Se todos usarem carregadores sem fio, causaremos uma crise de energia – 19/09/2020

Já explicamos aqui em Inclinação como funcionam os carregadores sem fio para telefones celulares. Apesar de sua praticidade e inovação, esse tipo de dispositivo já teve sua eficiência sob controle. Agora, um estudo afirma que seu uso massivo seria capaz de gerar uma crise energética global.

A constatação vem de uma pesquisa realizada pela publicação OneZero e IFixit, empresa especializada em informações sobre reparos eletrônicos. O motivo desse risco está na ineficácia desse tipo de carregador: de acordo com o teste das duas empresas, um carregador sem fio usa 47% mais energia do que um com fio, para carregar a bateria de um smartphone de zero a 100% .

Prático, mas ineficiente

Na verdade, os carregadores sem fio são muito menos eficientes do que os modelos tradicionais, e o motivo é o uso de indução magnética, que apresenta menos transferência de energia por minuto.

“Como a carga é mais lenta, a carga total do celular vai demorar mais do que a carga padrão do cabo. Como consequência, há um aumento no custo da energia elétrica”, explica Michele Rodrigues, professora do Departamento de Engenharia Elétrica da FEI (Fundação Educativa Inaciana).

Os carregadores convencionais são mais fortes e capazes de transferir mais corrente para a bateria, especialmente nos modelos de carregamento rápido. A eficiência dos modelos sem fio pode variar dependendo da posição do dispositivo e do carregador, o que pode causar desalinhamento na bobina de carregamento.

Mas por que os pesquisadores disseram que isso é suficiente para causar uma crise de energia?

Um problema coletivo

É improvável que qualquer pessoa que mude de um carregador convencional para um sem fio veja qualquer mudança no final do mês. “A energia extra usada para carregar um celular usando a tecnologia sem fio, em comparação com o carregamento com um cabo, é equivalente a deixar uma lâmpada LED adicional acesa algumas horas por dia. Ou seja, pode nem estar registrado na conta de luz ”. , explica Valdir Melero Junior, professor de Engenharia Elétrica do Instituto Mauá de Tecnologia.

O problema ocorre quando pensamos em adoção em massa. O estudo realizado pela parceria entre OneZero e Ifixit chegou a uma estimativa preocupante: se os 3,5 bilhões de usuários de smartphones no mundo passassem a usar esse tipo de aparelho, a energia consumida seria equivalente à produção diária de 73 usinas a carvão. .

Isso é consideravelmente mais do que as 22 (segundo dados de março de 2019) usinas do tipo em operação no Brasil. E tenha em mente que o carregamento ocorrerá em situações ideais, por exemplo, com um carregador e um telefone celular perfeitamente alinhados. Caso contrário, a demanda pode ser ainda maior.

Embora a adoção massiva deste método de cobrança pareça distante, tanto devido aos custos quanto a iniciativas frustradas como o Apple AirPower – O impacto de algo assim somado à ineficiência deve garantir a sobrevivência da carga do cabo por muito mais tempo.

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *