Os aumentos antecipados das taxas atingiram o jackpot, pois os títulos locais superaram a dívida em dólar

(Bloomberg) — Os bancos centrais de mercados emergentes foram os primeiros do mundo a aumentar as taxas de juros desde as mínimas da pandemia no ano passado. Esse aperto proativo está começando a valer a pena ao aumentar os rendimentos de seus títulos locais.

Um índice de dívida emitida por países em desenvolvimento denominado em suas próprias moedas retornou cerca de 1% nos últimos três meses, enquanto um indicador semelhante de títulos em moeda forte caiu 2,9%, segundo dados compilados pela Bloomberg.

O desempenho superior ocorreu em meio ao otimismo de que a política proativa do banco central foi suficiente para se antecipar à inflação e deve significar que agora é menos necessário um aperto adicional em 2022. A recuperação global também está atraindo investidores para a dívida local.

“Temos aumentado gradualmente nossa exposição a títulos em moeda local à medida que as avaliações se tornaram mais atraentes, as contas correntes continuaram a melhorar e muitos bancos centrais emergentes apertaram preventivamente a política monetária”, disse Pierre Chartres, um investidor de renda fixa. diretor da M&G Investments em Cingapura. Ao mesmo tempo, “títulos de mercados emergentes em moeda local são tipicamente mais voláteis do que títulos de mercados emergentes em moeda forte, por isso é importante permanecer diversificado”, disse ele.

Os formuladores de políticas de mercados emergentes embarcaram em uma onda de aperto nos últimos 12 meses para ajudar a conter a inflação, principalmente na América Latina. Nada menos que 12 dos 20 maiores bancos centrais de países em desenvolvimento aumentaram as taxas de juros em 2021, reduzindo-as em 2.300 pontos-base combinados, segundo análise da Bloomberg Intelligence.

Isso reforçou os prêmios de taxas em todo o mundo em desenvolvimento e reforçou a atratividade dos ativos dos mercados emergentes. No Brasil, por exemplo, o banco central aumentou sua taxa Selic em 725 pontos base para 9,25%, enquanto as autoridades chilenas elevaram sua taxa básica em 350 pontos base para 4%. Enquanto isso, o Fed manteve sua meta em uma baixa recorde de 0,25% desde março de 2020.

“Os bancos centrais dos mercados emergentes já reagiram ao aumento da inflação após a queda do crescimento do Covid, e o aperto das condições da política monetária quase chegou ao fim, principalmente na América Latina”, disse Anders Faergemann, Gerente de Renda Fixa de Mercados Emergentes. na PineBridge Investments em Londres. “Olhando para o futuro, esperamos que a inflação diminua e convirja para as metas oficiais de inflação do banco central, o que significa que a justificativa para mais aperto monetário pode cessar.”

Leia mais: Uma vez que os mercados emergentes são azarados, os títulos locais ganham seu dia

No entanto, a recuperação dos títulos de mercados emergentes locais foi um tanto desigual, com desempenho relativo impulsionado pela dinâmica do país. O maior ganhador entre as 19 nações do Bloomberg Emerging Markets Local Currency Government Bond Index foi o Chile, com um retorno de 4,6% nos últimos três meses, seguido por Israel com 3,2% e China com 3%.

Embora os títulos em moeda local tenham prosperado em grande parte, seus primos denominados em dólar estão sob pressão do iminente aperto do Fed. O banco central dos EUA se tornou cada vez mais agressivo nas últimas semanas e os mercados agora estão precificando um primeiro aumento de taxa em março. A inflação acelerada na maior economia do mundo também está minando a demanda por dívida em dólares. O índice de preços ao consumidor dos EUA saltou para 7% em dezembro, o nível mais alto em quase quatro décadas.

Os títulos em moeda local também parecem ter mais espaço para ganhar quando as avaliações da moeda são levadas em consideração. A taxa de câmbio efetiva real do real brasileiro está 19% desvalorizada em relação à sua média de cinco anos, enquanto o peso chileno está 12% desvalorizado e o forint húngaro 5%, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Na próxima semana, há muitos itens no calendário econômico para ajudar a determinar a direção imediata do dólar dos mercados emergentes e da dívida local. Estes incluirão dados de crescimento econômico da China, inflação da África do Sul e decisões de taxas da Malásia, Indonésia e Turquia.

Aqui estão alguns dos principais eventos e dados em mercados emergentes esta semana:

  • A China deve divulgar os números do PIB do quarto trimestre na segunda-feira, juntamente com os números da produção industrial e das vendas no varejo. Qualquer decepção com os dados pode alimentar especulações de que as autoridades vão afrouxar a política nos próximos meses para apoiar a economia.
  • A África do Sul deve publicar os números do IPC de dezembro na quarta-feira, depois que a inflação subiu em novembro para o nível mais alto em quase cinco anos.
  • Os bancos centrais da Malásia e da Indonésia anunciarão suas decisões políticas na quinta-feira, e os economistas projetam que manterão as taxas em seus mínimos recordes atuais. A Malásia também divulgará o CPI de dezembro na sexta-feira
  • O banco central da Turquia deve se reunir na quinta-feira, depois de cortar as taxas de juros em um acumulado de 500 pontos-base durante suas quatro reuniões desde setembro.

©2022 Bloomberg LP

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.