Sem dinheiro e com dados limitados, o mapa de casos no Brasil é de pouca utilidade – 30/05/2020

Sem dinheiro e com dados limitados, o mapa de casos no Brasil é de pouca utilidade - 30/05/2020

O “Juntos contra Covid” ganhou alguma popularidade neste semana. Sua proposta de mapear o coronavírus no Brasil em detalhes a partir dos dados fornecidos pelos próprios usuários. Mas, com limitações como baixo orçamento e amostras pequenas, é difícil saber quanto esse material poderia servir para apoiar medidas práticas de combate à covid-19.

Além disso, também nesta semana, o grande número de acessos derrubou o site durante um período, levantando questões sobre a viabilidade de manter o endereço no ar.

Desde quinta-feira (28), a plataforma parou de coletar dados por meio de questionários. Agora o site traz a seguinte mensagem:

Por razões financeiras, fazemos uma pausa na coleta de dados da plataforma. Disponibilizaremos o mapa com as informações coletadas até 28/05/2020 00:11:53. Infelizmente, atingimos nosso limite em servidores doados. Para ajudar a retomar a coleta de dados, considere doar qualquer quantia através PicPay para o nosso projeto sem fins lucrativos

Ajuda para continuar

O site ficou inativo por duas horas na quarta-feira à tarde (27). Segundo Hajar, o “alto fluxo” de usuários após as repercussões na imprensa causou a queda do site pelos administradores.

“Nas últimas 24 horas, o site recebeu mais de 30 milhões de solicitações. De 30.000 pessoas, foram para 160.000 (que responderam ao questionário)”, diz ele. Uma solicitação ocorre quando o usuário se aproxima do mapa, procurando informações mais detalhadas, ou repete a operação em outro ponto durante o zoom.

A situação criou um segundo problema: a exaustão de recursos financeiros para fazer o site funcionar. Lançada em março, a plataforma recebeu US $ 3.000 em créditos do Amazon Web Service (AWS), que hospeda e oferece suporte a sites. Parte do recurso já havia sido gasto nos outros meses e, em 24 horas, os US $ 1.000 restantes foram assados.

Agora, os administradores da plataforma estão procurando fundos para continuar o projeto. Além do PicPay, as partes interessadas podem fazer doações através da plataforma de financiamento. Vakinha.

Como é que vai?

Até o problema ocorrer, o projeto atribuiu os níveis de risco à covid-19 (baixo, médio e alto) desde a conclusão de um questionário pelos próprios usuários da Internet.

  • No primeiro cenário, existem pessoas sem histórico de contato com o vírus;
  • No meio estão aqueles com sintomas de infecção respiratória, mas que não viajaram para onde há transmissão comunitária e não têm certeza se entraram em contato com pessoas com suspeita de coronavírus;
  • Por fim, pessoas que apresentam sintomas de infecção por coronavírus ou que testaram positivo.

Ao entrar no site, o usuário se depara com duas declarações: “me sinto bem” ou “não me sinto bem”. Em qualquer uma das opções selecionadas, o usuário começa a responder a um questionário com informações básicas:

  • Anos
  • Sexo
  • Correio eletrônico
  • Comorbidades
  • Se você recebeu o gripe
  • Se testado para covid-19
  • Os sintomas que você sente naquele momento.

Após sete dias, o usuário receberia um email para atualizar as informações. Pouco mais de 169 mil amostras foram coletadas.

A intenção do site seria analisar microdados, como essas informações detalhadas são chamadas, e estabelecer relacionamentos. Por exemplo: qual é a faixa etária com maior prevalência de coronavírus? Quais doenças são mais comuns em pacientes positivos para coronavírus?

“Você pode ver como cidades de tamanhos semelhantes foram afetadas pelo coronavírus”, disse Faissal Nemer Hajar, criador do projeto e estudante de medicina da UFPR (Universidade Federal do Paraná), em Curitiba, Inclinação logo após o problema com os servidores.

Mas, por enquanto, não há previsão de quando esses microdados estarão disponíveis.

Mostra às vezes

Para o estatístico e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), João Henrique Ferreira Flores, a plataforma é interessante como fonte de informação, mas não pode ser usada como banco de dados para, por exemplo, ajudar na tomada de decisões. de decisões. decisão de reabrir o comércio nas cidades.

Por ser uma “amostra ocasional”, ou seja, envolve a participação de pessoas, o professor alerta para casos de sub-registro e até para respostas que não correspondem à realidade.

Parece-me que as pessoas com a doença tentam mascarar a doença, ou apresentam sintomas leves ou não relatam que têm a doença.
João Henrique Ferreira Flores, professor da UFGRS

Flores não vê risco para privacidade para o usuário com a marca no mapa, pois o nome do participante não será usado e a localização é aproximada. Para o professor, o ponto positivo da pesquisa está justamente nos microdados, que ainda não foram revelados.

“Seria possível fazer uma análise por região ou pelos casos positivos ao redor. É possível fazer muita análise de dados”, diz ele.

O professor de economia da ESAMC em Sorocaba (SP), Roque Pinto de Camargo Neto, diz que a idéia é boa, que pode “dar um norte” à situação da doença no país, mas que os dados fornecidos não devem basear-se em políticas públicas de combate ao coronavírus.

“Os sintomas não garantem que os casos sejam positivos. Ainda mais que nesta época do ano, os casos de Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave) e outros resfriados aumentam, o que dificulta o conhecimento apenas dos sintomas. Se eles usassem este sistema controlar os examinados, então seria excelente “, diz ele.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *