Roblox: ‘Pensei inocente, mas meu filho foi assediado por pedófilos’ – 30/05/2019

Roblox: 'Pensei inocente, mas meu filho foi assediado por pedófilos' - 30/05/2019

Sarah, da Grã-Bretanha (não é seu nome verdadeiro), tomou precauções quando seu filho pré-adolescente começou a usar o Roblox, uma plataforma de jogos online voltada para jovens, onde os jogadores podem criar seus próprios jogos e se conectar com os 90 milhões de usuários restantes no mundo todo mundo

Sarah ativou os dispositivos de controle dos pais para proteger a privacidade de seu filho on-line e impedi-lo de enviar mensagens para outras pessoas.

Sarah diz que o filho passava o tempo jogando “jogos inocentes”. Até que ela começou a notar mudanças no comportamento do garoto: ele se aposentou e parou de participar de atividades familiares de que gostava antes.

Ao revisar a história de seu filho no Roblox, ele descobriu que estava se comunicando com outros usuários por meio de um aplicativo feito por terceiros e que havia sido enganado em enviar fotos sexualmente explícitas de si mesmo para outras pessoas.

“Vimos algumas fotos e foi horrível”, diz a mãe. “Eles estavam conversando (nas mensagens) sobre estupros. Sobre atividades sexuais pornográficas”.

Perguntada pela BBC, a Roblox disse que não pôde comentar episódios individuais, mas afirmou estar comprometida em proteger a segurança das crianças em sua plataforma. Mas ele também disse que, embora seu próprio bate-papo tenha filtros, “é importante saber que existem chats (feitos por terceiros), particularmente aqueles que parecem fazer parte do jogo que está jogando” o usuário.

Segundo o ex-policial britânico John Woodley, outros pais e filhos passaram por situações semelhantes às de Sarah e seu filho.

Ele visita as escolas do Reino Unido com seu colega John Staines alertando as crianças sobre o lado negativo e perigoso dos jogos on-line e diz que a maioria dos pais não sabe que, apesar das ferramentas de controle dos pais, seus filhos podem ser contatado on-line por pessoas raras.

Por meio de aplicativos de bate-papo de terceiros, essas pessoas “levam (crianças) a enviar fotos e dialogar”.

Por seu lado, a Roblox alega que os jogadores têm canais internos para denunciar comportamento inadequado e que os usuários acusados ​​de tais crimes podem ser suspensos ou sua conta excluída.

No entanto, as crianças muitas vezes não percebem que estão sendo maltratadas nessas situações, portanto não relatam essas irregularidades nas plataformas, diz Amanda Naylor, especialista em proteção infantil da ONG britânica Barnardo.

Por isso, ela acredita que plataformas como o Roblox devem aumentar suas barreiras de proteção, enquanto os pais devem aumentar sua atenção para a atividade on-line das crianças.

Por fim, diz Naylor, as crianças vítimas desse tipo de abuso devem receber apoio especializado, pois experiências como as do filho de Sarah podem afetar seus futuros relacionamentos pessoais.

Reportando-se à polícia

Sarah diz que denunciou o caso à polícia britânica, que solicitou acesso aos IPs dos computadores das pessoas que seduziram seu filho. Segundo Sarah, esse pedido foi negado pela empresa americana.

A BBC entrou em contato com a polícia no caso, que disse ter autoridade para investigar crimes que ocorreram apenas em solo britânico, e o problema é que as pessoas que entraram em contato com o filho de Sarah estão no exterior.

Embora o caso de Sarah seja extremo, a plataforma de jogos já levantou outras preocupações.

No ano passado, uma mãe americana descreveu no Facebook sua surpresa ao ver o avatar com o qual sua filha brincava como “vítima de estupro coletivo” por outros avatares de jogadores.

A Roblox disse que proibiu o jogador que dirigiu a ação.

Iain, um pai britânico, viu uma cena semelhante quando assumiu o controle do avatar usado por seu filho na plataforma.

Ele disse à BBC que um jogador pediu que ele deixasse seu personagem. Esse personagem se deparou com outro, que se moveu de maneira sexual e “desagradável”, segundo Iain.

Quando ele tentou parar a “piada”, o outro jogador ameaçou cometer suicídio.

Como Sarah, ela diz que denunciou as irregularidades ao Roblox, mas não recebeu resposta.

A empresa, entretanto, afirma ter moderadores que trabalham 24 horas por dia para remover conteúdo inapropriado.

Sarah diz que seu filho ainda está “muito errado” com o que aconteceu.

“Está quebrado, e nós também. É devastador”, diz ele. “Eu nunca consigo tirar essas imagens e palavras da minha cabeça.”

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci Shinoda

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *