Rebecca Kleinmann leva o Brasil à papoula vermelha

Pode ser difícil deixar a Bay Area, especialmente para músicos que passaram seus anos de formação aqui aprimorando um som pessoal dentro de uma comunidade unida de colaboradores.

rebeca kleinmann, flautista, vocalista, compositora, professora e maestro que forjou sua identidade musical através da imersão em uma variedade de idiomas musicais brasileiros, encontrou uma comunidade vibrante e acolhedora quando se mudou para a Bay Area em 2009. Conectando-se com músicos nascidos no Brasil que Depois de morar na Califórnia, assim como outros não brasileiros apaixonados por samba, choro, forró e jazz brasileiro, tornou-se uma das figuras seminais da cena local. Até que as horas de trabalho remunerado necessárias para cobrir o aluguel em Oakland tornaram a área da baía insustentável.

Em busca de moradias mais baratas, ele se mudou para Durham no outono passado, retornando ao seu estado natal, Carolina do Norte, e muito mais perto de sua família em Charlotte, onde cresceu. De volta à Califórnia este mês para mais uma dose séria de soul brasileiro, Kleinmann se apresenta sábado no Casa de Arte da Papoila Vermelha com seu trio formado pelo violonista carioca Ricardo Peixoto e o percussionista Will Martins. O grupo também toca domingo à tarde em Berkeley no Celebração do Dia da Lavagem/Brasil BrasArteque é dedicado à memória da bailarina e coreógrafa Conceição Damasceno, que dedicou sua vida a compartilhar a cultura afro-brasileira na Bahia.

“Tenho enorme respeito por Ricardo”, disse Kleinmann. “Ele é alguém que cruza todos os gêneros da música brasileira. Ele é um grande solista e sabe tocar bossas, choros, baião. Você pode jogar uma música de jazz nele e ele fará um solo brilhante. Nunca parece que estou lutando por algo na música. A música flui através dele.”

Kleinmann e Peixoto não têm certeza de quando se conheceram, mas ambos acreditam que foi no California Brazil Camp em Cazadero, um intensivo de verão de longa duração que traz alguns dos melhores músicos do Brasil para as sequoias de Sonoma para duas semanas de ensino e criação musical. . com dedicados amadores e músicos profissionais. O fundador do Brazil Camp, Dennis Broughton, credita a Conceição Damasceno, da BrasArte, o incentivo para lançar o programa, e Kleinmann detestava deixar as comunidades entrelaçadas para trás quando se mudou para o leste. Uma vantagem das baixas expectativas é que há muito espaço para uma surpresa agradável.

“Achei que nada ia acontecer em Durham”, disse ele. “Eu não tinha ideia de que havia uma cena tão legal. Estou entrando na cena do jazz e da música cubana e estou me preparando para expandir. E encontrei uma comunidade brasileira! O primeiro show no Brasil que eu fui e foi um palco e tanto, uma festa de samba-reggae dirigida por esse músico salvadorenho, Caique Vidal. Ele acabou de me contratar para uma gravação em casa, adicionando flauta para seu próximo álbum.”

Ele viaja regularmente ao Brasil para estudar, se apresentar e conviver com outros músicos desde meados da década. Seu álbum de estréia auto-produzido de 2005. rio de sol (Ray of Sun) imediatamente a estabeleceu como uma nova voz promissora e criativamente ambiciosa, com várias peças co-escritas com o lendário multi-instrumentista e compositor Hermeto Pascoal. O professor de percussão Airto Moreira e o pianista Jovino Santos Neto (veterano de uma das grandes bandas de Pascoal) também contribuíram para o projeto. O que não quer dizer que Kleinmann se concentre apenas na música do Brasil.

Ele também trabalhou extensivamente nos palcos de jazz e flamenco, e suas paixões musicais díspares o serviram bem na Bay Area, onde ele se apresentou em muitos festivais e locais importantes. a

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.