‘Percebi que o clube não tem solução’

Bernd Schuster é talvez o único homem na Terra capaz de entender o que Lionel Messi está sentindo ao tentar deixar o Barcelona, sua única casa no futebol, de volta. Este alemão, nascido em Ausburg, viveu uma história semelhante nos anos 1980, embora mais curta e muito mais polêmica.

Schuster deixou a seleção catalã após oito temporadas e quatro títulos para defender o arquirrival Real Madrid, uma troca que fez com que muitos ídolos fossem removidos do Monte Olimpo Blaugrana. Anos depois ele foi para o Atlético de Madri.

Para entender melhor essa história, vale a pena contextualizar um pouco mais.

Schuster foi considerado um dos grandes jogadores da década de 80, embora não tenha comparecido à Copa do Mundo de 1982 devido a uma fratura de joelho causada por Andoni Goikoetxea, de Athletic Bilbao, o mesmo que prejudicaria Diego Maradona um ano depois (não por acaso ele era conhecido como o “açougueiro de Bilbao”). Ele também não compareceu às Copas do Mundo de 1986 e 1990 porque desistiu de defender a Alemanha Ocidental por causa de desentendimentos com seus companheiros.

Um meio-campista habilidoso, ele deixou o Colônia aos 19 anos para defender o Barcelona. Foi uma época de vacas magras. Mesmo assim, ajudou a quebrar um jejum de dez anos sem o título de Campeonato espanhol, conquistou duas Copas da Copa do Rei e uma da Recopa de Europa.

Mas a trajetória quase sempre foi conflitante com a liderança e com o presidente Josep Lluis Núñez, que participou da campanha a favor de sua eleição. Promessas não cumpridas de melhorias no contrato e assédio interno e da mídia após o vice-campeão da Copa dos Campeões de 1985/86 o irritaram.

Schuster nem participou da disputa de pênaltis contra o Steaua Bucareste, da Romênia, em Sevilha, porque havia sido substituído. Mesmo assim, foi um dos mais carregados.

A história registra que após ser substituído, ele deixou o estádio, pegou um táxi para o hotel, onde viu seu time perder a final. Durou mais duas temporadas e, cansado de promessas não cumpridas e exigências irracionais, trocou o Barça pelo Real Madrid.

Treinador profissional desde 1997, tendo até trabalhado para o Real em 1997/98, deu uma longa entrevista ao jornal espanhol “El País” e deu a sua opinião sobre o caso Messi.

“É mais um episódio do que já vivemos nos grandes clubes. Muitas vezes parece que as grandes estrelas têm que passar pela porta dos fundos. Aconteceu com muitos jogadores, não apenas com o Barcelona. O caso de Messi é mais curioso por ser um jogador local. Você não pode fazer mais do que fez. Crescendo lá, me profissionalizando, tendo sucesso, sendo o melhor jogador do mundo por muitos anos, ganhando tudo. O grande problema é sempre como termina. Como você muda seu humor e termina sua carreira em outro lugar? “Disse o alemão.

“Eu entendo perfeitamente. A ideia de Messi não era deixar o Barça, mas com o tempo você vai perceber que o futebol é assim, ele não perdoa. Futebol é resultado, continue ganhando e às vezes o futebol não é justo e aí você decide ir para outro lugar. Há algum tempo, disse publicamente que Messi merecia que o clube lhe desse um time competitivo por mais dois ou três anos. Ele ainda tem dois ou três anos. […] No ano passado, ele viu que isso não iria mudar, que não poderia ser consertado. Ele não iria melhorar e é por isso que ele teve que tomar essa decisão. A vitória do Bayern foi o seu último ponto em Barcelona ”, respondeu ele a seguir.

“Antes da pandemia, era claro que este Barça não poderia vencer ninguém além de um título como a Liga dos Campeões. Ele não tinha força para fazer isso. Depois da pandemia, nada melhorou. Messi disse isso. Você pode ver que não mudou. E neste caso não culparia o treinador. É a equipe que completou um ciclo e deve ser renovada. O jogador sente quando algo está acabado, quando por dentro não é o mesmo de alguns anos atrás. Leo decidiu não continuar e terminar sua carreira em outro lugar. Pontuação. Este é o momento para isso ”, acrescentou.

Messi informou ao Barcelona em 25 de agosto que não deseja permanecer na equipe e desde então buscou uma rescisão amigável e gratuita. O presidente do Barça, Josep Maria Bartomeu, não admite ter perdido o grande ídolo do clube e tem jogado muito.

Uma reunião nesta terça-feira (2) pode definir um acordo para a saída do craque. Manchester City, Paris-Saint-Germain e Inter de Milão aparecem como clubes interessados.

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *