Paciente número 1 da Itália se recupera e receberá alta nesta semana

JBr.

A noite de 21 a 22 de fevereiro chegou em situação desesperadora ao hospital de Codogno, na região industrializada da Lombardia, no norte da Itália. Depois de 28 dias sozinho, Mattia viu a mulher na semana 37 de gravidez pela primeira vez anteontem. Entre os dois, o vidro da porta da sala onde o paciente zero italiano completa sua recuperação. “Verei minha filha nascer”, disse o investigador que trabalha para a Unilever ao Corriere della Sera ontem.

Mattia é uma pesquisadora e uma grande atleta. Além do futebol, ele é um corredor de longa distância que compete em eventos de rua e é voluntário da Cruz Vermelha. No início de fevereiro, ele se encontrou em um jantar com um amigo que acabara de voltar da China sem nenhum sintoma de covid-19. Dias depois, os primeiros sintomas apareceram. Parecia gripe. Era 15 de fevereiro. No dia 17, Mattia não foi trabalhar. O médico da família o examinou. No dia seguinte, ele procurou o hospital. Eles lhe deram um antibiótico e o mandaram para casa.

Ninguém associou sua doença à covid-19, que atingiu a China. Mattia também não se lembrava de contar aos médicos sobre o jantar. No dia 19, sua condição piorou e ele voltou ao hospital e, 24 horas depois, foi intubado na UTI.

Foi então que surgiu a hipótese do covid-19. A corrida começou após os lugares em que Mattia havia passado e uma busca pelas pessoas com quem ele estivera. Tarde demais. Superativo, antes que a doença de Mattia fosse descoberta, o Paciente Zero participara de duas corridas com amigos e atividades da empresa como voluntário.

Quem deu o alarme sobre o caso, revelando o jantar com o amigo que voltou da China, foi sua esposa, Valentina, que também havia sido infectada. Levada para um hospital em Milão, ela logo melhorou e foi para casa. Os pais de Mattia, que contraíram o vírus, tiveram alta no dia 10. No dia anterior, o pesquisador havia deixado o respirador da UTI, quando um coquetel de drogas experimentais começou a entrar em vigor.

Valentina e Mattia decidiram que a filha do casal se chamaria Gioia (alegria, em italiano). Anteontem, ela estava no hospital para visitar o marido. “Estou emaciada, em forma. Meu único desejo é ficar com minha esposa durante o parto – disse Mattia. Valentina passava todos os dias às 6 da tarde, recebendo uma ligação do Dr. Francesco Mojoli, que lhe deu as notícias sobre a saúde do marido. “Eu esperava esse momento todos os dias”, disse Valentina ao Corriere della Sera.

A reunião atrás da porta de vidro foi apenas uma precaução dos médicos. Depois de deixar a UTI e a unidade de terapia semi-intensiva, Mattia permanece em observação. Você só deve deixar o hospital entre segunda ou quarta-feira. E você encontrará uma Itália abalada pelo covid-19. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.