Quarta onda de COVID no Brasil é “bomba-relógio”, alerta pesquisador Lucas Ferrante

A quarta onda da pandemia no Brasil ocorre em meio a uma combinação explosiva de fatores: estagnação vacinal, fim da emergência sanitária COVID-19, aumento da disseminação das subvariantes BA.4/5 Omicron mais infecciosas e resistentes a vacinas, abandono de as medidas de mitigação mais básicas, como o uso de máscaras em ambientes fechados e a chegada do inverno.

Na terça-feira, o Brasil registrou uma média móvel de 147 mortes e 40.174 casos, um aumento de 21% e 10%, respectivamente, em relação a duas semanas atrás. Além da enorme subnotificação, seis dos 27 estados brasileiros não publicaram nenhum dado sobre a pandemia.

Para Lucas Ferrante, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), com quem o WSWS conversou no último sábado, essa situação transformou o Brasil em uma “bomba-relógio” que pode levar a um novo colapso sanitário nas próximas semanas.

Estudos liderados por Ferrante mostraram que a reabertura das escolas no final de 2020 em Manaus, capital do Amazonas, desencadeou o surgimento da variante Gama, responsável por dois terços das mortes por COVID no Brasil. Hoje, principalmente depois que todos os estados brasileiros eliminaram a obrigatoriedade do uso de máscaras nas salas de aula, o papel das escolas como vetores de transmissão do vírus é mais do que claro.

Nas últimas semanas, houve vários surtos entre comunidades escolares inteiras em todo o país. “Escolas e universidades são os caminhos que aceleram a transmissão viral mais rapidamente”, explicou Ferrante. “Hoje estamos replicando isso em um cenário muito mais catastrófico, sem uso de máscaras, salas de aula superlotadas e baixa circulação de ar, além de uma variante mais resistente e baixa proteção vacinal… nas crianças”.

Surto de outras doenças infecciosas e quarta onda no Brasil

A reabertura generalizada das escolas no final do ano passado, quando a frequência de alunos em escolas inseguras se tornou obrigatória, e o abandono das medidas de mitigação no Brasil levaram a surtos fora de temporada de outras doenças infecciosas.

Em dezembro passado, em meio ao início da terceira onda causada pela subvariante BA.1 Omicron, o Brasil experimentou um surto de influenza A e B que inundou hospitais. Então, desde março, com o início do ano letivo e o fim da obrigatoriedade de uso de máscaras nas salas de aula, houve um aumento dos casos de bronquite aguda, causada pelo vírus sincicial respiratório (VSR), que tem lotado as UTIs. . Maio em todo o país.

No entanto, Ferrante apontou dados de meados de maio, quando a mídia corporativa brasileira ainda se perguntava se o Brasil teria uma quarta onda, mostrando que “o vírus sincicial respiratório predomina apenas em crianças menores de 9 anos”. Agora, segundo ele, “estamos vendo as baixíssimas taxas de positividade dos testes para influenza A e B, vírus sincicial estabilizado e COVID-19 aumentando exponencialmente em todas as faixas etárias, especialmente em crianças e adultos de meia-idade”.

Observando que os dados do início de junho do instituto epidemiológico brasileiro FIOCRUZ mostraram um “forte sinal de crescimento nas tendências de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS)”, Ferrante acrescentou: “Esse aumento na SARS a cada semana epidemiológica é COVID-19. 19. Estamos em meio a uma onda de COVID-19 causada por uma variante cujas vacinas ainda são eficazes na proteção, porém, estamos entrando em uma fase em que novas variantes já introduzidas no Brasil começarão a prevalecer e as vacinas não. eles funcionam tão bem contra essas variantes.”

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.