Ruy Teixeira: Olhando Verde – TLmagazine

Com a intenção de ir para a Europa para um pequeno trabalho aos 20 anos, o fotógrafo brasileiro Ruy Teixeira acabou ficando 25 anos, primeiro trabalhando em moda e música em Milão, mas depois quase exclusivamente em design e arquitetura. Por mais de três décadas, Teixeira fotografou os maiores inovadores do mundo em arte e design, interiores suntuosos e espaços arquitetônicos, bem como a paisagem e o mundo natural, estabelecendo sua própria visão distinta. Recentemente, trabalhou em vários livros sobre o modernismo brasileiro, dando vida à obra e ao legado desse movimento rico e influente.

TLmag: Você descobriu a fotografia ainda jovem através do seu avô, que era um fotógrafo bastante conhecido em São Paulo. Você falaria um pouco sobre essa experiência? O que te atraiu neste meio? E quando você começou a pegar uma câmera e capturar suas próprias ideias e imagens?

Ruy Teixeira: Tenho lembranças de infância de estar no quarto escuro, com a luz vermelha, e olhar para o recipiente branco enquanto a imagem começava a se desenvolver. Acho que essa é minha primeira conexão emocional com a fotografia. Desde então, minha experiência de ser fotógrafa está relacionada a essas emoções e se tornou um fio condutor da minha vida.

Os instrumentos de fotografia, o laboratório, o equipamento e a máquina fotográfica, foram uma grande curiosidade durante a minha infância. Em 1979, quando eu tinha 21 anos, fui a Londres para um ano sabático e [coincidentally] ele dividia uma casa com dois jovens fotógrafos. Todos os sentimentos que eu tinha sobre a fotografia da minha infância voltaram. Comprei minha primeira câmera. Naquela época eu tinha certeza de que seria minha profissão, viajar e descobrir coisas novas.

TLmag: Quais eram alguns dos assuntos ou objetos que você gostava de fotografar quando era jovem, antes de começar como profissional? Você trabalhou em preto e branco ou sempre em cores?

RT: No começo, apenas preto e branco. Meu primeiro assunto foram as ruas de Londres. Foi uma forma de me encontrar e fazer parte da cidade. A sensação de ter a coleção das imagens da minha vida.

TLmag: Com que tipo de câmera você gosta de trabalhar hoje em dia? Você é todo digital ou ainda gosta de usar filme?

RT: Apenas para uso digital. Eu fotografo muito e não conseguia lidar com meus projetos e trabalhar de outra forma. Adoro relatar ideias e projetos de pessoas criativas. O digital me permite ter todos os meus arquivos com metadados e compartilhá-los rapidamente em todo o mundo. Claro, tenho um enorme arquivo de imagens analógicas, que estou revisando e digitalizando lentamente.

TLmag: O que o atraiu para o mundo do design e da arquitetura?

RT: Eu morava na Europa, mas sempre voltava ao Brasil para ver minha família. Durante uma dessas viagens [to Brazil], fotografei a casa do cantor Caetano Veloso, em Salvador da Bahia. Enviei esta história para uma revista de design italiana. Eles adoraram e publicaram. Senti que com a arquitetura eu poderia fazer histórias por conta própria e vendê-las. Ao mesmo tempo, essas imagens podem ser menos efêmeras do que moda. Foi muito importante para mim descobrir isso, uma forma de tornar minhas imagens atemporais, não saindo de moda em seis meses. Essa ideia me fez sentir que não era moda, mesmo quando estou fotografando moda. Eu tiro ideias e ideias nunca morrem.

TLmag: Além de projetos editoriais, você colaborou em muitos livros magníficos, principalmente sobre arte e cultura brasileira, como Arte Popular Brasileira, Brazilian Modern Masters ou Ruy Ohtake. O que você gosta no processo de fazer um livro?

RT: Quando voltei ao Brasil, fotografei uma coleção de móveis brasileiros modernos. Já tinha visto muitas peças na casa do meu avô; Como fotógrafo, ele também tinha um olho para o design. Tive a ideia de fazer o livro “Design da Utopia”, onde revisei muitas coleções brasileiras, reunindo arte com design moderno. Isso se tornou a chave para o meu trabalho de autor. Depois disso, fiz cerca de 15 livros em 10 anos e atualmente estou trabalhando em outros quatro. Eu amo livros porque é como escrever com imagens. Eu construo todas as fotos com o que encontro no local. Digo que construo altares, misturando design de arte, história e alma. Me encanta.

TLmag: Você já trabalhou com moda, música, design, retratos e perfis… o que você está interessado em fotografar hoje em dia?

RT: Interesso-me por fotografar tudo o que me rodeia (estou sempre com a minha câmara), a minha família, amigos, ideias, arte, arquitetura, design. Estou tentando ser o mais simples possível, me encontrar em cada imagem que faço.

TLmag: Quais são alguns projetos futuros para você?

TT: Estou a trabalhar numa segunda edição da “Utopia Design” (a primeira está esgotada), bem como num livro sobre a “Casa Zalszupin”, casa e museu de Jorge Zalszupin, que acolhe exposições de arte e design incríveis. , um livro para o Rosewood Hotel Brasil (um projeto de Philippe Starck e Jean Novel), e estarei trabalhando no próximo livro de Li Edelkoort.

ruyteixeira.net

@ruy_teixeira

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.