os próximos 15 anos vindouros!

Ações para reduzir a ocupação em nossos escritórios.

Hoje, temos uma quantidade imensa de informações na palma da nossa mão, e nem pensamos mais nisso, parece que a vida sempre foi assim. Mas não faz muito tempo, usamos mapas em papel quando estávamos viajando ou tentamos manter as mãos no volante e seguir as instruções em papel ao mesmo tempo. Naqueles tempos não tão distantes, era impossível saber se o tráfego era bom ou ruim, ou saber com antecedência se havia um restaurante para comer no caminho. Há 15 anos, o Google Maps tinha uma missão ambiciosa para mapear o mundo.

Lembro-me da primeira vez que vi as versões iniciais do Maps: fiquei impressionado com a facilidade de navegar, aplicar zoom e procurar qualquer coisa no planeta. Uma das minhas primeiras lembranças de trabalhar com o Maps é de um membro da equipe de experiência do usuário, responsável por tornar os produtos do Google cada vez mais úteis e fáceis de usar. No mundo pré-smartphone, uma das maiores preocupações que tínhamos era colocar o botão “imprimir” em um local claro e acessível para que as pessoas pudessem imprimir o mapa e levá-lo para a estrada.

Escusado será dizer que muitas coisas mudaram desde então. O Google Maps já mapeou mais de 220 países, com informações sobre 200 milhões de locais e estabelecimentos comerciais e ajuda bilhões de pessoas a chegar de um ponto a outro, contando com as instruções fornecidas. Inicialmente, nosso objetivo era responder a uma pergunta básica: “Como faço para ir daqui para lá?” No entanto, ao longo dos anos, nosso objetivo se tornou mais amplo, não apenas para ajudar o usuário a se locomover, mas também para descobrir lugares interessantes para ir e o que fazer ao chegar ao destino com a ajuda de nossos mapa. Nesta semana, comemoramos o aniversário do Google Maps e aproveitamos a oportunidade para refletir sobre essa definição muito mais ampla do que um mapa é capaz de oferecer. A partir de agora, nosso objetivo é aproveitar os benefícios do aprendizado de máquina para enriquecer ainda mais essa experiência.

Navegue pelo mundo: desde instruções simples até o Live View

Há 15 anos, a capacidade de imprimir instruções para um local era uma novidade supermoderna, e a ideia de que um dia o usuário pudesse ver instruções detalhadas, com todas as etapas e curvas da rota, na tela de um telefone celular dentro do carro, foi visto como uma revolução. O Google foi o primeiro a oferecer navegação passo a passo na tela do celular em 2009. Desde então, adicionamos diretrizes para quem viaja a pé, de bicicleta, de motocicleta e outras alternativas. Esses avanços ajudam o usuário em todas as viagens, independentemente do meio de transporte. Cada vez mais, as pessoas usam maneiras diferentes de se locomover em uma única rota – elas caminham até a estação de trem, pegam o trem e depois uma bicicleta compartilhada para a etapa final, por exemplo. Diante disso, um dos grandes desafios à frente é reunir todas as opções para chegar ao destino e prever a hora de chegada (ETA), oferecendo uma experiência ainda melhor no Maps.

Mas estas instruções não são suficientes. O Maps também ajuda os usuários a chegarem ao seu destino com mais rapidez e conforto. Para isso, oferece informações importantes em tempo real: alertas de trânsito, previsões do movimento de passageiros nas linhas de ônibus, pontos para alugar e devolver bicicletas compartilhadas (e se houver bicicletas disponíveis). Além disso, tecnologias como realidade aumentada (AR) tornam o mapa mais vivo. Em 2019, lançamos o recurso Live View, que combina AR, inteligência artificial (AI) e a câmera do telefone celular para exibir instruções de rota “sobre” imagens do mundo real ao redor do usuário. Esse recurso resolve um problema clássico: a pessoa caminha pela rua e, apenas alguns metros depois, percebe que está indo na direção errada (sempre aconteceu comigo!).

Depois de chegar ao seu destino, o Maps ajuda você a explorá-lo

O Google sempre acreditou que um mapa é muito mais do que grandes massas de terra e oceanos ou que uma cidade vai além de uma grade de ruas e avenidas. Afinal, eu gosto da minha cidade porque ela tem um lugar com um incrível brunch vegetariano, uma pet shop que ama meu cachorro e uma pizzaria com pebolim para divertir meus filhos enquanto esperamos pela mesa. Em resumo: para ser realmente útil, um mapa deve refletir todas essas características locais e ajudar o usuário a encontrar lugares e experiências que se encaixam no perfil da pessoa. Nos últimos anos, o Maps vem trabalhando duro para criar esse tipo de experiência.

Até recentemente, quem quisesse comer uma fatia de pizza receberia uma lista de vinte pizzarias próximas. (E por mais tempo, a pessoa precisava pesquisar em um computador de mesa para obter a mesma lista ou simplesmente sair e sentir o cheiro de queijo derretido!). Hoje, o Maps ajuda o usuário a encontrar todas as pizzarias próximas, para saber se elas estão abertas, se nesse momento geralmente existe uma lista de espera e qual tem a melhor margarita. Depois de fazer sua escolha, você também pode reservar uma mesa ou ligar para o restaurante.

Para oferecer esse serviço em larga escala, é necessário ter um profundo entendimento de estabelecimentos comerciais e diferentes locais. Para isso, nossa comunidade de usuários ativos é essencial. Todos os dias, as pessoas contribuem com mais de vinte milhões de “partes” de conteúdo, como fotos, resenhas, comentários e notas para os locais. Essas contribuições constantes tornam nossos mapas mais ricos e úteis para todos os usuários, além de adicionar informações interessantes, como pratos encomendados em restaurantes, ruas fechadas para canteiros de obras e rotas acessíveis para usuários de cadeiras de rodas. Estamos trabalhando para tornar ainda mais fácil fazer a lição de casa em diferentes lugares usando o Maps, desde encontrar um estúdio de yoga até agendar uma aula.

A tecnologia impulsiona o futuro do Maps

O mundo muda o tempo todo. Novas ruas são abertas, rotas de ônibus são alteradas e desastres naturais atrapalham passagens. Precisamente por esse motivo, os mapas devem ser atuais, completos e precisos. Os grandes avanços na inteligência artificial mudaram a maneira como fazemos mapas e nos permitiram criar um produto de alta qualidade, com informações locais de milhares de pontos do planeta.

Um exemplo: trabalhamos com a equipe de operações de dados para rastrear manualmente os formatos comuns de construção e construção e, em seguida, ensinamos nossos modelos de aprendizado de máquina a reconhecer as arestas e formas desses edifícios. Graças a essa técnica, apenas em 2019, mapeamos o mesmo número de edifícios que mapeamos nos dez anos anteriores. O aprendizado de máquina também ajuda a reconhecer a numeração nos edifícios, quando é escrita à mão (do tipo que o motorista tem dificuldade de ver ao passar pelo carro). Esse recurso é mais importante em locais onde não há numeração formal ou placas de rua. Somente em Lagos, na Nigéria, as máquinas ajudaram o Maps a adicionar 20.000 nomes de ruas, 50.000 endereços e 100.000 estabelecimentos comerciais. Portanto, o mapa se torna mais rico e preciso, refletindo a diversidade do comércio local em uma área que, até então, não possuía informações detalhadas.

O mapa dos próximos 15 anos.

Além de comemorar 15 anos de existência, já estamos procurando os próximos 15. Portanto, divulgamos notícias Eles incluem uma nova aparência para o aplicativo Maps e mais informações de tráfego. O ícone do Google Maps também foi redesenhado para refletir essa nova etapa de nossa jornada.

Quando decidimos mapear o mundo, sabíamos que seria um grande desafio. 15 anos após o início, ainda estou impressionado com a escala da tarefa. Requer a criação e organização de nossa compreensão de tudo o que precisamos saber sobre o mundo físico e, em seguida, levar essas informações às pessoas de uma maneira que ajude todos a mover, explorar e executar tarefas no mundo real – um mundo cheio de detalhes e mudanças constantes Nosso trabalho deve refletir essa riqueza e, portanto, o Google Maps continuará melhorando.

Postado por: Jen Fitzpatrick, vice-presidente sênior do Google Maps

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *