poder no solo e na academia

A herpetóloga Bertha Lutz fez campanha pelos direitos das mulheres no Brasil e no mundo no início e meados do século 20.Crédito: Arquivos Nacionais

Em 2020, começamos a ministrar um curso sobre mulheres, ciências e meio ambiente para alunos de graduação e pós-graduação em ecologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil. O curso contou com lições de muitas mulheres brasileiras que lideram movimentos sociais. Selecionamos palestrantes com base em nossas redes e conhecimento da área e utilizamos suas experiências para construir conteúdo.

A inspiração para este curso veio de uma palestra proferida por duas mulheres no ECO 2019, evento organizado por estudantes de graduação para discutir a vida e as pesquisas dos formandos. Eles usaram as trajetórias de quatro cientistas frequentemente esquecidas para enfrentar os desafios que as mulheres enfrentam como estudantes de graduação e a escassez de mulheres em cargos de liderança em nosso departamento.

Os cientistas negligenciados foram Hypatia, uma filósofa, astrônoma e matemática do final do século 4 DC que ensinou no Museu de Alexandria, no Egito; Maria Merian, uma naturalista do século 17 e ilustradora científica que foi uma das primeiras naturalistas europeias a observar insetos diretamente; Enedina Alves, a primeira negra a se formar em engenharia no Brasil, em 1945; e Bertha Lutz, herpetóloga do século XX do Museu Nacional do Brasil, no Rio de Janeiro, que lutou pela inclusão dos direitos das mulheres na Carta das Nações Unidas.

A palestra reforçou nossas próprias experiências e decidimos desenvolver um curso para explorar mais os tópicos. Juntas, elaboramos um currículo que incluiu 16 palestrantes convidadas, todas mulheres: metade acadêmica e metade de movimentos e organizações sociais. Os acadêmicos vieram de áreas como urbanismo, neurobiologia, matemática e filosofia. Algumas aulas foram estruturadas para que dois palestrantes troquem ideias. Mas depois das primeiras aulas presenciais em março de 2020, a pandemia de coronavírus atingiu o Brasil e suspendemos o curso. Seis meses depois, as aulas foram retomadas em um formato online mais curto. No total, foi concluído por cerca de 20 mulheres e 2 homens.

Poder social

Online, decidimos priorizar palestrantes de movimentos sociais, pois o objetivo principal era mostrar aos alunos como as lutas pelos direitos ecológicos e ambientais andam de mãos dadas com os direitos humanos e o desenvolvimento sustentável.

Oito palestrantes compartilharam suas ricas histórias de vida e luta por justiça ambiental e social. Miriam Nobre, que trabalha pela promoção dos direitos das mulheres na agricultura, falou sobre a relação entre feminismo e ação ambiental, e sobre a transição do Brasil para uma agricultura sustentável. Cris dos Prazeres falou sobre o ReciclAção, um projeto de reciclagem causado por um deslizamento de terra em 2010 no Morro dos Prazeres, uma favela ou assentamento informal, no Rio de Janeiro. Cris nos mostrou como a discussão está ligada à justiça ambiental e como as mulheres se tornaram protagonistas do projeto.

Juliana Deprá, do Movimento pela Soberania Popular na Mineração, falou sobre o impacto ambiental da mineração no Brasil e como o movimento combate as violações dos direitos humanos no setor, a poluição causada pela drenagem de minas e a incursão de povos indígenas. territórios. A mineração, historicamente, tem sido repleta de preconceitos e violências contra as mulheres. No entanto, as mulheres têm uma presença cada vez maior no setor e vêm ganhando papel de destaque nos movimentos sociais da mineração.

Essas e outras palestras levantaram a questão da relação entre gênero e questões ambientais, e por que as mulheres costumam assumir papéis importantes nos movimentos sociais e ambientais, pelo menos na América Latina.

Existe uma relação clara entre ecologia e direitos sociais: os dados mostram que os grupos vulneráveis ​​são os que mais sofrem com as catástrofes naturais provocadas pelo homem, como a desertificação e deslizamentos de terra. E as mulheres têm mais dificuldades do que os homens em muitas dessas circunstâncias, segundo dados de 2019 das Nações Unidas. A mudança climática, por exemplo, pode levar à insegurança alimentar, e as mulheres freqüentemente priorizam a alimentação das pessoas que dependem delas, como seus filhos e até mesmo seus parceiros, ao invés de si mesmas. A disparidade de gênero na segurança alimentar aumentou em 2020: as mulheres têm agora 10% mais probabilidade de serem afetadas pela insegurança alimentar do que os homens, em comparação com 6% em 2019. E, globalmente, há 4, 4 milhões de mulheres a mais do que os homens vivendo com menos de US $ 1,90 por dia.

Um futuro sustentável

É importante coletar e articular o conhecimento técnico-científico para explicar a relação entre a economia global, o meio ambiente e os direitos das mulheres. É necessário um diálogo para discutir e propor alternativas à estrutura patriarcal mostrando a importância do trabalho feminino e sua relação com o meio ambiente.

Nosso curso incluiu discussões sobre a ligação entre problemas ecológicos ou ambientais e saúde e vulnerabilidade. Os alunos descobriram que as mulheres têm muito a dizer sobre essas questões. O curso destacou a necessidade de co-produção de conhecimento entre acadêmicos e não acadêmicos. Também mostrou que devemos construir com urgência uma nova ética do cuidado, centrada na sustentabilidade da vida e com foco na igualdade, justiça social, democracia, harmonia com o meio ambiente e solidariedade.

No último dia do curso, tivemos uma discussão em classe sobre como foi; Também pedimos aos alunos que respondessem a uma pesquisa anônima. Uma avaliação dos resultados mostrou-nos que os alunos e nós próprios tínhamos consciência do esforço comum necessário para alcançar um futuro mais coletivo e sustentável. A turma do WhatsApp do curso tornou-se um espaço de apoio a mulheres carentes e de divulgação de informações sobre a mulher na ciência e no meio ambiente, e nos abrimos para pessoas da área ambiental em todo o Rio de Janeiro.

Os elementos-chave para o sucesso, em nossa opinião, incluíram a natureza transdisciplinar do curso, com uma equipe de palestrantes convidados de diversas origens. Os tópicos discutidos envolveram questões relevantes em áreas urbanas e rurais, e as abordagens dos palestrantes atingiram as esferas política, acadêmica, cultural e até religiosa. Além disso, demos aos palestrantes convidados a liberdade de escolher como desejam transmitir suas ideias: alguns produziram uma apresentação de slides convencional; alguns mostraram o espaço físico onde eles e seus colegas trabalharam; alguns participaram de diálogos muito pessoais e emocionais com os alunos.

O formato online nos permitiu convidar palestrantes de fora do Rio de Janeiro, mas isso significava que os alunos tinham menos oportunidades de se voluntariar para projetos e organizações de palestrantes como parte de sua experiência de aprendizagem. Isso poderia ter proporcionado aos alunos experiência prática no desenvolvimento de projetos e desenvolvido sua capacidade de liderança ambiental. Pretendemos repetir o curso e esperamos resgatar esse elemento quando a universidade retomar as atividades presenciais.

A criação de vínculos entre a sociedade e a academia nos ajudará a todos a democratizar a ciência e buscar o desenvolvimento de forma sustentável.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *