O MERCADO IMOBILIÁRIO PORTUGUÊS VIU UM AUMENTO DE PREÇOS EM 2020, APESAR DAS BAIXAS EXPECTATIVAS, DIZ RELATÓRIO DA IMOVIRTUAL

A maioria dos estabelecimentos e especialistas tinham baixas expectativas para o mercado imobiliário português em 2020. Uma infinidade de razões apontava para este resultado, sobretudo a pandemia Covid-19 que varreu o globo. Os preços das casas foram projetados para cair em até 2,5% após quedas mundiais no crescimento econômico devido a bloqueios, desemprego e mudanças drásticas no ambiente econômico. No entanto, contra todas as expectativas, os preços médios de venda de moradias em Portugal aumentaram, efectivamente, 1,6%, em termos homólogos, e 15 mês em mês.

Foi o mercado de arrendamento que mais foi atingido, com uma redução do preço médio de aluguel de 13,5% em termos homólogos, apesar de um aumento de 3% em relação ao mês anterior. No entanto, a pedra angular do mercado em Portugal, Lisboa, permaneceu relativamente imune às dificuldades econômicas vistas em toda a Europa. O preço médio de venda de um imóvel em dezembro de 2019 era de € 551.607, visto que em dezembro de 2020 tinha aumentado em € 5988, para € 557.595.

A Standard & Poor projeta uma rápida recuperação e forte crescimento em 2022, prevendo um retorno à tendência que o mercado estava em pré-pandemia conforme a normalidade retorna. O mercado foi abalado durante o primeiro semestre de 2020 quando o governo anunciou a suspensão do programa Golden Visa, amplamente popular e grande defensor do crescimento do mercado imobiliário nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto. O programa, que atraiu 439 milhões de euros em investimentos entre janeiro e julho de 2020, atraiu cidadãos de todo o mundo. O maior número de cidadãos que usufruem deste regime provém da China, seguido do Brasil, Turquia, Estados Unidos e Vietnam, um conjunto diversificado de países com destaque para o alcance e interesse globais pelo mercado imobiliário português.

O mercado imobiliário vai beneficiar fortemente com um conjunto de projectos de investimento previstos para Lisboa em 2021. Entre os quais € 150 milhões de investimento do grupo indiano Sugee, e a remodelação da Caixa Geral de Depósitos em apartamentos de preços variados. Este será certamente um impulso para a recuperação do mercado, uma vez que, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística, o preço da habitação voltou a subir, subindo 7,1% no terceiro trimestre de 2020. Os investimentos das empresas privadas ajudam a dinamizar o mercado, o qual será apoiado por um conjunto de investimentos públicos do Governo português, que prevê investir 28 milhões de euros no município do Funchal, e mais 33 milhões de euros nas necessidades habitacionais de Coimbra.

You May Also Like

About the Author: Manoel Menezes

"Analista hardcore. Viciado em Twitter. Comunicador. Jogador sutilmente encantador. Fã de bacon. Fanático por álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *