passando fome no Brasil | centro de wilson

Menos de dois meses antes da maior eleição presidencial do Brasil em décadas, o país está se recuperando dos efeitos de uma economia global turbulenta, incluindo alta inflação, e há uma preocupação generalizada com o retrocesso democrático em meio a ataques ao sistema eleitoral do país pelo presidente Jair. Bolsonaro e seus aliados, mas para muitos brasileiros, o debate mais urgente é como reverter anos de prosperidade em declínio e oportunidades reduzidas neste vasto país. Esse desafio será imenso para o próximo presidente, que também terá que restaurar as normas democráticas e navegar pelos dramas econômicos globais.

A insegurança alimentar no Brasil talvez seja o exemplo mais convincente. Uma vez aclamado mundialmente por sua sucesso combate à fome, o Brasil enfrenta uma crise alimentar. Em dezembro de 2020 estudar descobriram que cerca de metade dos 213,6 milhões de habitantes do país nem sempre tem o suficiente para comer. O número de brasileiros que enfrentam insegurança alimentar grave quase dobrou entre 2018 e 2020, para 19,1 milhões, ou quase 10% da população, o mesmo nível de quase duas décadas atrás.

Antes elogiado globalmente por seu sucesso no combate à fome, o Brasil enfrenta uma crise alimentar.”

O ex-presidente Luiz Inácio “Lula” da Silva, principal candidato nas eleições de outubro, avançou significativamente nesse problema por meio de sua Fome zero (Fome Zero), lançado em 2004. três pilares fundamentais: (1) o Bolsa Família programa de transferência de renda (Asignación Familiar) para famílias de baixa renda; (2) um programa nacional de nutrição escolar; e, (3) subsídios para famílias de agricultores. Complementar Fome zero, os legisladores brasileiros aprovaram a Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional, reconhecendo a segurança alimentar como um direito humano. A fome diminuiu constantemente e milhões dos brasileiros escaparam da extrema pobreza.

Mas uma recessão brutal que começou em 2015 testou a durabilidade desses ganhos, assim como a deposição em 2016 da sucessora escolhida a dedo por Lula, Dilma Rousseff. O próximo líder do Brasil, o ex-vice-presidente Michel Temer, instituiu um teto de gastos com serviços sociais que cortou o orçamento para programas de combate à fome. Bolsonaro apoiou esses cortes, e removido o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, um conselho consultivo externo que fazia recomendações sobre políticas de segurança alimentar.

O número de brasileiros que enfrentam insegurança alimentar grave quase dobrou entre 2018 e 2020.”

A COVID-19 exacerbou o desafio de alimentar todos os brasileiros. pesquisadores estima que o número de brasileiros famintos aumentou de 19,1 milhões para 33,1 milhões, ou cerca de 15,5% da população, do final de 2020 até o início deste ano. UMA número desproporcional das famílias com insegurança alimentar são chefiadas por mulheres afro-brasileiras no Norte e Nordeste, reduto tradicional de Lula.


Imagem excluída.

Imagem excluída.

Imagem excluída.

Dada a gravidade do problema e a trajetória preocupante do país, a questão da segurança alimentar tornou-se um grande tema de campanha, mesmo em meio à alta inflação e aos temores agudos sobre a saúde da democracia brasileira. Lula repetidamente destaca seus sucessos como presidente na redução da fome e tem priorizado a crise alimentar em seu plataforma de campanha. Por sua vez, Bolsonaro se livrou de Lula. Bolsa Famíliamas substituiu por Ajude o Brasilum programa de transferência de dinheiro semelhante que oferece maior Pagamentos. No período que antecede as eleições, esses pagamentos são aumentar em mais 50%, apesar dos temores sobre a dívida crescente do Brasil.

Dada a gravidade do problema e a trajetória preocupante do país, a questão da segurança alimentar tornou-se um grande tema de campanha.

A ânsia de Bolsonaro em aumentar os pagamentos em dinheiro aos brasileiros pobres reflete a proeminência política da fome e o desespero do presidente para desviar votos da base de Lula. Mas, para fazer progressos significativos, o próximo governo do Brasil precisará garantir atenção e investimentos sustentados em segurança alimentar. Por enquanto, Bolsonaro aumentou Ajude o Brasil os pagamentos estão programados para serem eliminados até o final do ano, e uma possível extensão será uma decisão importante após a eleição.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.