Revisão da 59ª Bienal de Veneza: Pavilhões Nacionais Parte 1

Após um hiato de três anos, a Bienal de Veneza está de volta! Por mais emocionante que seja estar aqui durante a semana de abertura da famosa exposição internacional de arte, no entanto, também exige uma corrida frenética para ver o máximo de coisas possível em um curto período de tempo. Ser encarregado de verificar os pavilhões nacionais antes da abertura, quando alguns ainda não estão totalmente instalados, torna a experiência de visualização ainda mais rápida e tumultuada. E tudo bem. A Bienal de Veneza tem tudo a ver com a descoberta, o puro prazer da arte e, para este crítico, um diálogo significativo (idealmente com um gotejamento ocasional).

Sempre pensei nos pavilhões nacionais como auxiliares da exposição principal e, como muitas outras, vejo o seu uso continuado como extremamente antiquado e teimosamente nacionalista. Mas, como Jennifer Higgie disse tão eloquentemente em seu recente ensaio sobre o assunto para friso: ‘Os pavilhões nacionais são apenas tijolos e argamassa […] Na melhor das hipóteses, eles complicam a ideia do que significa vir de algum lugar. Essa ideia se torna realidade na exposição de Jonathas de Andrade, ‘Com o coração saindo pela boca’, no Pavilhão do Brasil. Com curadoria de Jacopo Crivelli Visconti, a mostra apresenta uma instalação lúdica que de várias maneiras, ainda que sub-repticiamente, critica o presidente de direita do país, Jair Bolsonaro.

Stan Douglas, ‘2011 ≠ 1848’, 2022, vista da instalação. Cortesia: o artista, a Galeria Nacional do Canadá, Victoria Miro e David Zwirner; fotografia: Jack Hems

De Andrade pega linguagens cotidianas e traduz essas metáforas muitas vezes opacas em índices visuais, esculturas e fotografias, apresentando uma alegoria da atual situação política do Brasil. Por exemplo, em uma referência um tanto velada às cabines de votação do país, a expressão idiomática dedo pode (o dedo podre), ou seja, alguém que toma decisões erradas, é descrito como um grande dígito purulento pressionando um botão verde no que vagamente parece ser uma urna eletrônica. Esse estratagema cuidadoso, para evitar o escrutínio do governo brasileiro, é uma infeliz consequência do conceito de pavilhão nacional, que De Andrade e Visconti abordam com grande sutileza. Tal cautela é deixada de lado na contribuição do artista para ‘Penumbra’, exposição coletiva na Fondazione In Between Art Film, localizada no Complesso dell’Ospedaletto. Olho da Rua (Out Loud, 2022) é um trabalho em vídeo que mostra um grupo de moradores de rua do Recife. Apresentando uma série de atos performativos, um dos quais adverte explicitamente Bolsonaro, esses belos desajustados olham diretamente para a câmera, implorando por sua própria humanidade.

Simone Leigh e Madeleine Hunt-Ehrlich, Conspiração, 2022. Vídeo (preto e branco, som; 12h00), dimensões variáveis.  Cortesia dos artistas e da Galeria Matthew Marks.  © Simon Leigh
Simone Leigh e Madeleine Hunt-Ehrlich, Conspiração, 2022, filme fixo, dimensões variáveis. Cortesia: os artistas e a Galeria Matthew Marks

No Pavilhão do Canadá, Stan Douglas apresenta ‘2011 ≠ 1848’, uma exposição que se baseia nesta noção de protesto performativo. Traçando uma linha entre a agitação social e política global de 2011 (por exemplo, a Primavera Árabe, Occupy Wall Street, etc.) movimentos sociais são muitas vezes baseados em notícias divulgadas pela mídia. A série fotográfica do artista ‘2011 ≠ 1848’ (2022) consiste em quatro grandes placas geradas por computador de recriações de alta fidelidade de quatro eventos específicos: a reunião de pessoas rezando na avenida Habib Bourguiba, na Tunísia, em 12 de janeiro de 2011; o motim Vancouver Canucks Stanley Cup em 15 de junho de 2011; uma briga entre um grupo de jovens e a polícia em Hackney durante os distúrbios de Londres em 9 de agosto de 2011; e manifestantes do Occupy Wall Street na ponte do Brooklyn em 1º de outubro de 2011. As imagens parecem quase reais demais para serem verdade, como se seu acabamento elegante e de alta resolução desmentisse sua natureza espúria. Embora essas obras sejam impressionantes por si só, a principal atração está fora do local, no Magazzini del Sale, uma extensão do Pavilhão Canadense deste ano. lá você vai ver ISDN (2022), um vídeo de dois canais com um diálogo de rap fictício ou chamada e resposta entre dois grupos de rappers de Grime e Mahraganat. Aqui, a troca de ritmos e ideias musicais imagina uma história de gênese que descreve como esses gêneros musicais se tornaram a trilha sonora da revolta em Londres e Cairo, respectivamente.

Jonathas de Andrade, Olho da Rua (Out Loud), 2022. Vídeo monocanal, cor, som estéreo, 26'.  Cortesia do artista, Galleria Continua, Galeria Nara Roesler e Fondazione In Between Art Film
Jonathas de Andrade, Olho da Rua (Out Loud), 2022, vídeo de canal único, cor, som estéreo, 26 polegadas. Cortesia: o artista, Galleria Continua, Galeria Nara Roesler e Fondazione In Between Art Film

Examinando a cultura argelina através das lentes do cinema, a instalação imersiva de Zineb Sedira ‘Dreams Have No Titles’ no Pavilhão Francês é certamente a favorita do público. No entanto, talvez por algum sentimento inconsciente de orgulho nacional, ‘Sovereignty’ de Simone Leigh no Pavilhão dos Estados Unidos me pareceu a maior Parceria dos pavilhões. Embora haja pouca apresentação ao vivo na Bienal deste ano, o novo corpo de trabalho de Leigh, como o de Andrade e Douglas, trata tanto de atuar quanto de criar ficção, ou o que o estudioso afro-americano Saidiya Hartman definiu em Vênus em dois atos (2008) como ‘fabulação crítica’, uma forma de resistência e busca da verdade. A exposição começa com Fachada (2022), uma transformação completa do pavilhão neoclássico de 1930 por William Adams Delano e Chester Holmes Aldrich, com a adição de um telhado de palha e colunas de madeira, marcas da arquitetura vernacular da África Ocidental. Inspirado em parte pela Exposição Colonial de Paris de 1931, que viu a controversa recriação do templo Khmer de Angkor Wat, o trabalho interrompe nossa compreensão da arquitetura modernista, criando uma história mais híbrida e fluida do edifício do local.

Vistas da instalação por Stan Douglas: 2011 ≠ 1848 na Magazzini del Sale N o.  5 na 59ª Exposição Internacional de Arte – La Biennale di Venezia, 23 de abril a 27 de novembro de 2022 Foto: Jack Hems Cortesia do artista, Galeria Nacional do Canadá, Victoria Miro e David Zwirner
Stan Douglas, ISDN, 2022, vista de instalação. Cortesia: o artista, a Galeria Nacional do Canadá, Victoria Miro e David Zwirner; fotografia: Jack Hems

Ao entrar no pavilhão, você é recebido por uma seleção de grandes esculturas de grés esmaltado e esculturas de bronze, incluindo Jarro (2022), um enorme vaso branco formado por grandes conchas de búzios esculpidas; S Sentinela (2022), um objeto de poder alongado sentado no centro do pavilhão com sua cabeça em forma de parábola atingindo o teto. A exposição também apresenta um filme em preto e branco de 20 minutos intitulado Conspiração (2022). Feito em colaboração com a cineasta Madeleine Hunt-Ehrlich, Conspiração é um filme lírico que mostra Leigh e seus assistentes de estúdio trabalhando no estúdio: uma dança coreografada de trabalho de palco. Este trabalho é bastante estranho e bonito, mas termina com uma nota sombria e meditativa. Leigh e seus assistentes levam uma de suas esculturas para a praia e a incendeiam. Leigh e a artista Lorraine O’Grady olham pensativamente para a peça enquanto ela lentamente envolve as chamas, até que tudo o que resta é sua concha: um ritual solene, ou talvez uma limpeza.

Para cobertura adicional da 59ª Bienal de Veneza, veja aqui.

Imagem em destaque: Simone Leigh, Fachada, 2022, palha, aço e madeira, dimensões variáveis. Cortesia: o artista e a Galeria Matthew Marks; fotografia: Timothy Schenck

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.