permitiu que as regiões entrassem na fase amarela com mais facilidade. Com a atualização do Plano São Paulo nesta sexta-feira (21), o percentual da população paulistana residente nas regiões classificadas na fase amarela subiu para 88%. Antes, eram 86% dos moradores do estado.

Sexta-feira passada (4) o governo de São Paulo fez mais alterações no Plano de São Paulo. Com eles, as regiões que atingem as fases 3 (Amarelo) ou 4 (Verde) permanecerão nessas fases desde que tenham indicadores semanais abaixo de 40 internações por Covid-19 por 100.000 habitantes e 5 óbitos por 100.000 habitantes. Esse novo critério se sobreporá aos demais, ou seja, se os óbitos e internações ficarem abaixo desse nível, as regiões não regredirão para fases mais restritas de quarentena.

A mudança muda a lógica do plano, uma vez que dois dos principais critérios do Plano São Paulo eram a variação de novas internações, em relação à semana anterior, e a variação de novos óbitos confirmados, em relação à semana anterior.

Principais mudanças nos critérios de classificação do Plano São Paulo:

  • A taxa de ocupação máxima do UCI para uma região que vai da fase laranja para a fase amarela passou de 70% para 75%.
  • A taxa de ocupação máxima do UCI para uma região passar da fase amarela para a fase verde passou de 60% para um percentual entre 70% e 75%.
  • As regiões não podem avançar ou retroceder de fase por ponto percentual, por isso a gestão desenvolveu uma margem de erro de 0,1 para os critérios de evolução da epidemia e de 2,5 para a capacidade do sistema de saúde.
  • Foram acrescentados os critérios de óbito e internação por 100.000 habitantes para que uma região passe da fase amarela para a fase verde.
  • As regiões devem passar 28 dias consecutivos na fase amarela antes de passar para a fase verde.
  • As regiões que atingem as fases 3 (Amarelo) ou 4 (Verde) permanecerão nessas fases desde que tenham indicadores semanais abaixo de 40 internações por Covid-19 por 100.000 habitantes e 5 óbitos por 100.000 habitantes.

Regiões da fase laranja:

Regiões de fase amarela:

  • Baixada santista
  • Município de São Paulo
  • Sub-região Leste da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP)
  • Sub-região Sudeste da RMSP
  • Sub-região sudoeste da RMSP
  • Sub-região ocidental da RMSP
  • Sub-região norte da MRSP
  • Araraquara
  • Araçatuba
  • Barretos
  • Piracicaba
  • Bauru
  • Sorocaba
  • Campinas
  • Taubaté
  • Marilia
  • Presidente Prudente
  • São José do Rio Preto
  • São João da Boa Vista
  • Registro

Os critérios subjacentes à classificação das regiões são:

  • ocupação do leito em Unidade de Terapia Intensiva (UTI);
  • leitos totais por 100 mil habitantes;
  • variação nas novas admissões em relação à semana anterior;
  • variação de novos casos confirmados em relação à semana anterior;
  • variação nas novas mortes confirmadas em comparação com a semana anterior.
  • Na fase verde, também são considerados óbitos e casos por 100 mil habitantes;
  • As regiões que atingem as fases 3 (Amarelo) ou 4 (Verde) permanecerão nessas fases desde que tenham indicadores semanais abaixo de 40 internações por Covid-19 por 100.000 habitantes e 5 óbitos por 100.000 habitantes.

Esses critérios definem em qual das cinco fases de reabertura a região se encontra:

  • Fase 1 – Vermelho: Alerta Alto
  • Fase 2 – Laranja: Controle
  • Fase 3 – Amarelo: Flexibilidade
  • Fase 4 – Verde: Abertura parcial
  • Fase 5 – Azul: Normal controlado

Reabertura de setores da economia:

  • Fase vermelha: apenas serviços essenciais podem funcionar.
  • Fase laranja: também podem reabrir agentes imobiliários, concessionários, escritórios, lojas e centros comerciais, mas com restrições.
  • Fase amarela: Salões de beleza, bares, restaurantes, academias, parques e atividades culturais com público sentado também podem reabrir, mas com restrições.
  • Fase verde: Eventos, convenções e atividades culturais com público permanente também podem ser reabertos, o que pode acontecer novamente quando houver uma estabilidade de quatro semanas do estado de São Paulo na fase verde (4), também com restrições.

‘Puerto Madero’ no rio Pinheiros

Nesta sexta-feira (4), João Doria (PSDB) anunciou que o governo de São Paulo deu mais um passo para a implantação do “Puerto Madero” paulista como área de lazer para a população. De acordo com o governador, o processo licitatório para a concessão da Usina de Traição, onde será desenvolvido o projeto, foi concluído, com empresa escolhida na licitação, após oferecer 1.900% a mais do que o previsto.

“A antiga Usina Traição, hoje Usina São Paulo, foi concedida à iniciativa privada por 22 anos, com uma proposta de R $ 280 milhões, 1,900% do ágio sobre o valor original. Essa é a doação, é o dinheiro que o setor público vai receber para a exploração da Usina São Paulo da iniciativa privada. E mais: 8% de subsídio variado também para a EMAI, de acordo com os resultados da exploração da usina ”, disse Doria em entrevista coletiva com o prefeito Bruno Covas (PSDB).

O projeto foi anunciado pelo governador no ano passado, quando disse que foi inspirado no bairro argentino que tem um porto às margens do Rio de la Plata. O local, repleto de bares e restaurantes, virou ponto turístico de Buenos Aires, e Doria quer o mesmo próximo ao rio Pinheiros, nas proximidades da Ponte Ary Torres, no sul da capital.

* Com supervisão de Cíntia Acayaba.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *