O que a crise do coronavírus e as mudanças climáticas têm em comum?

GovTech

As duas crises têm muito mais em comum do que podemos imaginar (Pixabay)

O documentário “Pandemia”, disponível na Netflix, emite um alerta muito sério sobre doenças com potencial de contaminação global: seu surgimento não é mais uma questão de “sim “, mas de “quando ” e “curtir ” Isso deveria acontecer.

Essa é uma preocupação que ainda não surgiu, já que os pesquisadores há muito apontam o risco de pandemias e quais são os fatores potenciais que impulsionam sua ocorrência com frequência cada vez maior.

Bill Gates é uma dessas pessoas. Esta semana eu compartilhei meu redes sociais um vídeo em que o fundador da Microsoft alertou sobre o perigo da próxima epidemia, enfatizando que não estaríamos preparados para enfrentar esse desafio, a menos que comecemos imediatamente, implementando um esforço de coordenação global. O ano era 2015 e a previsão era assustadoramente precisa sobre o que estamos experimentando hoje, incluindo nossa (não) capacidade de resposta.

Ainda serão realizadas pesquisas em profundidade, mas análises preliminares indicam que o surgimento do coronavírus é de origem zoonótica, ou seja, provém de animais. Um informar O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), publicado em 2016, indica que 60% de todas as doenças infecciosas que afetam os seres humanos são provenientes de animais. Além disso, 75% deles são chamados de “doenças infecciosas emergentes” porque surgiram recentemente: estima-se que, em média, uma nova doença possa surgir em humanos a cada quatro meses.

Nos últimos dias, comecei a me perguntar por que uma previsão tão séria e, mais importante, se há algo que possamos fazer para impedir que ela se torne realidade. E o que li aponta para uma realidade que precisamos modificar: o impacto das atividades humanas no meio ambiente contribuiu não apenas para as mudanças climáticas, mas está diretamente relacionado ao rápido surgimento de doenças cada vez mais perigosas, como o coronavírus .

Mudança climática e aparecimento de pandemias.

Existe uma relação profunda entre o surgimento de pandemias e as mudanças climáticas, uma vez que ambas são potencializadas por ações humanas, como o crescimento e a concentração de populações em áreas urbanas e também atividades que resultam na degradação e redução de ecossistemas ambientais.

Segundo dados do PNUMA, as mudanças no uso da terra, na indústria agrícola, além do comércio internacional e das viagens, representam 59% dos principais fatores responsáveis ​​pelo surgimento de novas doenças.

Para mudar esse cenário, especialistas dizem que prevenção e capacidade de resposta devem ser estratégias a serem adotadas. Em outras palavras, é necessário monitorar constantemente o surgimento de novas doenças, impedindo que elas se espalhem e alcancem níveis globais de contaminação, como pandemias.

Essas medidas, embora fundamentais, também são paliativas. Para enfrentar o problema, é necessário alcançar sua causa: devemos equilibrar o desenvolvimento social e econômico das nações com medidas que garantam a preservação e a integridade do meio ambiente.

Nos últimos dias, vimos o impacto que nossas ações têm sobre a natureza, tudo graças a ações de desapego social e quarentena em todo o mundo.

A pandemia tem sido uma pausa para o meio ambiente

Pixabay

Um dos efeitos inesperados do coronavírus foi o seu impacto positivo no meio ambiente. Na China, epicentro da pandemia, houve uma redução de 25% nas emissões de CO2 em apenas quatro semanas, de acordo com dados da Resumo de carbono. Esse número pode ser bastante abstrato, mas para se ter uma idéia da relevância do número, o valor é equivalente à remoção de 200 milhões de toneladas de gases de efeito estufa do meio ambiente. Tudo isso ocorreu devido à redução de todas as atividades econômicas do país: indústrias, circulação de meios de transporte, como automóveis e aviões, além da desaceleração do setor comercial.

Aqui em São Paulo também podemos observar mudanças devido às medidas de distância social e quarentena. Dados das 29 estações de monitoramento da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), por exemplo, indicam que a qualidade do ar é “boa” em toda a região metropolitana.

Segundo informações do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto Arapyaú, a crise do coronavírus também afetou a região amazônica. Existe uma preocupação específica com a saúde da população indígena, uma vez que o grupo é mais sensível à letalidade de doenças infecciosas. O Instituto Socioambiental (ISA) criou um plataforma Monitoramento específico para monitorar a situação de saúde de grupos indígenas em todo o país.

Em relação ao desmatamento na região, existem expectativas positivas, mas também o medo dos impactos de longo prazo da crise. Isso ocorre porque a desaceleração econômica pode até reduzir o desmatamento no curto prazo, mas é necessária vigilância constante para que não seja substituído por outras atividades ilegais.

Embora as notícias possam ser animadoras, mesmo neste período de crise, duas verdades precisam ser reconhecidas. Primeiro, impactos positivos têm pouco efeito na reversão do cenário de mudanças climáticas, se não forem transformados em ações de longo prazo. Isso se conecta ao segundo ponto: infelizmente, a tendência mais razoável é que a melhoria dos indicadores ambientais não continue assim que as atividades econômicas retornarem ao nível anterior à crise, o que acontecerá mais cedo ou mais tarde.

Inovação e tecnologia para transformar

O que vivenciamos nos últimos dias mostra que não há alternativa mais eficaz para impedir a ocorrência de novas epidemias: precisamos monitorar constantemente o aparecimento de doenças e também garantir que sua principal causa, ou seja, o impacto negativo das ações humanas. no meio ambiente, ser eliminado

E as Healthtechs y greentechs Eles apresentaram soluções promissoras para ajudar nessa tarefa difícil.

Um exemplo é casa pernambucana Epitrack, criado em 2013 na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-PE). Tem sido referência na construção de plataformas baseadas em crowdsourcing e inteligência epidemiológica. Uma de suas soluções é baseada na estratégia de vigilância epidemiológica participativa: em geral, os usuários descrevem seus sintomas na aplicação e, com base nesses dados, são construídos mapas que detalham o comportamento da doença no território. Informações muito valiosas para orientar o trabalho dos gestores públicos.

Eles fazem parte do BrazilLAB Alguns especialistas em tecnologia que usam tecnologias de ponta para contribuir com o meio ambiente. Este é o caso de Plataforma verde, que usa blockchain, uma solução que permite o registro, mapeamento e rastreamento de informações em uma ordem cronológica e conectada. Como é descentralizada, as informações ganham mais segurança, dificultando a alteração ou a corrupção de qualquer forma. A solução desenvolvida pela startup foi aplicada ao gerenciamento de toda a cadeia de resíduos sólidos, desde a geração de resíduos até seu destino final.

A solução BRFlorPor sua vez, pode ser aplicado no combate ao desmatamento ilegal, que, segundo as estimativas da startup, é fonte de 80% da madeira produzida no Brasil. Com base em tecnologias como blockchain, internet das coisas (IoT) e inteligência artificial, permite registrar e rastrear a produção de madeira, garantindo sua legalidade. Solução que pode ser muito bem aplicada por órgãos de inspeção e controle ambiental.

Existem também startups que atuam no mercado de energia renovável, como é o caso da Sunew, que criou painéis orgânicos para captar energia solar. Eles podem ser instalados em prédios, carros e até transportes públicos, gerando energia limpa e abundante em um país como o Brasil.

Outras empresas se dedicam ao grave problema do saneamento básico, como já mencionei. aqui. Como a No caso, um dos selecionados O ciclo do Programa de Aceleração do BrazilLAB, que desenvolveu uma solução baseada em inteligência artificial e que tem sido usado para identificar e corrigir desperdícios de água em sistemas de abastecimento de água nas cidades.

Precisamos reduzir o impacto de nossa existência no planeta. E as tecnologias serão fundamentais para isso. Quanto mais cedo começarmos, melhores resultados teremos.

Os aprendizados de hoje para guiar o amanhã

A pandemia de coronavírus tornou ainda mais evidente o impacto que as atividades humanas têm sobre o meio ambiente, bem como a relação entre esses impactos e o aparecimento de doenças. É claro para mim que fazemos parte de um equilíbrio cíclico sensível, e é nosso papel garantir que ele seja sempre mantido.

James Holland, professor da Universidade de Stanford, nos EUA. Os EUA observam que “fizemos muito para projetar um mundo em que as doenças infecciosas emergentes têm maior probabilidade de ocorrer consecutivamente, assim como projetamos um mundo no qual ocorrem incêndios. Florestas, inundações, secas e outras consequências locais” mudanças climáticas são mais prováveis ​​e cada vez mais frequentes “.

Essa leitura me parece muito importante, porque indica que a crise que estamos enfrentando não nos foi imposta, mas é um resultado direto de nossas ações. Existe, portanto, a possibilidade de alterar esse cenário.

Espero que o que ouvi nos últimos dias seja verdadeiro: que a pandemia transforme o mundo em que vivemos. E também espero que possamos usar esse período para refletir sobre a importância da prevenção e o valor que o uso de tecnologias pode trazer. E, acima de tudo, espero que a versão da humanidade que emergirá desse momento de crise seja melhor e mais gentil com o meio ambiente: a saúde e a sobrevivência de todos dependem disso.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *