O layout de um desastre amazônico – 09/12/2020 – Maria Hermínia Tavares

“A Amazônia é o coração biológico do planeta Terra e não bate mais com saúde”, diz o cientista Carlos Nobre, voz influente no debate sobre o aquecimento global.
Identificar detalhadamente as ameaças a esse formidável bioma e localizá-las na imensidão de seus 8,2 milhões de km2 é o objetivo do “Atlas Amazonas Sob Pressão 2020”, lançado recentemente pelo consórcio Rede de Informações Sociais e Ambientais Georreferenciadas da Amazônia (Raisg). que reúne organizações não governamentais de seis dos nove países que o acolhem.

São 23 belos mapas, acompanhados de textos que descrevem os riscos à integridade da floresta. As cartas permitem acompanhar as mudanças, geralmente negativas, ocorridas entre 2012 e 2018, oferecendo uma visão ampla do desastre ambiental em curso e dos processos que o desencadeiam.

As pressões sobre a floresta, seus habitantes e a biodiversidade que abriga vêm de vários lados. Entre 2001 e 2009, os incêndios acidentais ou, principalmente, os derivados da expansão da agricultura e da pecuária, cobriram uma área equivalente à da Bolívia, aliás, a segunda maior responsável, depois do Brasil, por esse tipo de catástrofe.

Como se sabe, ou deveria saber, a degradação florestal começa com o fogo, mas também pode vir com obras de infraestrutura, desfigurando a paisagem ao longo de estradas ou no entorno de hidrelétricas.

A mineração legal e a extração de petróleo são dois outros fatores de pressão em quase todos os países amazônicos. Além de destruir a selva, poluem rios e, de mesa, peixes que alimentam os humanos. Pior ainda quando se trata de mineração ilegal. O atlas identificou nada menos que 4.472 sítios de atividades extrativistas ilegais, muitos de médio ou grande porte, localizados principalmente no Brasil (58%) e na Venezuela (32%), muitas vezes em áreas de preservação ambiental ou territórios indígenas. As plantações de coca nas florestas devastadas da Colômbia e do Peru também são ilegais.

O atlas permite uma visão mais complexa dos problemas da Amazônia. Além disso, expõe governos incapazes de se opor a interesses privados predatórios -quando não estão em contato com eles-, alheios ao destino das populações da região e medíocres demais para gerar incentivos ao uso sustentável das imensuráveis ​​riquezas da floresta tropical.

Se o governo brasileiro fosse outro, este seria o momento de transformar o Tratado de Cooperação Amazônica de 1978 em um instrumento eficaz de diplomacia, capaz de promover um esforço compartilhado pela saúde do coração do planeta.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *