Reduz o salário dos funcionários públicos do salário mínimo bancário para 55 milhões, revela estudo

A redução de 30% nos salários dos funcionários federais, estaduais e municipais seria suficiente para apoiar um programa de renda mínima para 55 milhões de brasileiros. Esta é a conclusão de um estudo realizado pelo economista Matheus García, associado do Movimento Livres, que inclui membros de economistas com viés liberal, como a ex-diretora do BNDES Elena Landau e ex-presidente do Banco Central de Arida na Pérsia.

A idéia é sugerir um programa que apóie a população que ficará sem renda com a nova pandemia de coronavírus, mas que tenha o menor impacto fiscal possível. “Nossa idéia é demonstrar que você pode fazer um programa de renda básica, mas alguém tem que pagar. Vimos de uma situação fiscal difícil, a idéia é mostrar alternativas para que o país não saia dessa frágil crise ”, afirmou.

A proposta já chamou a atenção dos parlamentares e deve ser apresentada como um projeto no Congresso Nacional até a próxima semana. Já existem projetos no Congresso que prevêem a redução dos salários dos funcionários para enfrentar a crise do novo coronavírus e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, defendeu a contribuição de todos os poderes.

O plano de Garcia foi chamado “CoronaMarshall”, em referência ao plano americano de reconstrução de países afetados pela Segunda Guerra Mundial. A intenção é atender 55 milhões de brasileiros adultos que não têm emprego formal, não recebem pensão ou são beneficiários de programas de assistência social, como o Bolsa Família.

O custo estimado para atingir esse público é de R $ 11 bilhões por mês, com o pagamento de R $ 200. Um programa de auxílio de R $ 300 custaria R $ 17 bilhões por mês. Na semana passada, o governo propôs um programa informal de ajuda de R $ 200, mas, segundo fontes, o valor pode aumentar para R $ 300 por mês.

Usando dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE, a estimativa é de que um imposto de 30% sobre os salários dos funcionários que ganham acima do salário mínimo aumentaria R $ 8,4 bilhões. “Mas os dados do Pnad estão subestimados. Acreditamos que a cobrança chegaria a cerca de R $ 11 bilhões por mês, o suficiente para cobrir os custos de ajuda de R $ 200 ”, afirma.

Para um programa mensal de R $ 300, sem impacto fiscal, seria necessário encontrar outras fontes de recursos. “É claro que R $ 200 está longe do ideal, mas é o que alcançamos no início. É uma proposta que pode ser aprimorada, mas não devemos esquecer a política social ou fiscal ”, acrescenta.

Alternativas como tributar funcionários aposentados dariam ao projeto “poder fiscal”, segundo o economista, mas são mais complicadas de implementar. “Neste momento, é difícil comunicar que os idosos, como um grupo em risco de coronavírus, precisam dar uma contribuição”, acrescenta.

A proposta é anular, além de funcionários que ganhem um salário mínimo, funcionários de saúde e segurança. Cerca de 15% dos funcionários públicos contribuiriam para um fundo que cobriria o programa de renda mínima. Haveria uma redução no horário de trabalho para esses servidores.

García ressalta que, embora a taxa seja a mesma, a contribuição dos mais ricos será maior e os salários 5% maiores representariam 25% da arrecadação total.

O plano apresentado pelo Movimento Livres pressupõe que o isolamento social será necessário por um período. “Quando começamos o estudo na semana passada, ficou claro que a discussão sobre a necessidade de isolamento social já havia sido superada. Vemos que o óbvio não é mais óbvio ”, diz ele, referindo-se ao discurso do presidente Jair Bolsonaro ontem, quando criticou o fechamento de escolas e o fechamento do comércio. “Sem dúvida, a quarentena é extremamente importante no momento. Seria muito irresponsável adotar outro cenário ”, acrescenta.

Status do conteúdo

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *