Repensando a arte cubana – Harvard Gazette

A exposição Cooper Gallery, a primeira desde a pandemia em 2020, apresenta 52 obras de artistas do século 19 até o presente. A equipe curatorial, que incluiu Bárbaro Martínez-Ruiz, titular da Cátedra Tanner-Opperman em homenagem a Roy Sieber na Universidade de Indiana, e Cary A. García Yero, bolsista de pós-doutorado da Fundação Alexander von Humboldt na Freie Universität e Leibniz Universität, foi inspirada por o trabalho do artista e curador afro-brasileiro Emanoel Araújo, curador da inovadora exposição “A Mão Afro-Brasileira” em 1988.

“À medida que lia mais e mais sobre a exposição, senti que isso é algo que deveria ser replicado em toda a América Latina”, disse de la Fuente. “No entanto, nada disso realmente aconteceu desde então, incluindo Cuba, que depois do Brasil seria o único país da América Latina mais próximo das culturas africanas.”

O curador da exposição, Alejandro de la Fuente, é diretor do Instituto de Pesquisa Afro-Latino-Americana.

Stephanie Mitchell/fotógrafo da equipe de Harvard

A América Latina não aceitou a influência dos afrodescendentes na vida e na cultura da região, disse ele, mas observou que está começando a reconhecer importantes contribuições em campos que vão da arte à música e à religião.

“É um movimento continental. Estamos no centro disso porque Harvard criou o Instituto de Pesquisa Afro-Latino-Americana em 2013 e isso desempenhou um papel muito importante para reunir esses grupos e avançar no campo”, disse ele, observando que a Universidade desenvolveu colaborações com grupos de pesquisa na Argentina, Chile, Uruguai, Brasil, Colômbia e México. “Esta exposição é parte desses esforços.”

“El Pasado Mio / My Own Past” destaca a obra de Vicente Escobar y Flores, o primeiro artista afrodescendente conhecido em Cuba (1762-1834). Escobar y Flores foi registrado como afro-cubano de nascimento, mas listado como branco depois de obter uma isenção real que lhe permitia exercer ocupações e desfrutar de privilégios exclusivos dos brancos na Espanha.

“Este não é o primeiro artista cubano de ascendência africana de forma alguma”, disse de la Fuente. “O fato de ser o primeiro que conhecemos fala de nossa ignorância e de como as sociedades coloniais fabricavam silêncios [and] exclusões que alimentam nossa ignorância”.

Alberto Peña e Teodoro Ramos Blanco foram dois artistas que trabalharam durante a década de 1930 criando obras racialmente conscientes que falavam de negritude, disse ele. Em 1936, Peña e Ramos Blanco expuseram seus trabalhos em Havana na prestigiosa sociedade afro-cubana Club Atenas. Duas dessas obras aparecem em “El Pasado Mío / My Own Past”.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.