Qual é a praia Bitcoin de El Salvador e existem outras economias circulares semelhantes?

Na costa salvadorenha, a aproximadamente uma hora de sua capital, fica uma pequena cidade de 3.000 habitantes chamada El Zonte. Além da areia vulcânica negra que margeia suas praias, há algo mais que está por toda parte. Esse é o famoso B maiúsculo laranja, o símbolo do Bitcoin.

A ‘Bitcoinificação de El Salvador’, como é popularmente conhecida, é um processo contínuo há muito tempo. O presidente Nayib Bukele defende a adoção e o uso do Bitcoin desde 2017, quando era prefeito da capital, San Salvador. Na época, ele twittou “vamos usar bitcoin”.

Avanço rápido de 2 anos – O presidente Nayib Bukele assumiu o cargo em 2019 e em 2021 El Salvador se tornou o primeiro país do mundo a adotar o Bitcoin como moeda legal. Isso significava que o país tinha 2 opções de moeda de pagamento em vez de uma, ou seja, dólar americano e Bitcoin. Desde então, Bukele comprou cerca de 2.301 BTC e vem comprando constantemente as quedas usando fundos públicos, apesar das perdas crescentes.

Abaixo da salva salvadorenha do Bitcoin está um local menos conhecido no país conhecido como Bitcoin Beach, que foi o projeto piloto de Bukele antes de ele anunciar formalmente o Bitcoin como moeda legal de seu país.

O que é a praia do Bitcoin?

Na costa salvadorenha, a aproximadamente uma hora de sua capital, fica uma pequena cidade de 3.000 habitantes chamada El Zonte. Além da areia vulcânica negra que margeia suas praias, há algo mais que está por toda parte. Esse é o famoso B maiúsculo laranja, o símbolo do Bitcoin.

Muito poucas pessoas em El Salvador têm acesso a sistemas bancários modernos. Mas El Zonte está indo pior do que a nação-mãe; aqui até contas bancárias são um achado raro. As empresas locais não têm meios para manter contas comerciais verificadas que são necessárias para hospedar serviços básicos de transferência de cartão de crédito. Chegamos ao problema clássico descrito pelo criador do alias Bitcoin Satoshi Nakamoto em seu white paper: dependência de um terceiro confiável para realizar transações.

“O comércio pela Internet passou a depender quase exclusivamente de instituições financeiras que atuam como terceiros confiáveis ​​para processar pagamentos eletrônicos. Embora o sistema funcione bem o suficiente para a maioria das transações, ele ainda sofre com as fraquezas inerentes do modelo baseado em confiança”, escreve Nakamoto.

Em 2015, Mike Peterson, um ex-planejador financeiro que se mudou para EL Zonte, criou uma instituição de caridade que financiava bolsas de estudo localmente e também ajudava a criar empregos. Em 2019, Peterson encontrou um doador anônimo de Bitcoin que havia acumulado o suficiente e queria implementá-lo para melhorar a cidade.

Mas o doador tinha uma condição: nenhum Bitcoin poderia ser convertido em USD, o que significa que uma economia circular teria que ser criada. Isso envolveria transferências de Bitcoin entre pagadores e beneficiários sem nunca ser trocado por outra moeda. E assim nasceu a Iniciativa Bitcoin Beach. Peterson revela como esse projeto foi feito para funcionar em uma entrevista de abril de 2022 à CBS News.

Como funcionou a Iniciativa Bitcoin Beach?

Bitcoin é uma moeda digital e, ao contrário da moeda fiduciária, não pode ser segurada, tocada ou sentida. Então, o problema óbvio com a apresentação deles foram os rostos perplexos dos moradores que foram informados de que seriam pagos com algo que não podiam ver ou tocar. No entanto, a doação anônima ajudou a criar empregos na cidade pouco povoada. Mas como?

As únicas pessoas familiarizadas com a conversa sobre tecnologia são adolescentes e foram eles os primeiros a impulsionar o Bitcoin Beach Project. Peterson e seu grupo contrataram adolescentes para fazer biscates como limpar praias e mover lixo e os pagaram em Bitcoin. Agora eles precisavam de um lugar para gastar esse Bitcoin. Outras empresas foram criadas e os proprietários foram ensinados a usar o aplicativo Bitcoin Beach, que envolvia uma simples leitura de código QR para transferir o BTC.

Dessa forma, mesmo que os moradores locais que não confiassem no Bitcoin como moeda devido à sua natureza invisível, eles ainda podiam gastá-lo para comprar algumas coisas. O BTC que entrou para o serviço também saiu e comprou itens ou serviços úteis. O sucesso dessa economia circular do Bitcoin acabou levando o presidente Bukele a levá-la a uma escala nacional em 2021.

Além disso, em agosto de 2022, o governo salvadorenho anunciou US$ 203 milhões em melhorias de infraestrutura para a região para que os turistas possam aproveitar melhor o local. “Este ano vamos ampliar 21 quilômetros da rodovia litorânea para quatro pistas. E também faremos com concreto hidráulico, que é mais caro que o asfalto, mas dura muito mais”, disse o presidente Bukele.

Outros projetos semelhantes:

Brasil: Inspirado pelo desenvolvimento liderado por uma doação anônima de Bitcoin em El Zonte, uma iniciativa semelhante foi lançada na cidade de Jericoacoara, Brasil. Liderado por Fernando Motolese, foi lançado em setembro de 2021, logo após o Bitcoin se tornar um leilão nacional para El Salvador. Como parte do projeto, foi distribuído 0,1 BTC entre alunos e professores, o que resultou em 408 carteiras com 1.000 satoshis cada.

Costa Rica: No final de 2021, Josef Dvoracek, de 71 anos, iniciou o projeto Bitcoin Jungle em Costa Ballena (Costa das Baleias), que é a parte sul da Costa Rica. Em abril de 2022, esse projeto permitiu que 50 fornecedores e 20 outras empresas executassem suas operações com sucesso.

Vanuatu: Vanuatu é um paraíso tropical composto por aproximadamente 80 ilhas que se estendem por 1.300 quilômetros. Nos próximos anos, o país poderá abrigar um dos projetos de criptomoedas mais atraentes até agora: a Ilha Satoshi. Este é um destino turístico baseado em Bitcoin que busca hospedar investidores de criptomoedas de todo o mundo.

Tudo na ilha será focado em blockchain e criptomoeda. Por exemplo, quem compra imóveis aqui receberia tokens digitais não fungíveis (NFTs) em vez de escrituras tradicionais. Além disso, tudo, desde seu café até seu aluguel, pode ser pago com moedas digitais como Bitcoin e Ethereum. No entanto, ao contrário das outras 3 economias circulares baseadas em Bitcoin listadas neste artigo, a Ilha Satoshi ainda está em desenvolvimento e pode demorar um pouco para ser concluída.

conclusão

À medida que a adoção de criptomoedas cresce, podemos ver mais e mais projetos como esses surgindo em todo o mundo. Esses destinos tendem a atrair um bom número de visitantes, especialmente defensores de criptomoedas. Eles também ajudam no crescimento da economia local, gerando renda e empregos para os moradores da região. Um ganha-ganha para todos.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.