São Paulo: tempestade perfeita para o Covid-19

São Paulo: tempestade perfeita para o Covid-19

Em meio a rumores de que o governador está mentindo sobre a contagem de mortes, o estado de emergência do prefeito Bruno Covas parece tímido demais para evitar uma catástrofe

Por Brian Mier

Na terça-feira, 17 de março, com 240 casos confirmados e 4 óbitos registrados oficialmente na cidade, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, declarou estado de emergência. Proibiu shows públicos e fechou escolas públicas, shoppings e a maioria das lojas até o final da semana. Ele suspendeu o sistema de rotação da placa da cidade que limita o número de motoristas na rodovia durante a hora do rush, para que “todos” possam escolher a opção de transporte individual mais segura para limitar a transmissão de doenças. O sistema de transporte de massa, com seus 8 milhões de passageiros diários, continuará funcionando normalmente pelo resto da semana, com a condição de que os ônibus estejam completamente limpos após cada ida e volta. Nenhum plano de contingência foi anunciado para os aproximadamente 7.000 moradores de rua da cidade com mais de 60 anos de idade ou que tenham comprometido o sistema imunológico. Não foram anunciados planos sobre se as crianças em idade escolar poderão continuar recebendo refeições enquanto as escolas estiverem fechadas. Nenhum plano foi anunciado sobre como os pequenos empresários e funcionários demitidos devido ao bloqueio poderão continuar pagando suas contas.

Quando os subúrbios da região do ABC, com 3 milhões de pessoas, começaram a desligar seus sistemas de ônibus e tomar medidas mais intensas para limitar a transmissão de vírus, os viajantes de São Paulo inundaram as mídias sociais com fotos de ônibus e trens superlotados. Candra Nogueira, uma mãe solteira que passa 4 horas por dia indo e voltando do trabalho como empregada de farmácia, postou uma foto de um ônibus lotado e sem ventilação durante o trajeto matinal: “Para bairros ricos fecharem, a periferia tem do que trabalhar duas vezes mais. A quarentena é um privilégio de classe que obviamente não se aplica aos trabalhadores “, escreveu ele.

Foto: Candra Nogueira

Na quarta-feira, fui a um pneumologista para descobrir se minha recente recuperação da bronquite me coloca em risco especial para o coronavírus, pois ainda tenho ataques de tosse. Enquanto esperava na área de recepção, ouvi a secretária falar por telefone sobre como as unidades de UTI da cidade estão cheias de pacientes com coronavírus, mas o governador ordena que não divulguem essas informações ao público. “9 pacientes morreram ontem à noite sozinhos em uma enfermaria da UTI”, diz ela.

O médico me ligou, fez alguns exames e me disse que eu estava me recuperando bem, apesar da tosse. “No entanto”, disse ele, “vou pedir que ele se isole por 14 dias. Não por motivos de saúde, mas porque se você tiver um ataque de tosse em público, poderá ser atacado por uma multidão enfurecida”. No começo, pensei que estava brincando e postei algo sobre isso na minha página do Facebook. Em questão de minutos, três amigos diferentes me disseram que haviam visto pessoas fisicamente atacadas em público em São Paulo por tossir nos últimos dias.

No dia seguinte, quebrei o auto-isolamento para ir à farmácia local. As ruas do meu bairro estavam mais ocupadas do que nunca: o supermercado local estava lotado. Quando entrei na farmácia, tentando manter uma distância de 1 metro dos outros, um homem reclamou que não conseguia encontrar desinfetante para as mãos em nenhum lugar.

“Não temos idéia de quando chegará o próximo lote”, afirmou o farmacêutico.

“Por que você não lava as mãos?” Eu perguntei.

“Eu trabalho fora o dia todo”, disse ele, nervoso. “Sou motorista do Uber. Lavar as mãos não é uma opção. Algumas pessoas não podem ficar em casa o dia inteiro “.

Uma amiga, que é enfermeira, compartilhou uma mensagem de áudio de seu grupo de funcionários do hospital do WhatsApp. Era de um homem que afirmava ser gerente de um hospital e disse que o hospital Albert Einstein, considerado um dos melhores da América Latina, ficou sem espaço para tratar pacientes com coronavírus. Supostamente, um grupo de diretores de hospitais particulares chegou a um acordo com o governador conservador João Doria para reter informações da mídia para minimizar o pânico, mas eles ameaçam se tornar públicos se um fechamento não for implementado em 23 de março. No dia seguinte, Doria anunciou o fechamento de todos os shopping centers e uma desaceleração no sistema de trens.

Apesar dos cortes orçamentários incapacitantes iniciados após o golpe de 2016, o Brasil ainda possui um dos melhores sistemas de saúde pública do mundo em desenvolvimento. Na última vez em que o país sofreu uma pandemia global, a AIDS, implementou um programa de prevenção e tratamento internacionalmente elogiado que foi significativamente mais eficaz na redução da transmissão do que muitos países europeus e Estados Unidos. Enquanto o governo Bolsonaro está tentando estripar o programa por razões ideológicas, o Brasil ainda fornece a todos os pacientes com HIV medicamentos anti-retrovirais gratuitos, além de fornecer medicamentos gratuitos para uma série de outras doenças com risco de vida. Com sua longa experiência no combate a pandemias de doenças tropicais regionais, como febre amarela, malária e doença de Chagas, e seu número comparativamente alto de unidades de UTI por pessoa, alguém poderia pensar que o país estaria preparado para estabelecer um plano eficaz para conter a propagação da doença. vírus e tratar os casos mais graves da doença.

Infelizmente, o estado de direito foi quebrado após o golpe de 2016 e agora somos governados por um presidente que, até 10 de março, ainda proclamava publicamente que o coronavírus era uma “fantasia da mídia” que não apresentava riscos para o povo. . A lacuna causada pela inação do governo federal foi preenchida pelos governos estaduais e municipais com variações de foco e qualidade.

São Paulo tem a maior população italiana do mundo fora da Itália e, diferentemente de cidades como Nova York ou Chicago, a maioria da população se originou no norte. Antes que os vôos internacionais fossem cancelados hoje, havia um fluxo constante de pessoas voando entre São Paulo e Milão para visitas de negócios e familiares. Nos últimos anos, também desenvolveu uma das maiores comunidades chinesas no hemisfério ocidental. Setores inteiros da economia local foram assumidos por empresas chinesas e grupos do crime organizado nos últimos anos.

Se você adicionar a inação do governo federal à resposta tímida e lenta nos níveis estadual e municipal e ao fluxo constante de viagens de e para os dois maiores vetores de transmissão do mundo, parece que uma tempestade perfeita para o coronavírus está se formando em São Paulo. Paulo.


Se você valoriza o trabalho que a Brasil Wire faz, ajude-nos a manter-se em funcionamento com uma doação. Nossa independência editorial depende do apoio de nossos leitores.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *