Robert Fisk, famoso correspondente de guerra, morre em 74 – 01/11/2020 – Mundial

Um dos correspondentes estrangeiros mais conhecidos hoje, o jornalista britânico Robert Fisk morreu no domingo (1º), aos 74 anos, segundo o jornal britânico Independent, onde trabalhava.

O jornalista adoeceu na sexta-feira (30) e deu entrada em um hospital de Dublin, na Irlanda, com suspeita de acidente vascular cerebral.

Fisk fez cobertura histórica no Guerras libanesas, Irã-Iraque e Síria, a invasão soviética do Afeganistão e a revolução islâmica no Irã. Ele também foi um dos poucos jornalistas ocidentais a entrevistar o terrorista Osama bin Laden, o líder da Al Qaeda.

O jornalista mudou-se para Beirute, no Líbano, em 1976, onde iniciou sua carreira como correspondente no Oriente Médio cobrindo a guerra civil. Ele viveu no país por décadas e escreveu livros famosos como “A nação pobre: ​​as guerras do Líbano no século 20” e “A grande guerra pela civilização: a conquista do Oriente Médio”.

Os críticos questionaram a justeza dos relatórios de Fisk, que se opôs abertamente aos Estados Unidos e Israel. Ele também foi um crítico corrosivo do envolvimento americano no Oriente Médio.

Ele viveu em Bagdá por um período para cobrir a Guerra do Golfo e constantemente criticou outros correspondentes estrangeiros, acusando-os de cobrir a guerra de dentro de seus quartos de hotel.

Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 que levaram os Estados Unidos e o Reino Unido a invadirem o Afeganistão, Fisk rumou para a fronteira do Afeganistão com o Paquistão, onde foi atacado por refugiados revoltados com as mortes em seu país causadas por forças ocidentais. .

Fisk publicou uma reportagem sobre o episódio, incluindo uma foto de seu rosto ferido.

Ele escreveu: “Percebi que os homens e meninos afegãos que me atacaram não deveriam ter feito isso, mas sua brutalidade era o resultado de outros, de nós – nós os armamos para lutar contra os russos e ignoramos seu sofrimento, rimos sua guerra civil e então nós os armamos e financiamos novamente para a ‘Guerra pela Civilização’ a ​​apenas alguns quilômetros de distância, e então bombardeamos suas casas, destruímos suas famílias e chamamos isso de ‘dano colateral’.

Fisk nasceu em Kent, Inglaterra, e estudou na Lancaster University. Ele começou sua carreira no jornal Sunday Express. A partir daí, passou a trabalhar para o jornal inglês The Times, como correspondente na Irlanda do Norte, Portugal e Oriente Médio. Ele está no The Independent desde 1989. O jornalista recebeu vários prêmios, incluindo a Amnistia Internacional e o British Press Award.

“Corajoso, rigoroso e determinado a descobrir a verdade e a realidade a qualquer custo, Robert Fisk foi o melhor jornalista de sua geração. O incêndio que começou no Independent continuará a arder ”, disse Christian Broughton, editor-chefe do jornal.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *