Science X achism: a luta contra o coronavírus revelou o amadorismo

Science X achism: a luta contra o coronavírus revelou o amadorismo

Gerd Altmann / Pixabay

Sócrates disse: “Só sei que não sei de nada”. Para o pai da filosofia ocidental, a sabedoria estava no reconhecimento de sua própria ignorância. Essa percepção teve dias melhores do que esses tempos estranhos de 2020. O mesmo se aplica a outras coisas que vieram da Grécia antiga, como as exportações de petróleo, a democracia e as Olimpíadas.

Hoje todo mundo sabe de tudo. E em internetEm particular, não faltam opiniões, crenças e teorias sem nenhuma base que, utilizando o amplo potencial da comunicação em rede, atinja todos em todos os momentos. Se se tornou comum falar sobre desinformação, notícias falsas, bolhas e etc., um tema que parece ganhar destaque nestes tempos de coronavírus é a trajetória da ascensão (e talvez a queda) do chamado “culto aos fãs”.

Em 2007, em seu controverso livro “O culto ao amador: como blogs, MySpace, YouTube e pirataria digital estão destruindo nossa economia, cultura e valores”, Andrew Keen argumentou que a Internet, dando voz a todos, tinha nível abaixo A qualidade da produção cultural do século XXI. A música foi particularmente o foco do autor. Segundo ele, estávamos trocando artistas talentosos encontrados pelo grande curador da gravadora por uma música mais ruim feita no quarto de um adolescente. Olá Arctic Monkeys e Billie Eilish!

O ataque de Andrew Keen não poupou a Wikipedia e sites de jornalismo cidadão. Para o autor, o amadorismo estava poluindo a sociedade e investindo valores. O conhecimento profundo, nas artes e nas ciências, estava sendo minado pela figura nobre e heróica do hobby. Assim, superficialidade, informalidade e espontaneidade ocuparam o centro do palco. O conhecimento técnico formal e aprofundado agora era opcional.

Não faltaram críticas ao livro de Keen, apontando como sua tese poderia ser elitista e ele não reconheceu o potencial democrático da explosão do acesso ao conhecimento gerado pela Internet.

Acontece que Keen mirou no que viu e atingiu o que não viu. Ao criticar a direção da indústria cultural, o “Culto ao Amador” de hoje também parece descrever o que a política se tornou no final dos anos 10. Dado o medo da antiga política corrupta, o mantra “Eu não sou político” acabou escolhendo muitas pessoas, pedindo carona, um estilo mais informal, ao contrário das antigas convenções, também foi consagrado. Não é à toa que muitas pessoas viram os políticos se tornarem youtubers (e os youtubers se tornam políticos) em uma simbiose perfeita entre espetáculo, entretenimento e políticas públicas.

Mas o que acontece quando as autoridades se comportam como fãs ou confiam no conteúdo amador para tomar decisões que afetam um país inteiro? Como o próprio Andrew Keen pergunta em um podcast que o autor divulgou recentemente sobre política: a democracia está morrendo ou está simplesmente mudando seu aspecto analógico para uma versão mais nova e mais apropriada para a era digital?

Ao procurarmos respostas sobre como será o futuro da política em tempos de rede social, a luta contra o coronavírus parece ter esclarecido o assunto do amadorismo. Quando a saúde do indivíduo e de toda a comunidade está em risco, de repente o conhecimento técnico parece essencial para imaginar os cenários futuros e tomar a melhor decisão. O debate no Brasil sobre isolamento horizontal e vertical é um bom exemplo. Você já ouviu esses termos antes de 2020? Se sua resposta foi negativa, isso é um sinal de que você pode não ser um especialista e que sua posição sobre o assunto, como a minha, se enquadra na categoria de “opinião” em vez de ciência.

O debate esquentou no país depois de um pronunciamento [veja o vídeo abaixo] do Presidente da República na luta contra o coronavírus. Bolsonaro defendeu o fim do amplo regime de isolamento social (horizontal), conforme determinado em vários estados, e a necessidade de a economia do país não parar. Presidente, ao contrário do que até então recomendado O Ministério da Saúde minimizou os efeitos do vírus e declarou que o Brasil precisava voltar ao normal, com a população fora do grupo de risco retomando sua rotina de trabalho.

A reação veio rapidamente. Muitos defenderam o ponto de vista do presidente, observando que a onda de recessão que viria após o desligamento seria mais prejudicial do que lidar com a crise do coronavírus. Por outro lado, foi notável o fato de muitas das críticas ao discurso do presidente terem sido fundamentais para que seu discurso ignorasse as recomendações dos especialistas em saúde pública.

O Presidente do Senado, em carta lançado logo após o anúncio, disse que era hora de “ouvir técnicos e profissionais da área”. O prefeito condenado Discurso do presidente para atacar “especialistas em saúde pública”.

Em nota publicada no dia seguinte ao discurso, a Sociedade Brasileira de Infectologia lamentou o ponto de vista do Presidente e afirmou que “do ponto de vista científico-epidemiológico, a distância social é essencial para conter a propagação do novo coronavírus quando atingir o estágio “. transmissão comunitária “. Segundo a mesma afirmação, a opção de” ficar em casa é a resposta mais apropriada para a maioria das cidades brasileiras atualmente, principalmente as mais populosas “.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde lembrou que todas as recomendações do Ministério da Saúde “foram baseadas em evidências científicas, na realidade nacional e internacional e buscaram inspiração nas melhores práticas e exemplos de comportamento de sucesso em todo o mundo”. Um nota Ele termina apontando que o discurso do presidente “dificulta a todos, inclusive seu ministro e técnicos, a trabalhar”.

Poderia a discussão sobre a melhor maneira de combater o coronavírus representar um ponto de virada na maneira como a política é realizada no mundo? A preservação da saúde e da vida falará mais alto e levará especialistas ao centro da mesa de debates sobre os próximos passos para enfrentar a crise?

Podemos e / ou devemos tornar o regime de isolamento determinado nos estados mais flexível? Não há dúvida de que a restrição das atividades comerciais terá um forte impacto na economia brasileira e mundial. Mas, em que medida estamos prontos para retomar algumas atividades quando o pico da epidemia ainda não chegou ao Brasil e o risco de colapso no sistema de saúde é real?

Para responder a essa pergunta, é necessário resolver uma equação que combine fatores relacionados à saúde, economia e direitos, e que ainda exija uma grande quantidade de estatísticas e análises de cenários internacionais recentes. Não resolveremos essa bagunça trocando os especialistas nas respectivas áreas por quaisquer opiniões expressas em um grupo de WhatsApp.

E aqui vale a pena levantar um ponto difícil. Você pode ter visto vários vídeos de pessoas falando sobre como o comércio, as aulas e a rotina de todos os brasileiros que não fazem parte do grupo de risco precisam retornar ao normal. Não há dúvida de que a vida das pessoas já está e será afetada pela interrupção das atividades.

A necessidade de ouvir os técnicos para tomar decisões não significa ignorar os relatórios individuais daqueles que entram nas redes para comunicar suas opiniões sobre como eles enfrentam a crise. São nossas vozes individuais que, juntas, podem gerar transformações políticas. Acontece que a solução para a emergência de saúde pela qual estamos passando é a política, mas a chave que abre essa porta é a ciência. Precisamos de mais pesquisas para entender como o vírus está se espalhando no Brasil e como as táticas de enfrentamento podem variar em diferentes regiões do país.

O combate ao coronavírus requer menos fãs e mais pesquisadores. Peça menos memes e mais médicos.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *