O que acontece se você for jogado no espaço sem roupas de proteção? Não seria bom – 06/06/2020

A julgar por iniciativas renomadas como Elon Musk e Jeff Bezos, não demorará muito para que o turismo espacial se torne realidade. E embora a idéia de ver a Terra “de fora” e experimentando a sensação de viajar pelo espaço encante muitas pessoas, fazemos a pergunta: o que aconteceria se alguém acabasse no espaço sem nenhuma proteção?

A situação, é claro, já foi explorada em vários filmes de ficção científica de maneira fantástica, como pessoas que quase explodem quando expostas ao vazio em “O Vingador do Futuro” (1990), ou outras mais próximas da realidade, com corpos que congelam lentamente. na série “A expansão” (2015).

Em geral, ser desprotegido no espaço não significa necessariamente morte certa. O problema é que o tempo de resgate para uma pessoa sair dessa “aventura” é muito curto.

A falta de pressão é o maior vilão

Um dos primeiros desafios que o espaço “aberto” representa para os seres humanos é que nossos corpos são o resultado de anos de adaptação à atmosfera da Terra e outros fatores. Destes, dois podem ser citados: gravidade e pressão atmosférica.

Aqui está um problema: a tendência é que uma pessoa prenda o ar em um ambiente livre de oxigênio, como no fundo de uma piscina ou, por exemplo, no vácuo do espaço.

O problema é que, ao fazer isso fora da Terra, a falta de pressão atmosférica fará com que o ar dentro dos pulmões se expanda. E há uma boa chance de que isso cause a ruptura de um órgão, semelhante ao que acontece quando explodimos um balão de festa além de sua capacidade.

Bem, escusado será dizer que isso seria apenas uma sentença de morte.

Corpo “fervendo”

Suponha que nosso viajante seja notificado da situação. E antes de entrar em órbita, libere o ar dos pulmões. Nesse cenário, você deve manter alguns segundos de consciência enquanto o corpo consome o restante de suas reservas de oxigênio.

Esse tempo varia de pessoa para pessoa, mas quando o sangue sem oxigênio começa a chegar ao cérebro, a tendência é perder a consciência devido à hipóxia, um estado de baixo conteúdo de oxigênio no tecido orgânico.

Antes disso, é muito provável que ela se sinta estranha. Em um ambiente despressurizado, a tendência é que os líquidos não dependam de altas temperaturas para ferver.

Considerando que aproximadamente 60% do corpo humano é composto de água, em alguns segundos os fluidos corporais começarão a vaporizar e ocupar mais espaço, causando inchaço, além de expulsar o conteúdo do estômago, intestinos e sistema urinário. sob a forma de vômito, fezes e urina.

Como isso continua acontecendo, também existe um alto risco de formação de bolhas no sistema circulatório, e uma situação chamada embolia gasosa tende a ocorrer. Nele, as bolhas de gás bloqueiam a circulação sanguínea, algo com risco de vida se ocorrer na região do coração, o que faria com que as células do órgão morressem gradualmente, causando parada cardíaca. Ou mesmo no cérebro, que sem sangue ou oxigênio, teria hipóxia.

Você não congelará (rapidamente)

Bem, o espaço está muito frio e até conversamos sobre como seria se o sol “saísse”. Mas, exposto a ele e desprotegido, não congelaria instantaneamente, como muitas pessoas supõem. A razão para isso é a ausência de um material, como aconteceria com o ar, na Terra, para a troca de calor com o corpo humano.

Nesta situação, o corpo humano esfria emitindo radiação: todo e qualquer corpo, seja um ser vivo ou um objeto inanimado, emite radiação. No caso dos seres humanos, a maior parte dessa emissão ocorre no infravermelho e em um ambiente onde não há materiais, a perda de calor ocorre através da emissão desses fótons.

Mesmo que seja um processo mais longo, a pessoa acabará congelando. Mas quando isso acontecer, ele provavelmente já morreu há algum tempo.

E a radiação do espaço?

Além disso, outro perigo de exposição direta ao espaço é a radiação. Aqui na Terra, o campo magnético do planeta atua como um filtro, filtrando a maior parte da radiação do espectro eletromagnético que “circula” pelo espaço, como raios X e raios gama, e permitindo outros tipos de radiação, como ultravioleta

No espaço, não existe esse filtro e a pessoa deixada “à deriva” sofrerá a incidência dessa radiação. Apesar da possibilidade de queimaduras na pele em alguns segundos, os efeitos mais prejudiciais desse banho de raios dependeriam da pessoa exposta por um período muito maior, além do tempo de sobrevivência dessa situação.

É possível sobreviver?

Em teoria, sim, mas tudo depende da rapidez com que a pessoa é resgatada e retornada a um ambiente pressurizado e também de quão abrupto foi o processo de descompressão.

Tomando como exemplo um estudo realizado em 1965 na Base da Força Aérea da América do Norte em Brooks, Texas, cães expostos a condições de vácuo quase cheias por até 90 segundos sempre sobreviveram e voltaram ao normal após terem após 10 a 15 minutos. Um ambiente com pressão igual ao nível do mar.

Aqueles que permaneceram nesse “quase vazio” por dois minutos ou mais acabaram morrendo, principalmente nos casos em que o processo de descompressão ocorreu abruptamente.

E depois da morte dele?

Considerando que tudo deu errado e que a pessoa infeliz lançada no espaço acabou morrendo, o destino de seu corpo não será o mesmo de alguém que morre em um ambiente mais, digamos, convencional.

Como você estará em um ambiente livre de oxigênio, seu corpo não passará pelo processo de decomposição. Aqui, tudo depende se você está ou não perto de uma fonte de calor. Se assim for, haverá um processo de mumificação do corpo. Caso contrário, ele irá congelar e vagar indefinidamente pelo espaço.

Fontes: Roberto D. Dias da Costa, professor do Departamento de Astronomia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP); e Sandra Regina Mota Ortiz, doutora em fisiologia humana da Universidade de São Paulo (USP) e professora do curso de medicina da Universidade Municipal de São Caetano do Sul

You May Also Like

About the Author: Francisca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *