Presidente da Nigéria afirma que pelo menos 69 pessoas mortas em protestos contra a brutalidade policial

LAGOS – O presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, disse na sexta-feira que pelo menos 69 pessoas morreram desde que protestos contra a brutalidade policial ocorreram nas ruas do país por mais de duas semanas. A maioria das vítimas são civis, mas o número inclui policiais e soldados.

O anúncio foi feito durante reunião de emergência em Buhari com ex-líderes do país em busca de uma solução para a crise e chega um dia depois do presidente pedir o fim dos protestos em um discurso na televisão em que ele ignorou relatos de que 12 manifestantes foram mortos pela polícia e pelo exército na noite de terça-feira. Não está claro se o número anunciado inclui as 12 mortes na terça-feira, segundo a Anistia Internacional. De acordo com a Presidência da República, 51 civis, 11 policiais e sete militares morreram desde o início dos fatos.

Compreendo: Por que milhares de nigerianos estão ocupando as ruas do país

Na sexta-feira, grupos armados com facas e pedaços de madeira bloquearam estradas principais em Lagos, o centro financeiro da Nigéria. Muitos de seus membros ficaram furiosos com o discurso do presidente na noite anterior.

Mas após o anúncio do presidente na sexta-feira, um grupo que esteve envolvido na organização dos protestos e da Coalizão Feminista pediu aos manifestantes que ficassem em casa e respeitassem o toque de recolher, informou a BBC.

Com protestos diários contra a brutalidade policial por mais de duas semanas, a situação na Nigéria é considerada o momento mais violento desde que o país voltou ao regime civil em 1999 e a crise política mais grave que Buhari, um dos líderes da Nigéria enfrenta. a Junta. militar que golpeou na década de 1980 e chegou à presidência por meio das urnas em 2015.

Uma estrada que leva ao aeroporto internacional foi bloqueada por grupos de jovens exigindo dinheiro dos motoristas na sexta-feira. Postos de gasolina foram fechados e caixas eletrônicos não funcionavam em algumas partes da cidade. Além disso, as delegacias de polícia foram queimadas.

Toque de recolher

A violência na capital comercial de 20 milhões de dólares da Nigéria aumentou desde a noite de terça-feira, quando o governo regional anunciou um toque de recolher de 24 horas.

Nigerianos com pedaços de madeira bloquearam várias ruas em Lagos, Nigéria Foto: TV Reuters

Uma investigação da Amnistia Internacional concluiu que soldados e polícias Mataram pelo menos 12 manifestantes pacíficos em Lekki e Alausa na noite de terça-feira. A entidade registrou 56 mortes desde o início dos protestos, número inferior ao apresentado pelo presidente.

Na quinta-feira, a Anistia, a Human Rights Watch e 40 outras organizações pediram uma “investigação imediata e completa” do que aconteceu.

Uma artista nigeriana, DJ Switch, que transmitiu ao vivo no Instagram o incidente, disse na sexta-feira que contou 15 mortos no local. No entanto, o Exército classificou como “falsa” a notícia de que os soldados atiraram nos manifestantes.

Em um discurso televisionado na noite de quinta-feira, o presidente Buhari pediu o fim dos protestos, em sua primeira aparição pública após o episódio de terça-feira. Mas, ao ignorar os relatos do suposto ataque da polícia e soldados, ele irritou muitos manifestantes, que voltaram às ruas na sexta-feira.

“Esperávamos que ele dissesse algo para condenar o assassinato”, disse o empresário Lekan Shonibare.

As autoridades têm lutado para implementar um toque de recolher que esteja em vigor dia e noite. Nesta sexta-feira, o governo do estado de Lagos, mesmo nome da cidade, disse que as restrições seriam amenizadas a partir de sábado, e que a medida será prorrogada entre as 18h00 e as 8h00.

A polícia montou postos de controle em toda a cidade, com policiais uniformizados e facões forçando os moradores a andar pela área com os braços levantados.

Policiais em Lagos, Nigéria, montaram postos de controle, onde os policiais carregavam facões e forçavam os residentes a passar pela área com os braços levantados. Foto: Sophie Bouillon / AFP
Policiais em Lagos, Nigéria, montaram postos de controle, onde carregavam facões e obrigavam os residentes a passar pela área com os braços levantados. Foto: Sophie Bouillon / AFP

O toque de recolher não se limitou ao estado de Lagos. Vários outros no sul do país também impuseram a medida.

Além da revolta da população nigeriana, as mortes de terça-feira geraram uma onda de críticas internacionais às autoridades e forças de segurança do país.

Pedido de reforma

Por mais de duas semanas, milhares de nigerianos saíram às ruas do país em protesto contra a brutalidade policial. Inicialmente o alvo era a Brigada Especial Antifurto, unidade policial criada em 1992 para combater roubos e outros crimes violentos, mas que é acusada de extorsão, tortura e homicídio.

O gatilho para os protestos foi um vídeo postado nas redes sociais no dia 3 de outubro, no qual agentes da SARS tiram dois homens de um hotel na cidade de Lagos e atiram em um deles. Os nigerianos começaram a compartilhar histórias de abusos cometidos por oficiais da unidade nas redes sociais e usando a hashtag “#EndSARS”, que se tornou viral em todo o mundo. Nos dias seguintes, milhares de pessoas foram às ruas do país.

De acordo com a Amnistia Internacional, entre janeiro de 2017 e maio de 2020, houve pelo menos 82 casos de violência contra nigerianos, incluindo tortura, maus tratos e execuções extrajudiciais nas mãos da SARS.

Os protestos levaram ao anúncio do fechamento da unidade, mas os nigerianos seguiram em frente com as manifestações, pedindo uma reforma policial mais ampla, bem como indenização para as vítimas da violência da corporação e uma investigação rigorosa dos casos de Abuso.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *