O médico que queria salvar vidas e acabou condenado à morte no Irã | Mundo

Parecia que ia ser mais uma viagem de negócios: passar duas semanas em Teerã e voltar para Estocolmo. Quatro anos depois, Vida Mehran-nia ainda se arrepende de não ter “despedido devidamente” o marido.

Ahmadreza Djalali foi convocado pelas autoridades iranianas em 2016. Lá ele ministraria seminários e lecionaria como especialista em medicina de emergência.

No dia de sua partida, sua esposa ligou para lhe desejar boa sorte.

“Mesmo duas semanas de intervalo era demais para suportar”, Vida me disse enquanto tomava um gole de café no centro de Estocolmo. Na Suécia.

Você não pode me receber em sua casa. O filho mais novo do casal não sabe que o pai está na prisão no Irã e continua pensando que o pai está viajando a negócios.

Quatro anos se passaram desde que o médico, que tem cidadania iraniana e sueca, foi preso pelo serviço de inteligência iraniano.

Eles o acusaram de passar informações secretas ao Mossad, a agência de inteligência de Israel, para ajudá-los a assassinar cientistas nucleares iranianos.

Ele foi sentenciado à morte. Seu advogado diz que ele confessou o crime sob tortura.

Em 24 de outubro, Djalali foi mantido em confinamento solitário na Prisão de Evin, uma das maiores do Irã, onde há uma maioria de presos políticos.

Em dezembro, o médico ligou para sua família. Eu estava no corredor da morte.

Vida interpretou isso como um aviso de que as autoridades iranianas estavam se preparando para executar seu marido de 45 anos.

“Ele estava extremamente desesperado e me pediu para ajudá-lo a evitar sua execução e salvar sua vida”, disse Vida à BBC.

“Ele é fraco. Ele pensa que não pode fazer nada para salvar sua vida e que não tem poder para ficar sozinho em uma cela.”

Mais tarde, Djalali falou com sua filha de 18 anos.

“Ela tem chorado e pedido a políticos e ativistas de direitos humanos que salvem a vida de seu pai”, disse Vida.

“É muito difícil. Todos estamos sofrendo muito. Ninguém pode imaginar o que estamos passando. É uma tortura”.

O golpe para a família é imenso.

Ahmadreza Djalali, sua esposa Vida Mehran-nia e seu filho, que agora tem oito anos e não sabe que seu pai está há anos preso no Irã – Foto: VIDA MEHRAN-NIA

“Meu filho mais novo tinha apenas quatro anos quando Ahmadreza foi para o Irã. Agora ele tem oito”, diz Vida.

“Sempre pergunte sobre seu pai e lembre-se de quando você se sentaria em seus ombros e se divertiria.”

Ahmadreza sugeriu que, se for executado, seu filho não deve saber como ele morreu.

Ahmadreza Djalali mudou-se para a Suécia em 2009 para continuar sua formação acadêmica.

Sua família viajou um ano depois, depois que ele foi aprovado para o doutorado no Instituto Karolinska de Estocolmo.

Eles logo se mudaram para a Itália, onde ele fez um pós-doutorado, e depois voltou para a Suécia em 2015.

A família tinha uma vida simples até a fatídica viagem ao Irã.

A Suécia concedeu-lhe a cidadania em 2018 enquanto estava na prisão. Para alguns no Irã, o ato foi a prova de que Ahmadreza era “um trunfo do Ocidente”.

Sua esposa rejeita a interpretação, dizendo que o casal tem autorização de residência permanente desde que Ahmadreza concluiu seu doutorado.

Ahmadreza é um cientista respeitado na Suécia. Ele estava pesquisando como deixar hospitais e regiões mais preparados para desastres.

Sua foto ainda traz uma placa no hospital Södersjukhuset, uma filial do Instituto Karolinska, junto com o título de sua tese de doutorado: “Preparação e hospitais seguros: resposta médica a desastres”.

Ele estava em contato com sua orientadora de doutorado no Instituto Karolinska, a professora Lisa Kurland.

Eles planejavam se reunir em abril de 2017 para discutir a investigação, mas Ahmadreza nunca apareceu.

“Sua não aparência não combinava com seu caráter e eu queria saber se algo havia acontecido”, disse o professor de medicina de emergência.

“Várias vezes perguntei a ele antes e depois de cada visita (ao Irã) se era seguro e ele disse que sim.”

Quando Ahmadreza foi preso no Irã, sua família disse a amigos e colegas que ele havia se envolvido em um acidente de trânsito e que estava em um hospital.

Eles pensaram que iria ajudar a libertá-lo, mas sem sucesso. Então, eles decidiram tornar o caso público.

A professora Kurland diz que sentiu um “choque impensável” ao saber que ele havia sido condenado à morte.

“Lembro-me de sua paixão por querer fazer a diferença”, diz ele.

“Eu queria usar ferramentas e metodologias científicas para obter um doutorado, mas também para ajudar as pessoas no Irã.”

Kataria Bohm e Veronica Lindström, professores associados do Instituto Karolinksa, dividiram os escritórios com Ahmadreza.

Eles o descrevem como “cortês, humilde e meigo”, que sempre falava sobre o Irã e como queria visitar as universidades do país para “compartilhar seus conhecimentos e ajudar as pessoas”, apesar da situação política.

Campanha de libertação

Em 2017, 75 laureados com o Nobel escreveram uma carta aberta às autoridades iranianas pedindo a libertação imediata de Ahmadreza Djalali.

Duas semanas atrás, 150 outros ganhadores do Nobel escreveram outra carta ao líder supremo do Irã, Ali Khamenei, pedindo sua intervenção para libertar Djalali.

No mês passado, a Amnistia Internacional pediu ao Irão que suspendesse a execução.

A chanceler sueca também falou com seu homólogo iraniano para o mesmo fim.

Mas o Irã rejeitou o pedido da Suécia e alertou contra “qualquer interferência”.

A lista de estrangeiros e dupla cidadania do Irã é longa.

Grupos de direitos humanos acusam Terran de usá-los como peões e de ganhar concessões de outros governos.

No mês passado, o Irã libertou um professor britânico-australiano que cumpria pena de 10 anos por espionagem. O professor foi substituído por três prisioneiros iranianos.

A assistente social britânico-iraniana Nazanin Zaghari-Ratcliffe continua detida.

Ahmadreza dedicou sua tese de doutorado ao povo iraniano: “Pelas pessoas mortas ou afetadas por desastres no mundo, especialmente as pessoas da cidade de Bam, no Irã”, diz a primeira página.

Em 2003, um terremoto matou mais de 26.000 pessoas em Bam.

O médico nunca pensou que seu doutorado em medicina de emergência o levaria ao corredor da morte.

Sua esposa diz que Ahmadreza só queria salvar vidas e evitar que esses desastres voltassem a acontecer.

A filha segue os passos do pai. Ela está matriculada na mesma universidade onde fez seu doutorado.

Essa série de eventos tem um sabor agridoce para a Vida, que apoiou a filha apesar da grande ausência em suas vidas.

“Quando ele terminou o ensino médio com boas notas, o pai não estava pronto para comemorar”, diz Vida entre lágrimas.

“Quando ela foi aprovada no Instituto Karolinska e escolheu a medicina, como o pai, ele também não estava lá.”

Vídeos: Notícias Internacionais

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *