Quais são os riscos de perder a batalha contra os gananciosos com a reabertura?

Para onde o mundo vai

Robert Norton / Unsplash

Em março, todos pararam devido ao COVID-19. Em alguns países, a doença já avançava em grande parte da população, em outros nem tanto. Alguns países implementaram medidas rigorosas, com grande adesão da população, outros nem tanto. De uma maneira ou de outra, a motivação para a doença esfriou, mas também as conseqüências econômicas.

Nos países onde o número de casos era grande, mas depois caíam com medidas restritivas, havia um sentimento de realização e que tudo valia a pena. Nos países onde a doença ainda não havia se estabelecido, havia uma sensação de perda de tempo. Nos países em que as medidas tiveram pouco efeito, também no Brasil. No último mês de junho, qualquer que seja o resultado, a ordem é reabrir. Se, por um lado, já sabemos mais sobre a doença e podemos tomar decisões mais informadas, por outro, não há mais clima para restabelecer quarentenas estritas. E o número de casos, como previsto, infelizmente, tem aumentado.

A estratégia era clara: use a quarentena para reduzir os casos a um número gerenciável e, em seguida, reabra com cuidado e teste, rastreie e isole. Se o número de casos ficar fora de controle, essa estratégia não será mais possível. A Europa em geral conseguiu fazer isso com sucesso. Os casos diminuíram durante a quarentena e não aumentaram novamente com a reabertura. A Nova Zelândia veio para eliminar completamente a doença. No entanto, essas histórias de sucesso deixaram uma falsa impressão de que esse é apenas o curso natural da doença, que só se pode esperar que os números diminuam por conta própria. Eu li erro.

Nos países em que gastou muito tempo discutindo os limites da ação estatal e a conveniência de usar máscaras, os resultados foram muito menos impressionantes. Nos Estados Unidos, os números estabilizaram, mas não diminuíram. Nem no Brasil. Agora, com a abertura, os efeitos nos EUA foram imediatos, com novos surtos da doença precisamente nos estados onde a reabertura foi mais rápida. A diferença com a Europa é acentuada.

Comparação do número de casos gananciosos na União Europeia e nos Estados Unidos: a diferença entre uma quarentena bem feita e uma ineficaz

O que mudou com a quarentena?

Hoje, temos uma idéia melhor de como a Covid se espalhou no início, quando não havia evidências suficientes para estabelecer números confiáveis. Analisando o excesso de doenças respiratórias em março em comparação com a média anual, os cientistas estimaram que o número de casos nos EUA no período provavelmente atingiu quase 9 milhões, 80 vezes maior que o relatado. Isso sugere que o vírus é mais perigoso por sua transmissão rápida do que por sua taxa de mortalidade.

Em outro estudo preocupante, cientistas chineses estudaram pacientes gananciosos assintomáticos e descobriram que em muitos casos a imunidade à doença dura apenas alguns meses. Quando a resposta imune ao covid é fraca e o paciente nem sequer desenvolve sintomas, os anticorpos gerados na resposta tendem a desaparecer quando o paciente se recupera. 40% dos pacientes assintomáticos analisados ​​eram negativos para anticorpos dentro de dois meses Esse resultado diminui a esperança de alcançar a chamada imunidade coletiva antes de desenvolver uma vacina.

Durante a reabertura, o perfil dos pacientes gananciosos mudou, com porcentagem muito maior de jovens infectados. Talvez porque a população mais velha esteja mais protegida, talvez porque os mais jovens tenham sido os primeiros a ir a restaurantes, ou simplesmente porque estamos fazendo melhores testes. Mas uma coisa é certa: a doença ainda está aqui e está se espalhando rapidamente entre uma população ainda desprotegida.

Reabrindo esforços

Na pressa de reabrir, colocar a carroça na frente do cavalo pode prejudicar ainda mais a economia. Entrar em um ciclo de abertura e fechamento pode ser catastrófico. Um restaurante fechado certamente perderá muito dinheiro, mas é muito pior recontratar funcionários, reabastecer ações, administrar a casa por duas semanas e fechá-la novamente.

A Universidade da Califórnia em San Diego, por exemplo, desenvolveu um estratégia ousada de reabertura. Eles serão reabertos inteiramente no novo ano letivo, após o verão no Hemisfério Norte, levando 65.000 pessoas ao campus entre estudantes e funcionários. Eles também desenvolveram seus próprios laboratórios e toda a infraestrutura necessária para avaliar todas essas pessoas mensalmente, a um custo de US $ 2 milhões por mês. O plano é isolar imediatamente os casos e controlar os surtos da doença. No entanto, a nova realidade da Califórnia pode perder tudo. Com a doença fora de controle, um novo fechamento pode ser inevitável.

Moral da história: não há milagres. Todos devem fazer sua parte e cooperar com medidas para reduzir números. Depois disso, é necessário vigilância e investimento em infraestrutura para identificar novos surtos. E a participação de toda a sociedade é essencial. É possível controlar a doença, e as histórias de sucesso existem para servir como exemplo. Bons exemplos, a mesma coisa.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *