O país que já está na terceira vaga da Covid-19 | Coronavírus

Enquanto muitos países enfrentam o temido “Segunda onda” casos de coronavírus, e ainda há lugares que não passaram pelo primeiro, o Será já está contando as mortes de um terceira onda.

E no que já foi um dos países do Oriente Médio mais afetados pela pandemia, este a “terceira onda” é a mais mortal delas.

O Irã bateu novamente o recorde de infecções diárias nos dias de semana com 4.830 novos casos de Covid-19 na quarta-feira (14), segundo registros da Universidade Johns Hopkins (Estados Unidos)

Mas a nação persa bate recordes desde 22 de setembro, quando ultrapassou 3.574 casos diários registrados no início de junho, no auge de sua “segunda onda”.

“Embora a segunda onda de coronavírus tenha sido contida com sucesso, a terceira está emergindo porque os protocolos de saúde foram ignorados”, advertiu o ministro da Saúde iraniano, Saeed Namaki, no mesmo dia, segundo notícias da agência de notícias oficial do Irã.

Menos de duas semanas depois, em 5 de outubro, o Irã já havia igualado seu recorde diário de mortes, semelhante ao de julho.

E as 279 mortes registradas nesta quarta-feira também são a maior cifra diária em um país que, segundo dados oficiais, já tem mais de meio milhão de infecções e quase 30 mil mortes pela pandemia.

No entanto, o número real é muito maior: em agosto passado, o serviço persa da BBC recebeu registros do governo que vazaram, mostrando que, em 20 de julho, quase 42.000 pessoas morreram devido aos sintomas de Covid-19, mas o Ministério da Saúde A saúde registrou apenas 14.405 mortes.

O número de pessoas identificadas como infectadas nesses documentos também foi quase o dobro do ministério.

E o vice-ministro da Saúde do Irã, Iraj Haririchi, finalmente reconheceu que o número real de mortos é “significativamente” maior do que os números oficiais.

De acordo com a BBC Persian, Haririchi explicou que as estatísticas oficiais são baseadas no número de mortes com um teste de PCR positivo, mas estimou que, dependendo da província, o número real de vítimas do coronavírus está entre 1,5 e 2,2 vezes. maior do que o divulgado por esses registros.

O vice-ministro também alertou que tanto os profissionais de saúde quanto os suprimentos médicos estão à beira da exaustão com o agravamento da situação em Teerã e em outras regiões do país.

Alunos são vistos em aula na escola Al-Mahdi, Teerã, Irã, em 5 de setembro – Foto: Majid Asgaripour / WANA (West Asia News Agency) via Reuters

No momento, 27 das 31 províncias do país já foram designadas pelas autoridades iranianas como zonas “vermelhas” devido ao rápido aumento das infecções.

E a situação na capital, Teerã, e seus subúrbios, foi descrita como especialmente “crítica”.

O Dr. Alireza Zali, que dirige as operações contra o coronavírus na província de Teerã, alertou nesta quarta-feira que a cidade vive “os dias mais difíceis da terceira onda da doença”.

“Se nenhuma intervenção séria for feita, esse ritmo não diminuirá e as condições atuais podem manter tudo nesse nível”, acrescentou Zali, de acordo com a BBC Persian.

Para tentar conter a propagação do vírus, o uso de máscaras na capital é obrigatório desde o último sábado, com o governo anunciando multas de US $ 6,60 (R $ 37) para quem sair sem usar.

E na quarta-feira, todas as viagens de ou para Teerã e quatro outras grandes cidades iranianas também foram proibidas até o meio-dia de domingo.

A medida foi ordenada um dia depois que o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, pediu explicitamente a proibição de “certas atividades e viagens”.

“As regulamentações do coronavírus devem ser soberanas e vinculativas. Há muito tempo digo ao estimado presidente e às autoridades que elas devem ser cumpridas”, disse Khamenei em sua conta no Twitter.

O presidente Hassan Rouhani, por sua vez, já havia declarado na semana passada que quem esconder uma infecção por Covid-19 e não permanecer em quarentena por 14 dias deve enfrentar a “maior punição” possível.

E o presidente também alertou que funcionários do governo que violam repetidamente os regulamentos podem ser suspensos por um ano. As empresas infratoras podem ser fechadas.

As novas medidas refletem a posição oficial, que atribui o ressurgimento do vírus ao não cumprimento de regulamentações como o uso de máscaras e distância social.

Embora o ministro da Saúde iraniano, Saeed Namaki, tenha insistido esta semana que manter “sanções ilegais” (em referência às sanções econômicas dos EUA impostas ao Irã) durante uma pandemia equivale a genocídio, ele também assegurou que o Irã tem sido capaz de atender às suas necessidades. necessidades de medicamentos e equipamentos de proteção, e até exportação para outros países.

No entanto, em um país empobrecido, exausto por anos de sanções, a confiança na capacidade das autoridades de lidar com a pandemia do coronavírus está diminuindo.

E até o chefe da Associação Médica Iraniana, que é nomeado pelo governo, tem feito críticas, acusando as autoridades encarregadas de lidar com a crise de terem ignorado as advertências de especialistas.

“Algumas decisões não foram tomadas por especialistas, como a reabertura de escolas ou o anúncio de protocolos que as pessoas não eram obrigadas a seguir”, disse Mohammad Reza Zafarghandi, segundo o diário britânico The Guardian.

Mas para Mohammad Talebpour, diretor do hospital Sina, o mais antigo de Teerã, se os iranianos não agirem juntos, as consequências podem ser ainda mais desastrosas.

Talebpour disse ao The Guardian que, nesse caso, e se a doença persistir por mais 18 meses, o número de mortos pode chegar a 300.000.

Mais do que uma onda, este seria um verdadeiro tsunami para o Irã.

VÍDEOS: Mensagens de brasileiros em tempos de isolamento

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *