Presidente brasileiro critica nova investigação sobre denúncias de fraude eleitoral | Notícias da pandemia de coronavírus

Jair Bolsonaro diz que não será “intimidado” depois que as autoridades eleitorais ordenarem uma investigação sobre seus ataques ao sistema de votação.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro condenou uma nova investigação sobre suas alegações infundadas de que o sistema de votação eletrônica do país é afetado por fraude, dizendo que se recusa a ser “intimidado”.

As autoridades eleitorais ordenaram na segunda-feira uma investigação sobre a campanha de Bolsonaro para imprimir recibos de papel após as cédulas eletrônicas serem emitidas nas eleições presidenciais do ano que vem, uma pressão que ele justificou dizendo, sem evidências, que o sistema está repleto de fraudes.

O líder de extrema direita, que experimentou uma recente perda de popularidade em meio à crise do coronavírus no Brasil e uma série de alegações de corrupção no governo, disse que não haverá eleições em 2022 se o sistema não for revisado.

Milhares de seus apoiadores protestaram em cidades de todo o país no fim de semana em apoio ao processo de Bolsonaro, embora juízes brasileiros e outros especialistas tenham julgado as alegações de fraude como infundadas.

O Tribunal Superior Eleitoral do Brasil disse na segunda-feira que investigaria o presidente por abuso de cargo, uso indevido dos canais de comunicação oficiais, corrupção, fraude e outros possíveis crimes em seus ataques ao voto eletrônico.

“Recuso-me a ser intimidado”, respondeu Bolsonaro na terça-feira.

“Vou continuar a exercer meu direito à liberdade de expressão, de criticar, de ouvir e, acima de tudo, de responder à vontade do povo”, disse ele a seus partidários em frente ao palácio presidencial. “Jurei dar minha vida pela nação no caso de um ataque nacional ou estrangeiro. O Brasil está sob ataque interno. “

Mas os críticos disseram que Bolsonaro está tentando lançar dúvidas antes da votação do próximo ano, durante a qual ele deverá enfrentar um sério desafio do ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva.

Eles disseram que a estratégia do presidente brasileiro é semelhante à do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, a quem Bolsonaro imitou, que durante meses afirmou falsamente que as eleições americanas de 2020 foram marcadas por fraudes generalizadas.

A campanha de Bolsonaro ocorre enquanto ele enfrenta protestos massivos nas últimas semanas e pede seu impeachment sobre a forma como seu governo lidou com a COVID-19, que matou mais de 557.200 pessoas no país sul-americano, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

Seu governo enfrenta uma investigação da comissão do Senado sobre suas políticas relacionadas à pandemia, e o Ministério da Saúde foi acusado de irregularidades na compra de vacinas contra o coronavírus na Índia.

Bolsonaro critica há muito o voto eletrônico, introduzido no Brasil em 1996, mas intensificou seus ataques antes das eleições de outubro de 2022. Pesquisas de opinião recentes mostram que Bolsonaro está muito atrás de Lula na disputa.

Ele também descreveu o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luis Roberto Barroso, como um “imbecil” por sugerir que a introdução da cédula de papel poderia abrir o processo à manipulação.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *