Por que a percepção do tempo mudou na pandemia? Cientistas explicam isso!

Por mais que o tempo não mude, a sensação de que passa mais rápido ou mais devagar está presente em diversos casos, como na pandemia de COVID-19. Nesse momento que vivemos, o desejo é que o tempo passe rápido para que já estejamos vacinados e prontos para continuar com a vida como antes, mas o sentimento acaba sendo o oposto para muitas pessoas.

O tema emocional pode interferir facilmente na percepção de como o tempo passa e é exatamente esse o foco dos estudos de Philip Gable, professor de psicologia da Universidade de Delaware. A pesquisadora afirma que muitos dos estudos mostram que o estado emocional negativo pode trazer a sensação de que o tempo passa mais devagar, enquanto o positivo mostra o contrário.

Para entender melhor como tudo isso acontece, a equipe de Gable criou um aplicativo para smartphone que documenta as emoções, percepções e comportamento dos americanos durante a pandemia COVID-19 todos os meses. Com os resultados obtidos, é possível rastrear o “relógio biológico” e explorar como ocorre essa sensação.

Reprodução: obpia30 / Pixabay

Por que as coisas boas vão rápido e as coisas ruins demoram?

Gable afirma que emoção e motivação estão interligadas e que a emoção obriga as pessoas a agirem de determinada maneira. Além disso, existem dois tipos de motivação: abordagem e evitação. Em seguida, a equipe de pesquisadores mostrou como a motivação para se aproximar provoca a sensação de aceleração do tempo, enquanto a evitação causa desaceleração.

“Quanto mais motivação sentirmos em ambas as direções, mais pronunciada será a mudança em nossa percepção do tempo”, diz Gable. “Acontece por uma razão. Quando estamos motivados para fazer alguma coisa, temos um objetivo em mente, seja terminar um quebra-cabeça ou escapar de um carro que acendeu o sinal vermelho ”, explica a pesquisadora.

Portanto, a aceleração ou desaceleração do tempo ajuda a pessoa a atingir os objetivos, e quando a sensação é de que o tempo passa mais rápido, parece mais fácil atingir aquele objetivo em um longo período de tempo. Quando a motivação para evitar é ativada, o tempo é reduzido para evitar que a pessoa demore muito em situações que podem ser prejudiciais. De acordo com Gable, quando o tempo parece estar demorando muito para passar por períodos de medo, por exemplo, mais rápido a pessoa vai agir para se livrar do perigo.

Lento na pandemia

No início da pandemia COVID-19, muitas pessoas estavam no foco de prevenção. “Havia essa ameaça que queríamos evitar, mas como não vimos, estávamos tentando evitar uma série de situações potencialmente perigosas”, explica a pesquisadora.

Um mês depois do início da pandemia em abril, a equipe de cientistas perguntou a 1.000 americanos como eles achavam que o tempo havia passado durante o mês de março. Cerca de metade dos participantes relataram sentir que o tempo passa mais devagar, um quarto disse que o tempo estava passando mais rápido do que o normal e um quarto disse que não sentiu nenhuma mudança ao longo do tempo.

Assim, os que disseram estar mais nervosos e estressados ​​foram os que disseram que o tempo passou mais devagar e os que se sentiram felizes sentiram que o tempo passou mais rápido. O estudo também mostrou que as pessoas que viviam lentidão no tempo eram as que praticavam o distanciamento social com mais regularidade, mostrando que a sensação era como um efeito colateral da ansiedade.

Reprodução: Gino Crescoli / Pixabay

A pesquisa também fez as mesmas perguntas aos participantes em relação ao mês de abril, e os resultados mostraram que cerca de 10% dos que sentiram o tempo se arrastar depois de março tiveram a sensação de ver o tempo passar rápido. Além disso, mais pessoas se sentiram calmas, relaxadas e com sentimentos mais positivos à medida que sentiam que o tempo “passou voando”.

“Então é possível que a melhora no humor das pessoas e a mudança na percepção do tempo tenham motivado seu desejo de respeitar a distância social”, diz o cientista, revelando que, mesmo assim, ainda havia uma boa parcela sentindo que o tempo passou muito devagar.

Por fim, Gable disse que a sensação de que o tempo está passando muito devagar é algo que pode ser controlado com exercícios, criação de rotinas e lazer.

Fonte: A conversa

Gostou deste artigo?

Assine seu e-mail no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas novidades do mundo da tecnologia.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *