O que significaria uma moeda comum para Brasil e Argentina?

brasil e argentina eles devem anunciar planos preliminares sobre uma moeda comum esta semana. Os dois países estão agora politicamente alinhados, após a recente eleição do ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva do Brasil. Isso poderia preparar o terreno para outro grande bloco monetário, com a zona do euro servindo tanto como modelo quanto como alerta.

A ideia de Brasil e Argentina entrarem em uma moeda comum levanta a mesma questão em muitos setores agora.

“Minha reação inicial foi: ‘Por que fazer isso?’”, disse Bipan Rai, chefe global de estratégia de câmbio da CIBC.

Esse é especialmente o caso no Brasil, disse ele. “A Argentina tem sido historicamente um ambiente bastante instável para moedas. Na verdade, eles tiveram que introduzir novas moedas com bastante frequência ao longo de sua história”.

Os problemas cambiais da Argentina continuam pressionando. No ano passado, sua taxa de inflação atingiu um nível de três décadas. Cadastro de 95%. A atração pode se resumir à influência do Brasil, disse Rai.

“Isso daria a eles o mesmo tipo de influência que a Alemanha poderia ter sobre um país periférico da zona do euro”, disse ele, acrescentando que a economia do Brasil é muito maior que a da Argentina e quer consolidar sua posição como potência regional.

O Brasil também pode estar preocupado com o aprofundamento dos laços econômicos da Argentina com outros países, disse Susan Pozo, professora de economia da Western Michigan University.

“Eles podem querer seguir em frente em termos de vínculos mais estreitos com a Argentina”, disse ele.

Ter uma moeda comum também pode facilitar o comércio entre os dois países. “O comércio internacional pode ser muito mais caro quando você precisa pensar nas taxas de câmbio e em possíveis mudanças nas taxas de câmbio”, disse ele.

Mas Pozo disse que a integração econômica tem um custo. O professor de governo da Universidade de Harvard, Jeffry Frieden, concordou.

“Retira ou reduz drasticamente a flexibilidade de cada país em sua política monetária”, afirmou. “Acho que o que aconteceria é que a Argentina abriria mão de sua política monetária”, uma ferramenta poderosa para a Argentina governar sua própria economia.

Na Europa, Frieden disse que a integração significa combinar países devedores como a Grécia e a Espanha com países credores como a Alemanha. Mas, no final, “o banco central não consegue satisfazer a todos”, disse Frieden.

Apesar dos avanços na Europa, ele disse que a experiência lá deve servir de alerta para Brasil e Argentina, cujas economias estão em caminhos muito diferentes.

Há muita coisa acontecendo no mundo. Independentemente disso, o Marketplace está aqui para você.

Você confia no Marketplace para detalhar os eventos mundiais e dizer como eles afetam você de uma maneira acessível e baseada em fatos. Contamos com seu apoio financeiro para continuar tornando isso possível.

Sua doação hoje impulsiona o jornalismo independente em que você confia. Por apenas $ 5 por mês, você pode ajudar a manter o Marketplace para que possamos continuar relatando as coisas que são importantes para você.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.