Positividade tóxica nas redes sociais toma forma com o discurso de Regina Duarte

Blog do Dunker

Freepik

Tem circulado redes sociais nova moralidade digital. Sua máxima afirma que, se não falarmos de coisas desagradáveis, se não mencionarmos frustrações e se não lidarmos com conflitos, será bom para nossa saúde mental e melhorará nosso espírito.

De fato, há algum tempo, o estudo sobre usuários de Facebook que tiveram seu estado de espírito manipulado pelo contágio gerado pela indução de palavras positivas e negativas [1]. Mas se o poder do contágio emocional e a manipulação do humor atmosférico por aqueles que têm força no big data ou sabem como manipular atitudes digitalmente, parece óbvio, a solução nem sempre é o que parece.

Uma leitura básica desse fato, que parece ter sido expressa agora com a noção de positividade tóxica, nos levaria a argumentar que, em qualquer situação ou cenário, deveríamos nos comportar como a heroína de Eleanor H. Porter, conhecida como Pollyanna.

Isso provocou uma pequena batalha filosófica entre otimistas e pessimistas, agora feroz sobre o estado em quarentena. Para o primeiro, já estamos saturados de más notícias e infelicidade; então, por que não olhar para o lado positivo da vida e beber lentamente o resto de um copo meio cheio? Para os chamados pessimistas, a boa vida é a vida intensa e o maior intensificador de experiência que pode existir é saber que o que você é é real.

Os pessimistas chamam otimistas e idealistas iludidos, negadores da realidade como ela é. Os otimistas dizem que os pessimistas estão apenas tentando exagerar conflitos e tensões para manipular as coisas a seu favor. Tudo acontece como se os pessimistas fossem observadores inertes do mundo, reclamando de seus infortúnios, enquanto os otimistas estão ao menos “fazendo alguma coisa”. Enquanto os otimistas querem compromisso e atividade, os pessimistas parecem nos levar a uma aceitação complacente e fatalista das coisas.

Mesmo se Schopenhauer ou Nietzsche eles estão rastejando em seus túmulos, ambos parecem estar certos. Schopenhauer, porque ele mostrou, afinal, que a vida termina mal e que somos nada mais que ilusões e representações moldadas por nossa própria vontade de enganar a nós mesmos. E Nietzsche, porque o amor ao destino faz com que nossos trabalhos e idéias sobrevivam, afinal, estamos discutindo qual dos dois está correto até hoje.

O fato é que, quando colocamos o problema dessa maneira dupla, estamos obviamente em um problema maior, ou seja, queremos amputar uma perspectiva, exigir significado para a vida e negar que obviamente há bons e maus momentos. A oposição real deve ser estabelecida entre fatalistas e positivistas, por um lado, e a dialética, por outro.

A positividade tóxica fez sua declaração programática em Entrevista de Regina Duarte à CNN, semana passada. Dado o crescente número de mortes no Brasil, o empobrecimento econômico gerado pela COVID-19 E dos mortos deixados pela ditadura militar, a resposta parece ser a mesma: que tal deixar para trás o lado ruim da vida? Ou, de uma maneira mais textual, por que carregar um cemitério nas suas costas?

A frase serve para estabelecer a costa entre uma perspectiva otimista do desejo, ou seja, o que Freud chamou de certa ilusão necessária para continuar andando, e a mais pura e perigosa negação de conflitos e infortúnios. Este segundo caso é particularmente dramático para a saúde mental, pois equivale a expulsar conflitos que surgirão inesperadamente na porta dos fundos pela porta da frente. Porém, durante o tempo entre a expulsão e o retorno, em vez de examinar o problema e abordá-lo objetiva e subjetivamente, estamos satisfeitos com uma paisagem mundial confortável ou um estado mental harmonioso.

O caráter tóxico da positividade começa quando começamos a pensar que somente pela ação do nosso pensamento ou do nosso estado de espírito, a realidade mudará. A pessoa simplesmente não lê a continuação de “Pollyanna”, chamada “Pollyanna Moça”, publicada em 1915, na qual nossa heroína está paralisada e sofre muitos outros infortúnios.

O otimismo não nos protege dos piores. Quando se torna tóxico, não apenas perdemos um tempo precioso, como também nos encontramos em uma situação ainda mais frágil quando o problema retorna. Em geral, e desagradável, ele retorna com uma característica cada vez pior, porque é intratável.

Quando a voz otimista pergunta “por que carregar um cemitério às suas costas”, há algumas suposições em jogo, por exemplo, o fato de o cemitério ser uma palavra “ruim”, que nos entristece e provavelmente seria capitalizada por algoritmos como induzindo pessimismo.

Mas isso deixa de lado que está lá, no cemitério, onde estão nossos entes queridos e muitas vezes mais amados. O cemitério representa o nosso passado, mas também o nosso futuro.

É um lugar comunitário de respeito e sabedoria, onde nos reunimos para coisas tristes, mas também para praticar o dever da memória, que gradualmente transforma a dor em parte da nostalgia com a qual trazemos, para sempre e agora, um cemitério dentro de nós.

O que quero dizer com isso é que “carregando um cemitério nas suas costas” pode nos tornar mais fortes enquanto nos reconciliarmos com aqueles que se foram. Contanto que aqueles que se foram sejam uma parte inesquecível do melhor que somos.

Pensando assim, o investimento é claro. O ditado otimista é apenas alguém que pensa pouco, que quer permanecer na vida na ponta dos dedos.

Se aprofundarmos nosso próprio otimismo, veremos que ele é investido em “pessimismo” e depois renasce como otimismo expandido, porque traz gratidão pela história. Maior otimismo, porque é filtrada pela realidade e pela certeza da experiência que ela nos proporciona. Otimismo cujas costas se tornaram mais musculosas porque vivemos a dor coletivamente e não apenas como culpa e individualização.

Para o bem, para o mal e além do bem e do mal.

REFERÊNCIA

[1] “Os pesquisadores fizeram um experimento dividindo os usuários do Facebook, no total, quase 700.000 deles, em dois grupos: um tinha mais palavras positivas inseridas em suas notícias, o outro grupo foi exposto a mais palavras negativas. Em seguida, os pesquisadores mediram se esses usuários publicaram, posteriormente, à luz dos dois tratamentos, palavras mais positivas ou negativas, que confirmaram o contágio social. Para nossos propósitos, o ponto principal é que o estudo demonstrou experimentalmente que, sem o conhecimento do Usuários do Facebook, seu humor (contágio emocional) pode ser manipulado “. Em Schroeder, R. (2018) Big data: moldar o conhecimento, moldar a vida cotidiana. Revista Matrizes V.12 – Nº 2 mai / ago. 2018

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *