O que deu errado com o reinício da F1?

Ou Tuscany GP, derrotado por Lewis Hamilton No último domingo, ele foi marcado por um grande acidente em uma das recargas, que tirou quatro carros de corrida e resultou em avisos para doze dos 18 pilotos que estavam na pista na época. A Federação Internacional do Automóvel responsabilizou os motoristas pelo acidente, mas vários fatores contribuíram para o acidente.

  1. Os procedimentos de reinicialização mudaram este ano.

Atrás do Safety Car os motoristas devem manter uma distância igual a no máximo 10 carros entre si, e isso vale também para o primeiro lugar em relação ao próprio Safety Car, até o momento em que as luzes do carro são apagadas. SC, indicando que está entrando nas boxes.

Assim que as luzes do SC se apagam, o líder dita o ritmo. Você pode manter o ritmo que quiser até a linha de chegada, onde a corrida é reiniciada, e a única instrução é não dirigir erraticamente (ou seja, você precisa manter uma velocidade mais constante).

É importante lembrar que, antes mesmo de a luz do SC apagar, os pilotos já sabiam que a corrida seria reiniciada naquele momento, conforme avisam as equipes. Depois de retomar em Mugello, este aviso foi dado às equipas um minuto antes do reinício.

Este ano, na tentativa de aumentar a empolgação da recarga, a FIA adotou o procedimento de desligar a luz SC mais tarde do que antes, somente quando ela atingir a linha SC, ou seja, na entrada do box. Isso para dar ao líder menos tempo para abrir espaço e obter uma vantagem. Todos os motoristas sabem que este procedimento foi alterado e que os semáforos apagam mais tarde que o habitual, embora Valtteri Bottas tenha revelado que em Mugello a Mercedes procurou falar com a FIA para alterar o procedimento, levando-nos ao segundo Score.

  1. A chegada de Mugello está à frente de outros circuitos

Isso varia de acordo com o circuito: às vezes a linha de chegada está mais para o início da reta, às vezes está perto do pólo. A Mercedes entendeu que, em Mugello, como a linha de reinício da corrida está muito longe da última curva, este novo procedimento de atrasar o semáforo SC (ou seja, atrasar o ritmo ditado pelo líder) poderia deixe seus pilotos muito expostos. Mas a reclamação deu em nada.

De qualquer maneira, todos conheciam este procedimento e onde estava a linha de reinicialização de teste e sabiam também que o líder esperaria até o último momento, ou seja, até atingir essa linha, para acelerar, justamente porque seria a forma mais eficiente de evitar um ataque na primeira curva.

O director da prova, Michael Masi, defendeu os procedimentos e sublinhou que “todos os pilotos foram avisados” sobre onde o SC apagaria as luzes e de que linha a corrida iria recomeçar. “As luzes se apagam quando precisam se apagar. O safety car entra no pitlane. E nós temos os 20 melhores pilotos do mundo”, disse ele, exigindo melhor comportamento dos pilotos no futuro.

Mas este é um ponto controverso, como observou Hamilton. “Obviamente, eles estão tentando tornar as descidas mais emocionantes, mas agora eles veem que isso coloca as pessoas em risco. Então, eles podem ter que reconsiderar.”

Os pilotos começaram a tentar abrir “flashes” para acelerar

Na maioria das pistas, a linha do Safety Car fica antes da última curva, então, assim que o Safety Car apaga as luzes e sai da frente, o piloto líder já começa a acelerar. Como todo esse processo acontece em linha reta devido às características da pista de Mugello, há uma grande vantagem para quem consegue deixar espaço para o carro da frente começar a acelerar mais cedo, no início da reta. O líder, por outro lado, não consegue fazer isso justamente porque o SC está se atrasando muito na frente dele, então manter o ritmo mais lento até a linha de reinício da corrida é a melhor estratégia neste caso.

No reinício, os pilotos começaram a tentar abrir essas vagas, freando e acelerando. Isso começou a acontecer, de forma muito sutil, a partir do quarto lugar, Alex Albon. O primeiro a sair de um espaço maior foi Daniil Kvyat, seguido por George Russell. A ideia era deixar um espaço para que, quando os Bottas acelerassem, eles pudessem vir mais embalados.

Isso causou nos pilotos a impressão de que Bottas já havia acelerado, lembrando que um carro de F1 vai de 0 a 200 km / h em pouco mais de 4 segundos. Quando os que estavam mais para trás viram que os carros ainda estavam lentos, não conseguiram desviar.

“Acho que o acidente foi causado quando alguns pilotos no meio do pelotão deixaram um espaço muito grande e aceleraram tudo para reduzir esse espaço pensando ‘agora a corrida vai começar de novo'”, explicou Nicholas Latifi, um dos envolvidos.

  1. Por que Bottas não foi culpado?

O finlandês não fez nada de errado: assim que o SC desligou o semáforo e começou a marcar o ritmo, ele manteve a aceleração constante, assim como os pilotos atrás dele. “Começamos a correr da linha, não antes. Para que as pessoas que bateram atrás dela possam se olhar nos espelhos. Não adianta reclamar disso”, disse o finlandês.

  1. A luz verde enganou os pilotos?

Não. Os motoristas nem mencionaram isso como um fator, pois reagem ao que está acontecendo bem na frente deles. É por isso que o comportamento de aceleração e frenagem piorou no meio do pelotão.

  1. A experiência falou em voz alta

Foi interessante notar que dois campeões mundiais que estavam mais para trás no pelotão não se envolveram no acidente: Kimi Raikkonen e Sebastian Vettel. Isso porque Kimi viu o que estava acontecendo na frente dele e decidiu não se meter em problemas. Vettel então agradeceu. “Ele estava bem atrás do cara na frente dele. Foi melhor para nós dois.” Latifi estava na frente, um dos quatro pilotos, junto com Sainz, Magnussen e Giovinazzi, que caíram.

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *