porque alguns países vão oferecer a vacina primeiro

A Europa e a Ásia estão voltando aos piores dias da pandemia Covid-19. Países como França, Espanha e Itália já anunciam uma segunda onda da doença. Com o aumento do número de casos, vários países começam a adotar medidas como o fechamento parcial, na tentativa de conter a contaminação. Ao mesmo tempo, as empresas farmacêuticas estão correndo para trazer um imunizante viável ao mercado: os testes de vacinas estão progredindo na Europa, nos Estados Unidos e na China.

Nos Estados Unidos, a farmacêutica Pfizer busca a aprovação dos órgãos reguladores para o uso emergencial da vacina Covid-19, desenvolvida em parceria com a BioNTech. Na União Europeia, um contrato assinado com a Moderna Deve garantir o fornecimento de até 160 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela farmacêutica americana. Alguns europeus podem até ter acesso à vacina antes do final deste ano., segundo a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen.

Apesar do aumento de casos na Europa, o continente não concentra o maior volume de mortes por Covid-19. Mais da metade do total de mortes por Covid-19 no mundo (1,3 milhão) foram registradas em quatro países, três dos quais eram de renda média e baixa: Estados Unidos, Brasil, México e Índia. Por outro lado, as vacinas estão mais concentradas em países de alta renda.

Esta é a sua história gratuita do dia. Inscreva-se agora e tenha acesso ilimitado.R $ 0,99 no 1º mês

A maioria dos compromissos de compra antecipada foi fechada por países ricos, de acordo com dados compilados por pesquisadores do Centro de Inovação em Saúde Global da Universidade Duke. A pesquisa estima que 6,4 bilhões de doses de vacinas potenciais já foram adquiridas e outros 3,2 bilhões estão em negociação ou reservados para extensões opcionais dos acordos existentes.

A pesquisa mostra que os países de alta renda respondem por mais da metade de todas as compras confirmadas. O grupo de países ricos já fechou acordos para comprar cerca de 600 milhões de doses do imunizante Pfizer-BioNTech, quase metade da capacidade total de produção da farmacêutica até o final de 2021.

O Canadá tem o maior volume de doses de vacinas em relação à população: são mais de nove doses confirmadas por habitante. A Austrália está em segundo lugar, com cinco doses, junto com a Grã-Bretanha. Em seguida, vêm os Estados Unidos, com três doses da vacina por pessoa, e a União Europeia, com mais de duas doses e meia por habitante do bloco. O Brasil ocupa a décima posição, com uma dose da vacina por habitante. Cada paciente deve tomar duas doses da vacina para ter imunidade contra Covid-19.

Como os países mais ricos reservam mais doses, espera-se que os países de renda baixa e média tenham menos acesso aos imunizantes. Como a oferta é limitada, uma combinação de acordos de compra antecipada e limites no número de doses que podem ser feitas nos próximos anos significa que o mundo caminha para um cenário onde os países ricos terão vacinas e haverá pouca os países mais pobres provavelmente terão acesso, de acordo com Andrea Taylor, a principal pesquisadora do estudo na Duke University.

O levantamento da instituição mostra que os países ricos já compraram ou estão em processo de compra de mais de 5 bilhões de doses de vacinas potenciais. A Índia já reservou mais 1,6 bilhão de doses e o Brasil, 200 milhões. Menos de 800 milhões de doses foram reservadas para os países mais pobres do mundo.

“Podemos acabar esperando de dois a quatro anos para que a população em geral em países de baixa renda tenha um imunizante disponível”, acrescentou. afirma Doutora Krishna Udayakumar, o Duque.

Uma iniciativa global de imunização já está procurando remediar essa desigualdade. A iniciativa Covax, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em parceria com a Coalition for Innovations in Epidemic Preparedness e a GAVI Alliance, reúne recursos para a compra de imunizantes.

“O objetivo é permitir que todos os países do mundo tenham acesso à vacina quase ao mesmo tempo”, afirma o CEO da farmacêutica AstraZeneca, Pascal Soriot.

O programa é projetado para fazer com que os países mais ricos que compram vacinas concordem em ajudar a financiar o acesso das nações mais pobres, que pagarão um preço subsidiado de até US $ 4 por uma vacina de duas doses. Pelo menos 186 economias estão envolvidas no projeto, arrecadando US $ 2 bilhões. Para comprar e distribuir imunizantes entre os 92 países cobertos, a iniciativa precisa arrecadar outros US $ 5 bilhões em 2021.

“É compreensível que os líderes queiram proteger seu próprio povo em primeiro lugar, eles são responsáveis ​​perante seus cidadãos, mas a resposta a esta pandemia global deve ser coletiva”, afirmou. diz a BBC.

Os países de renda média têm conseguido negociar acordos de compra como condição para desistir de sua infraestrutura para a produção de imunizantes. É o caso do Brasil, com o convênio com a Universidade de Oxford para testar a vacina, e da Índia, onde o Serum Institute se compromete a manter metade das doses que produz para distribuição no país.

“Há muito pouca chance de que [a vacina] atingirá países de renda baixa e média até o final do ano que vem, pelo menos em quantidades significativas para imunização em massa ”, disse Rachel Silverman, analista de políticas do Center for Global Development, um grupo de estudos nos Estados Unidos. “O grande asterisco, porém, é que se houver muitas vacinas bem-sucedidas, haverá oferta geral suficiente para que os países ricos não usem todas as suas opções”, acrescenta.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *