Retorno de torcedores aos estádios gera desentendimento no Brasil

Por: Escrevendo com informações da Sports Machine. 22 de setembro de 2020

ELE retorno do público em estádios brasileiros Começa a ser debatido depois que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, afirma que a partir de outubro os clubes poderão reabrir seus estádios, recebendo até 1/3 da lotação total do público.

O anúncio, que não foi aprovado por CBF ainda assim, deve desencadear uma nova discussão sobre quais seriam os protocolos de retorno dos fãs e se transformar em um debate acalorado.

A melhor coisa sobre marketing esportivo é aqui.

Leia também: Bundesliga liberta torcedores em estádios.

“Temos duas semanas para a federação, as administradoras do estádio e a Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro se ajustarem. E é isso. Mais de 60 anos, fiquem em casa. E menores de 12 também”, Crivella tentou simplificar durante rodada de imprensa na sexta-feira (18).

A única certeza que o político dá é que a venda de ingressos deve ser feita pela internet. A proposta anunciada pelo prefeito já saiu da primeira rejeição. O presidente da Corinthians, Andrés Sánchez, ameaçou tirar o time do campeonato se o Rio de Janeiro voltasse a ter torcida no estádio.

“O Corinthians só aceita a volta do público aos estádios se todos os times da Uma série eles têm a mesma oportunidade, independentemente do estado ou cidade. Se não forem as mesmas condições para todos, não entraremos em campo ”, disse Sánchez em seu perfil no Twitter na noite de sexta-feira.

A ameaça do presidente preto e branco deve gerar uma nova onda de lobby com autoridades públicas e um amplo debate entre as autoridades esportivas.

Com a pandemia de Coronavírus recuando em grande parte dos estados, mesmo após a reabertura de boa parte das atividades comerciais, o futebol Um movimento começou a pedir o retorno do público, logicamente menor, aos estádios.

O problema é que, no mesmo dia em que anunciou que vai liberar a torcida em outubro no Rio de Janeiro, Crivella teve que responder por que as taxas de internação de algumas pessoas voltaram a subir no Rio de Janeiro.

O político também tentou usar o futebol como “desculpa” para evitar multidões nas praias cariocas, algo que teoricamente é proibido, mas que a cidade não tem conseguido controlar.

“Vamos apelar para CBF no sentido de que pode nos ajudar a fazer do Maracaná uma alternativa à praia, que hoje talvez seja o maior problema do Rio de Janeiro, com grande multidão de pessoas sem máscara. Se a partida puder ser às 11, será ótimo para nós ”, disse Crivella, referindo-se a Flamengo x Atlético Paranaense, marcada para o dia 4 de outubro às 16h, no Maracanã.

A CBF, até o momento, encaminhou ao Ministério da Saúde um protocolo de retorno dos torcedores às partidas do Brasileirão, que afirmou ter recebido o documento e está avaliando para medir a possibilidade de retorno do torcedor.

Foto: reprodução.

Marcações: Rio de Janeiro | Evento esportivo | cbf | Brasileiro | Coronavirus | Covid-19 | Futebol brasileiro | Campeonato Brasileiro de Futebol | multidão retorna aos estádios | protocolos de segurança contra Covid-19

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado Castilho

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *