Quanto tempo vamos gastar no espaço? A resposta vem dos ursos: hibernando – 26/06/2020

2020 não é fácil. A quarentena de coronavírus fez com que muitas pessoas dormissem demais para escapar da realidade. Mas e se dormirmos depois do Carnaval e acordarmos sozinhos quando tudo melhorar? Infelizmente, os humanos não hibernam. Felizmente, isso pode mudar no futuro.

A idéia de hibernar é um clássico da ficção científica, como nos filmes “Alien” e “2001: Uma Odisséia no Espaço”. Em teoria, parece ser a melhor maneira de viabilizar viagens espaciais muito longas. A Mars One, uma startup que pretendia colonizar Marte, mas recentemente pediu falência, estimou a viagem ao planeta vermelho em sete meses, por exemplo.

Apesar do fracasso da empresa, pessoas mais sérias como a NASA e a Agência Espacial Européia (ESA) estão estudando pesquisas sobre a hibernação humana. Existem também vantagens mais mundanas, como aplicações no tratamento de recuperação de paradas cardíacas, tremores pós-operatórios, depressão e insônia, entre outras.

O problema é que não é um desafio fácil de resolver. “Embora genes específicos e únicos ligados à hibernação nunca tenham sido identificados, as pessoas não têm a regulação coordenada da expressão gênica que prepara os animais para hibernar, iniciar esse processo e proteger o corpo contra danos nas transições de entrada e saída. hibernação “, explica Kelly Drew, pesquisadora do Departamento de Química e Bioquímica da Universidade do Alasca.

A hibernação é um estado misterioso do corpo no qual os animais reduzem drasticamente a temperatura e o metabolismo do corpo. Ursos e roedores são capazes disso, como o esquilo ártico estudado por Drew. Ela trabalha no desenvolvimento de uma substância que permite aos seres humanos imitar o processo.

“Meu laboratório descobriu um mecanismo necessário e suficiente para fazer o esquilo ártico hibernar”, diz ele. Ao combinar dois novos compostos químicos, o método pode induzir um estado semelhante à hibernação.

Toda a tecnologia foi licenciada por uma empresa chamada Be Cool Pharmaceutics, que aguarda autorização do FDA, a versão norte-americana da Anvisa, para continuar os testes.

“Se essas substâncias se mostrarem seguras, os estudos iniciais em humanos poderão começar no próximo ano”, diz o pesquisador.

Você foi dormir

Antes de respirar fundo e se preparar para fechar os olhos, acalme-se. A partir disso, até chegarmos a algo como a hibernação de um urso, há um abismo. De fato, Kelly explica que a primeira indicação para o método é ajudar na sobrevivência de pacientes ressuscitados após uma parada cardíaca.

“Se isso for seguro para esse mercado, a segunda indicação é para tremores pós-operatórios”, diz ele. “Uma média de 35% dos pacientes experimentam tremores após a anestesia, o que é desconfortável e pode complicar a recuperação”.

Em suma, ele diz, esse medicamento pode transformar a medicina, alterando a aparência da temperatura corporal: de um sinal vital para um problema terapêutico.

A redução da temperatura para 1 a 5 graus Celsius poderia facilitar o sono, agir como um tratamento para a depressão, retardar a progressão de tumores e até mitigar as reações hiperinflamatórias que matam pessoas infectadas com Covid-19.

“No entanto, os benefícios terapêuticos da redução da temperatura corporal ainda não foram totalmente explorados, porque ainda não foi possível esfriar as pessoas sem causar tremores e uma resposta ao frio”, diz Kelly.

Afinal, sem algo que induza os seres humanos a um estado semelhante à hibernação, uma pessoa morrerá se sua temperatura cair muito baixo. Para tentar aquecer o corpo em uma situação como essa, o corpo treme. Mas esses tremores desperdiçam energia, enquanto a idéia de hibernar é precisamente preservar energia.

Ao infinito e além

No entanto, desfazer esse nó parece essencial quando se pensa em viagens interplanetárias. De fato, a NASA até desenvolveu um protocolo de hibernação para esses cenários em associação com a empresa Spaceworks.

Lançado em 2016, o documento afirma que a maioria dos astronautas hibernaria em pequenas cápsulas por períodos de até duas semanas, enquanto um deles permaneceria acordado, as posições girariam.

Entre as vantagens estão evitar o desespero de meses confinado em um espaço pequeno, reduzindo a quantidade de alimentos necessários para enfrentar a jornada e economizando peso com substâncias para se defender da radiação espacial, que estaria concentrada nas cápsulas de hibernação.

Por outro lado, os astronautas ainda teriam que ser alimentados, o que seria feito usando sondas. Além disso, resta ver como “apagar” os exploradores espaciais.

Rob Henning, pesquisador da Universidade de Groningen que tenta desvendar mecanismos de hibernação há dez anos, resumiu a importância disso com muita clareza. “Se você encontrar essa mudança”, Rob disse ao The Broad “, você ganha um Prêmio Nobel”.

Algum dia, talvez, chegaremos lá. “A capacidade de baixar a temperatura corporal para fins terapêuticos abrirá o caminho para entender a duração de um ser humano com frio e a busca de uma abordagem segura para entrar e sair de um estado de metabolismo reduzido que chamamos de letargia”, explica ele. Kelly Drew.

“Seria uma boa maneira de passar o tempo enquanto nos aconchegamos em um lugar seguro ou viajamos para lugares distantes como Marte e além”.

You May Also Like

About the Author: Francisca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *