O resultado do Bradesco foi muito positivo.

Um homem passa por uma agência do Banco Bradesco SA em São Paulo, Brasil. O Bradesco é o segundo maior banco não governamental do Brasil. (Foto de Paulo Fridman / Corbis via Getty Images)

SÃO PAULO – Em desacordo com o movimento de Unidades Santander Brasil (SANB11) após a publicação dos resultados do segundo trimestre do dia anterior, as ações do Bradesco (BBDC3;BBDC4) registraram queda significativa, que atingiu mais de 3% durante a sessão desta quinta-feira (30).

Como no trimestre anterior, o o banco registrou uma queda acentuada no lucro líquido recorrente entre abril e junho, de R $ 3.873 bilhões, valor 40,1% inferior ao identificado no ano anterior, de R $ 6.462 bilhões, embora 3,2% acima da comparação com os primeiros três meses de 2020.

No entanto, quem pensa que esse fator fez com que o resultado seja mal recebido pelos analistas de mercado está errado. Em primeiro lugar, vale ressaltar que, no dia anterior, as ações do Bradesco fecharam 3,15%, acima da valorização de 1,44% do Ibovespa no dia, com ativos que reagiram ao resultado positivo do Santander Brasil, que também poderia se estender a seus pares. Em outras palavras, ele já está avaliando parcialmente um sólido balanço patrimonial.

Além disso, a sessão desta quinta-feira é negativa para o mercado geral em meio a preocupações com o avanço do coronavírus e após o lançamento do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos, além de dados de atividades piores do que o esperado em Alemanha, a maior economia da Europa (veja mais clicando aqui), que também afeta as ações do setor financeiro em geral.

Outro ponto é que, mais uma vez, a queda acentuada nos lucros veio de uma “boa causa” (como, de fato, ocorreu com o Santander Brasil). Pelo segundo trimestre consecutivo, o Bradesco reforçou suas provisões com perdas de crédito, no valor de R $ 3,8 bilhões. No primeiro trimestre, o Bradesco já havia estabelecido provisões de R $ 2,7 bilhões para se proteger do impacto da crise do coronavírus nos clientes.

Como resultado, as provisões totais atingiram R $ 8,89 bilhões, um aumento de 155% em relação ao mesmo período do ano passado e 32,5% em relação aos três primeiros meses do ano (R $ 6,7 bilhões). ) O colchão de proteção total, portanto, foi de R $ 15,6 bilhões.

Segundo o banco, as provisões foram reforçadas em consequência do cenário econômico adverso que pode levar a um aumento do nível de inadimplência em meio à falência das empresas, ao aumento do desemprego e à degradação do valor das garantias.

Portanto, o índice de cobertura, que estabelece uma relação entre o saldo da provisão para créditos de liquidação duvidosa, foi de 300%.

Assim, como Marcel Campos, analista da XP Investimentos (veja mais clicando aqui), embora o lucro fosse esperado e o ROE (retorno sobre capital) fosse de 11,9% (comparado a 20,6% no segundo trimestre do ano passado), as provisões foram superiores ao esperado e fortaleceram o saldo bancário.

O Credit Suisse também reforça que, antes do impacto das provisões, o lucro estava acima das estimativas dos analistas do banco em 15%. “O Bradesco aproveitou o sólido desempenho operacional da NII [margem financeira bruta]opex [despesas operacionais] e no setor de seguros para fortalecer suas provisões, incluindo a criação de provisões adicionais no valor de R $ 747 milhões para compensar o baixo índice de cobertura da subsidiária de seguros ”, avalia Marcelo Telles, Otavio Tanganelli e Alonso García, analistas do banco suíço .

“Acreditamos que o bom desempenho do Bradesco deve ser percebido pelos investidores, principalmente considerando seus resultados abaixo das expectativas no primeiro trimestre de 2020”, disse Campos, da XP. Cabe ressaltar que, no trimestre anterior, resultado do banco chateado em meio à deterioração da qualidade dos ativos, com ênfase no aumento dos padrões.

Neste trimestre, essa linha de saldo foi “definitivamente” o maior ponto positivo do trimestre, diz Campos. A taxa de inadimplência de 90 dias caiu para 3% no final do segundo trimestre, de 3,7% em março e 3,2% em junho de 2019.

Segundo o analista, considerando que as inadimplências devem atingir seu ponto máximo no final do ano e o índice de cobertura terá um forte reforço, o banco parece preparado para enfrentar a crise.

Vale ressaltar que os bancos realizaram programas de renegociação e extensão de dívida. Nesse sentido, o Bradesco destacou os números considerados bons na extensão das parcelas de empréstimos, que até agora totalizavam R $ 61 bilhões com clientes, dos quais: i) 93% estavam atualizados; ii) 71% com garantia; e iii) manteve relacionamento médio de 14 anos. “Esse comentário deve ser relevante, pois os investidores avaliam se o banco deve ou não receber esses empréstimos. Lembramos que, mesmo considerando os empréstimos renegociados, o índice de cobertura do banco aumentou ”, afirma o analista do XP.

O banco também anunciou o fechamento de mais de 300 agências no ano, que é avaliado como positivo, enquanto a redução de custos deve ser obrigatória no novo ambiente de digitalização e a redução de tarifas.

Outra surpresa positiva foi em relação às despesas. A linha de pessoal diminuiu 9% no trimestre e 12% na comparação anual, atingindo R $ 4,8 bilhões, com menores despesas com participação nos lucros (o Bradesco assinou um acordo de não demissão), uma redução considerável na custos com treinamento e conclusão no trimestre.

A parte não estrutural dos custos diminuiu 52% em relação ao ano anterior e 38% em relação ao trimestre anterior, para R $ 635 milhões. “Outros custos também melhoraram, mas estão abaixo das expectativas. De maneira geral, o índice de eficiência do banco aumentou 6 pontos percentuais no trimestre para 37%, muito positivo, considerando que os custos foram negativos em 2019 ”, aponta Campos. Houve uma queda anual de 5,5% nas despesas operacionais, que totalizaram R $ 11,5 bilhões de reais no trimestre.

A carteira de crédito ampliada, por sua vez, cresceu para R $ 661 bilhões, um aumento de 15% em relação ao segundo trimestre de 2019, liderada por operações com pessoas jurídicas com maior demanda de grandes empresas durante a pandemia.

Por outro lado, a receita de serviços do banco diminuiu 7,9%, para R $ 8,3 bilhões, afetada pelo menor desempenho de sua subsidiária Cielo (CIEL3) No entanto, a XP considera que o resultado pode ser considerado positivo, considerando que o período foi o trimestre mais difícil em termos de isolamento.

Além disso, 97% das transações foram realizadas por meio de autoatendimento, 89% concentraram-se em dispositivos móveis e na Internet e 23% do crédito autorizado no primeiro semestre de 2020 foi lançado através do canal digital (comparado ao 17% no mesmo período de 2019). A abertura de contas individuais por meio da aplicação no trimestre aumentou 239% ao ano, para 224 mil. “A digitalização do Bradesco também deve ser relevante para o banco competir no novo ambiente de banco digital”, diz o analista do XP.

Visão positiva dos ativos.

Com todos esses pontos destacados, os analistas continuam com uma perspectiva positiva de ativos. Os analistas da XP Investimentos, Credit Suisse, Itaú BBA e UBS têm uma recomendação equivalente para a compra das ações, principalmente considerando a queda acentuada de ativos no ano.

“Reiteramos nossa recomendação para o desempenho acima da média do Bradesco (melhor desempenho) e nossa posição positiva para o setor bancário brasileiro, que continua subvalorizado em nossa opinião e deve continuar sendo impulsionado pela temporada de ganhos do segundo trimestre de 2020”. , avalia o crédito. O Itaú BBA destaca que o pior parece ter sido deixado para trás.

Na mesma linha, Octavio de Lazari, presidente do Bradesco, afirmou que “aparentemente o pior momento da crise já passou”.

Em teleconferência, Octavio de Lazari, presidente do Bradesco, apontou que o pico no custo do crédito provavelmente ocorreu no segundo trimestre, o que deve levar a menores despesas com provisões, desde que não haja uma segunda onda de infecções devido a o coronavírus recente.

O banco também reforçou que continua a fazer uma redução “radical” nos custos operacionais, que deve ter uma queda nominal em 2020 e nos próximos anos. Além disso, pretende fechar mais de 400 agências este ano, acima do inicialmente esperado.

Lazari também observou que o atual nível de provisões para créditos de liquidação duvidosa deixa o banco “relativamente confortável” pelo resto do ano, mas mais ajustes serão feitos, se necessário. Portanto, ele observa que os gastos com PDD provavelmente serão menores no segundo semestre de 2020 e 2021 do que no primeiro semestre deste ano, dependendo do curso da pandemia.

No entanto, apesar da perspectiva positiva, os analistas apontam possíveis riscos para os grandes bancos, o que levou a uma queda acentuada de ativos no primeiro semestre de 2020 e deve continuar gerando volatilidade para as ações. São eles: i) maior competição; ii) novo sistema de pagamento (PIX) e; iii) possível aumento de impostos a ser discutido no Congresso Nacional.

Portanto, mesmo com as ações consideradas descontadas, esses fatores, bem como a evolução dos dados padrão, devem ser cuidadosamente monitorados pelos investidores.

A carreira que mais treina milionários: descubra o primeiro MBA no Brasil totalmente dedicado ao mercado de ações

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci Shinoda

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *