Quênia: Líderes religiosos apelam pela paz após eleições

Líderes religiosos no Quênia estão pedindo paz em meio às tensões após o anúncio de um presidente recém-eleito, convidando as partes insatisfeitas a buscar recursos legais por meio do “processo normal”.

Por Benedict Mayaki, S.J.

Líderes religiosos no Quênia pedem paz e calma em meio às tensões após o anúncio dos resultados das eleições presidenciais recém-concluídas, que ocorreram em 9 de agosto.

Na segunda-feira, 15 de agosto, após dias de coleta de votos, o presidente da Comissão Eleitoral e de Fronteiras Independente (IEBC), Wafula Chebukati, declarou o vice-presidente William Ruto como o quinto presidente do Quênia em uma corrida acirrada.

Ruto venceu por uma estreita margem de vitória, com pouco mais de sete milhões de votos, enquanto Odinga garantiu pouco menos de sete milhões. Ruto obteve 50,49% dos votos, enquanto Odinga recebeu 48,85%, segundo o IEBC.

O caos ocorreu pouco antes da divulgação dos resultados, em meio a brigas e acusações de manipulação de votos pelo campo de Odinga.

Quatro dos sete membros da comissão eleitoral distanciaram-se dos resultados que iam ser anunciados, dizendo que a condução da votação foi “opaca”.

Muitos observadores suspeitam que os resultados das eleições possam anunciar um desafio legal.

Líderes religiosos apelam à paz

Em uma coletiva de imprensa depois que Ruto foi declarado presidente eleito, os líderes religiosos oraram pela paz no Quênia.

O arcebispo Anthony Muheria de Nyeri convidou todos os líderes religiosos e todos os crentes a orar e colocar o país nas mãos de Deus, encorajando-os a “dar uns aos outros o grande dom da paz”.

“Caro queniano, mantenha a paz”, disse ele. “A paz esteja com você. A todos esses líderes, nós enviamos paz. Em sua ferida, nós lhe damos paz.”

O arcebispo dirigiu-se também aos dois principais candidatos ao primeiro lugar do país, invocando a paz para o presidente eleito e exortando-o a “dar a paz a nós e aos seus contendores”. O Arcebispo Muheria também ofereceu paz ao Sr. Odinga, pedindo-lhe que “receba essa paz em [his] coração e devolvê-lo à nação”.

Da mesma forma, o presidente da Conferência Episcopal do Quênia, Arcebispo Martin Kivuva, saudou a paz que marcou o período anterior e posterior à emissão dos votos, bem como os dias anteriores ao anúncio dos resultados finais.

Ele, no entanto, reconheceu “a dor que alguém passaria se esperasse algo diferente” à luz dos resultados e orou por calma e paz.

Procurar recurso legal pacificamente

Na mesma linha, o chefe da Igreja Anglicana do Quênia (ACK), arcebispo Jackson Ole Sapit, convidou os insatisfeitos com o processo eleitoral a buscar recursos legais “pelo processo normal” e não “pelas ruas, porque isso destruirá o Quênia que todos nós queremos construir.”

Ele também se dirigiu ao presidente eleito, instando-o a “abraçar todos, aqueles que o elegeram e aqueles que não o fizeram, porque o Quênia pertence a todos nós”.

“Também queremos exortar todo o país a se unir para que possamos ser uma nação que continue a prosperar”, disse o arcebispo Ole Sapit.

O arcebispo anglicano dirigiu-se ainda aos quenianos dizendo: “Lembre-se de que você se vê como um vencedor quando mantemos a paz, porque é na paz que podemos crescer e prosperar juntos. Deus abençoe o Quênia.”

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.