Rússia endossa Índia e Brasil como membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU

Fonte da imagem: PTI
O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, dá uma entrevista coletiva à margem da 77ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, na sede da ONU, no sábado, 24 de setembro de 2022.

A Rússia expressou apoio à Índia e ao Brasil como “candidatos dignos” a membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, chamando-os de “jogadores internacionais-chave”. Durante a 77ª sessão da Assembleia Geral da ONU, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, expressou no sábado seu apoio à Índia, tornando-se membro permanente do Conselho de Segurança.

Em seu discurso na Assembléia Geral apenas uma hora antes do discurso do ministro das Relações Exteriores S Jaishankar, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que a ONU e o Conselho de Segurança devem estar alinhados com as realidades contemporâneas. Ele disse que Moscou vê a perspectiva de tornar o Conselho de Segurança mais democrático, exclusivamente, ampliando a representação de países da África, Ásia e América Latina. “Vemos a Índia e o Brasil, em particular, como atores internacionais importantes e candidatos dignos a serem membros permanentes do Conselho, enquanto aumentam unilateral e compulsoriamente o perfil da África”, disse Lavrov.

A Índia tem estado na vanguarda dos esforços da ONU para promover uma reforma urgente há muito esperada do Conselho de Segurança, enfatizando que merece um lugar na mesa alta da ONU como membro permanente. Atualmente, o Conselho de Segurança das Nações Unidas é composto por cinco membros permanentes e 10 países membros não permanentes que são eleitos para um mandato de dois anos pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

Os cinco membros permanentes são Rússia, Reino Unido, China, França e Estados Unidos, e esses países podem vetar qualquer resolução substantiva.

Tem havido uma demanda crescente para aumentar o número de membros permanentes para refletir a realidade global contemporânea. Mais tarde, em uma coletiva de imprensa na sede da ONU no sábado, ele foi questionado por que mencionou apenas a Índia e o Brasil como membros permanentes e não a África do Sul.

“Disse que vemos a Índia e o Brasil como candidatos fortes por serem protagonistas internacionais, como fortes candidatos a membros permanentes do Conselho de Segurança com a condição de que, ao mesmo tempo, da mesma forma, o perfil da África seja elevado. disse Lavrov. “Mencionei a Índia e o Brasil apenas por um motivo. Há algum tempo eles avançaram oficialmente suas candidaturas. Quanto à África do Sul, à República da África do Sul, este passo não foi apresentado”, disse, acrescentando que os membros da União Africana estão comprometidos com o Consenso Ezulwini.

Ele acrescentou que não é possível abordar a questão da expansão do Conselho de Segurança sem refletir os interesses dos africanos. “Mais uma vez, enfatizo que estamos falando exclusivamente sobre a ampliação do quadro de membros do Conselho de Segurança com representantes da Ásia, África e América Latina. “Porque se falássemos sobre a inclusão adicional de países ocidentais no Conselho de Segurança, bem, isso seria divertido por várias razões. Vou deixar de lado o fato de que todos eles são hostis à Federação Russa e à República Popular da China.”

Ele disse que se as avaliações políticas fossem deixadas de lado, que notícias qualquer outro país ocidental traria ao Conselho de Segurança? Ele disse que os países ocidentais não podem fornecer absolutamente nada ao Conselho e que “todos seguem as ordens dos Estados Unidos”. Ele disse que no próximo ano, com o Japão se juntando ao Conselho como membro não permanente, haverá sete países representando o grupo ocidental no Conselho de 15 nações. Ele disse que não há um pingo de diferença entre a política do Japão e a dos Estados Unidos.

Leia também | ‘A Rússia é o principal parceiro da Índia em muitos domínios’: Jaishankar após conversas com Lavrov

A Índia está atualmente no meio do segundo ano de seu mandato de dois anos como membro eleito não permanente do Conselho de Segurança da ONU. O mandato da Índia no Conselho terminará em dezembro, quando o país também presidirá como presidente do poderoso órgão da ONU para o mês.

Leia também | Índia trabalhará com membros do G20 para lidar com questões de dívida, alimentos e segurança energética: Dr. S Jaishankar

Últimas notícias do mundo

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.