Obrigado Namíbia pelas chitas? Índia se abstém em votação sobre comércio de marfim

Pela primeira vez desde que aderiu à Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora (CITES) em 1976, a Índia não votou contra uma proposta que busca reabrir o comércio de marfim.

Esa propuesta, para permitir una forma regular de comercio controlado de marfil de Namibia, Botswana, Sudáfrica y Zimbabue, fue derrotada 83-15 en la 19ª reunión de la Conferencia de las Partes de CITES (CoP19) en la ciudad de Panamá el viernes por a noite.

A abstenção da Índia, uma ruptura com sua posição anterior, estava de acordo com o que a Namíbia havia pedido quando concordou em transferir chitas neste verão.

Em virtude desse acordo assinado em julho, relatado pela primeira vez por o expresso indiano Em 12 de outubro, os dois países se comprometeram a promover o “uso e gestão sustentável da biodiversidade”, apoiando-se mutuamente “em fóruns internacionais, incluindo reuniões” da CITES.

Embora a palavra “marfim” não tenha sido mencionada, a Namíbia buscou o endosso da Índia, sob a promessa de apoiar a “gestão sustentável” na CITES, para sua proposta de longa data de permitir o comércio de marfim.

Na verdade, ele disse tanto. “Entramos em contato com a Índia para obter apoio a esse respeito, conforme previsto no acordo”, disse Romeo Muyunda, diretor de relações públicas do Ministério do Meio Ambiente, Florestas e Turismo da Namíbia, ao The Indian Express no mês passado.

Reagindo ao relatório, o Ministério do Meio Ambiente, Florestas e Mudanças Climáticas disse que o “Governo da Índia não recebeu nenhuma comunicação por escrito da República da Namíbia sobre o levantamento da proibição do comércio de marfim”.

Questionado no sábado por que a Índia se absteve de votar e se foi uma mudança de política, Chandra Prakash Goyal, diretor-geral de Florestas do Ministério do Meio Ambiente, disse que não estava ciente das circunstâncias em que a votação ocorreu. “O importante é que a proposta (do comércio de marfim) foi derrotada”, afirmou.

Contatado no sábado, Muyunda se recusou a comentar.

Por mais de três décadas, a Índia se opôs ao comércio internacional de marfim. Na verdade, a Índia projetou o icônico logotipo da CITES na forma de um elefante em 1981. O comércio de marfim foi banido globalmente em 1989, quando todas as populações de elefantes africanos foram listadas no Apêndice I da CITES. Populações da Namíbia, Botsuana e Zimbábue foram transferidas para o Apêndice II em 1997 e da África do Sul em 2000. O comércio de espécies listadas no Apêndice I da CITES não é permitido, enquanto o comércio é estritamente regulamentado naquelas listadas no Apêndice II.

Em 1999 e 2008, a CITES permitiu que a Namíbia, junto com o Zimbábue e mais tarde Botswana e África do Sul, fizessem vendas únicas de marfim armazenado de mortes naturais de elefantes e apreensões de caçadores furtivos.

Posteriormente, a proposta da Namíbia de permitir uma forma regular de comércio controlado de marfim, excluindo as populações de elefantes dos quatro países do Apêndice II da CITES, foi rejeitada na CoP17 (2016) e CoP18 (2019). Na CoP19, a proposta foi apresentada pelo Zimbabwe, mas voltou a sofrer o mesmo destino.

Enquanto Quênia, Congo, União Europeia, Reino Unido, Estados Unidos, Israel, Emirados Árabes Unidos, Austrália e Argentina estiveram entre os que votaram contra a proposta, Tanzânia, Zâmbia, Japão, China e Tailândia foram alguns dos membros .que a apoiou. Entre os que se abstiveram estavam Uganda, Brasil, México e Indonésia.

A Namíbia e outros países da África Austral argumentam que suas populações de elefantes se recuperaram e que seu marfim armazenado, se vendido internacionalmente, pode gerar receita muito necessária para a conservação dos elefantes e estimular as comunidades.

Os oponentes do comércio de marfim argumentam que qualquer forma de oferta atiça a demanda e que houve picos acentuados na caça furtiva de elefantes em todo o mundo depois que a CITES permitiu vendas únicas em 1999 e 2008.

A propósito, na mesma quinta-feira da CoP19, a Namíbia votou contra a proposta da Índia de permitir o uso comercial sustentável do jacarandá do norte da Índia, Dalbergia sissoo, que foi derrotado por 55 a 30.

O primeiro lote de chitas chegou da Namíbia em 17 de setembro. Três dos oito animais já foram transferidos de áreas de quarentena para recintos maiores no Parque Nacional de Kuno, em Madhya Pradesh, onde dois começaram a ser mortos.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.