Possíveis sequelas de Covid-19 afetam pacientes recuperados – Metro

O Ceará já registrou 221 mil confirmações de pessoas com Covid e 194 mil recuperadas. Porém, uma das muitas incertezas sobre a doença são justamente os efeitos que ainda sentem as pessoas que se consideram recuperadas. No Estado, como em outras partes do mundo, relatos de pacientes curados e observação clínica por profissionais de saúde indicam possíveis sequelas de Covid.

De momento não é possível dizer se são temporários ou permanentes, e a lista das várias repercussões inclui, mas não se limita a: cansaço, falta de ar, aumento da glicemia e dores no peito. Não são sinais definitivos, mas indicam que uma vida pós-Covid está comprometida por enquanto.

A dona de casa María Silvanira de Oliveira Silva teve Covid em maio e até agora relata que ainda existem possíveis sequelas. Silvanira, moradora de Maracanaú, conta que quando teve os primeiros sinais da doença, sentiu febre e dor de garganta, mas também começou a sentir fortes dores nas costas. Naquela época, ela não estava internada, mas foi ao hospital duas vezes. Em uma ocasião, o diagnóstico de infecção por coronavírus foi confirmado.

“Fiquei isolado por um mês e 15 dias. Parei de provar comida e perdi cinco quilos. Hoje sinto muitas dores no braço direito. Uma dor que eu não sentia antes. Se eu andar fico cansado, me afogo ”, diz.

Outro impacto, relata ele, é a perda de cabelo. Ele tem o cabelo curto, mas depois da doença, ele explica que registrou a falta de cabelo em certas áreas.

A policial federal Rucley Cavalcante Braga também teve Covid e continua sentindo os prováveis ​​impactos da doença. O caso foi grave, ele ficou 53 dias internado e passou por três unidades de saúde: UPA em Messejana, Hospital Leonardo da Vinci e Hospital Waldemar de Alcântara, em Fortaleza. No Leonardo da Vinci, ele ficou em coma por 30 dias. Em maio, Covid o considerou curado, mas até hoje ele ainda está sentindo os efeitos.

No início, Rucley tinha envolvimento pulmonar, mas hoje ele diz que “melhorou”. Ele continua fazendo fisioterapia e relata dores no braço direito. Além disso, Rucley tem diabetes e problemas de visão. “Tenho que ver um pneumologista, um oftalmologista, para um check-up geral. A doença agravou o problema de visão, dor na ponta dos pés, formigamento. Algumas coisas os médicos podem identificar, outras não. Eles estão investigando ”.

Sinais de sequelas de Covid estão sendo documentados em todo o mundo. Ainda não existem estudos definitivos sobre as consequências da doença a médio e longo prazo, nem se, de fato, podem atingir um alto grau de limitação do paciente. No Ceará, os hospitais públicos possuem ambulatórios para atendimento pós-Covid. Nas unidades, o objetivo é garantir suporte aos pacientes já acometidos pela doença e que tiveram alta, bem como investigar esses possíveis efeitos.

Guarnição

No Hospital São José, a infectologista Melissa Medeiros relata que há três clínicas pós-Covid por semana, gerando um total de 18 pacientes agendados a cada 7 dias. Ele explica que as pessoas recuperadas continuam a se queixar de “tosse ou secreção na garganta. Um pouco de catarro também piora o refluxo. São reclamações frequentes. Isso pode ser uma sequela ”.

De acordo com a medida, a piora do refluxo e a secreção persistente são efeitos relatados principalmente nos casos mais leves. Nos casos mais crônicos, “as pessoas relataram sentir cansaço, não só respiratório, mas também físico. Eles não estão dispostos a fazer o que faziam antes e isso leva até mesmo a condições psiquiátricas, como depressão e ansiedade, ou mesmo alterações de humor. Porque as pessoas são limitadas ”. Além disso, problemas como palpitações, taquicardia esporádica e alterações de pressão também são relatados.

No Hospital Dr. Carlos Alberto Studart Gomes – Hospital do Coração – em Messejana, a pneumologista Diana Arraes de Sousa atende também pacientes que já foram acometidos pela doença e estão “curados”. Na unidade, ele reforça que “tem sido comum relatar tosse persistente, cansaço residual, falta de ar, sensação de sonolência e dores no peito. Estes são os sintomas mais comuns relatados ”. O médico explica que é importante diferenciar os sintomas comuns pós-Covid de possíveis sequelas.

Segundo ela, a sequência é “algo que vai ficar”. Os sintomas, na maioria dos casos acompanhados na unidade, “têm melhorado gradativa e lentamente. Portanto, não tenho como dizer se esses sintomas permanecerão em alguns pacientes ou se estão simplesmente em transição para melhor. ”

Diana destaca que os procedimentos que envolvem a Covid ainda são recentes e “ainda estamos aprendendo com isso. O tempo não nos permitiu tirar uma conclusão definitiva ”. Segundo ela, não há uma data precisa para estabelecer o que seria uma sequência ou não para Covid.

“Isso depende do acompanhamento do paciente e tende a ser progressivo com o tempo. Ou seja, quanto mais o tempo passa, maior a proporção de pacientes que apresentam uma doença totalmente resolvida. Existem estudos chineses que, na alta, apenas 8% (dos pacientes) não apresentavam alterações na tomografia. Três semanas depois, 53% não apresentavam mais alterações na tomografia pulmonar, ou seja, é progressiva. Mas ainda havia 47% que tiveram alguma alteração. Isso melhora gradualmente ”.

Hora

O médico estima que demore pelo menos seis meses para identificar se esses problemas persistem. Mas só com 12 meses, segundo ela, “é possível ‘fechar’ algo sobre o que foi ou não foi”. Ele acrescenta que existem várias hipóteses e é preciso monitorar. Ele ainda relata, para identificar efeitos colaterais relacionados ao medicamento utilizado, como o corticosteroide prednisona. A infectologista do Hospital São José, Melissa Medeiros, também reitera a necessidade de monitorar os efeitos do medicamento.

“Há pacientes que relatam glicemia não controlada. Estamos tentando melhorar o tratamento e nos estabilizar. O que se usa para tratamento são coisas empíricas, então tem gente que tomou antiparasitários como a ivermectina em grandes quantidades e isso pode sobrecarregar o fígado e até causar hepatite ”.

No Hospital São José, a expectativa é que a clínica funcione por seis meses. “Já estamos vendo a recuperação pulmonar, temos uma tomografia de controle onde vemos pacientes que têm envolvimento pulmonar com mais de 75% e quando repetimos, três meses depois, ainda vemos vestígios de lesão. A doença ainda deixa sequelas por algum tempo. É preciso ter cuidado porque é preciso ver se esses pacientes não estão reinfectando outros vírus ou infecção bacteriana associada ”, acrescenta.

No Hospital do Coração, Diana Arraes diz que não há prazo para o fechamento da clínica pós-Covid.



You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *