Shoshana Zuboff: “O neoliberalismo destruiu tudo. Temos que começar do zero ”| Internacional

Shoshana Zuboff (Nova Inglaterra, Estados Unidos, 1951) realizou o sonho de todo ensaísta com seu livro A era do capitalismo de vigilância (a era do capitalismo de vigilância): reconhecer, dissecar e nomear uma tendência econômica que já existia há 20 anos. A filósofa e professora emérita da Harvard Business School diz que sempre foi “uma ativista em letras maiúsculas”, mas que a publicação deste livro a transformou em uma ativista em maiúsculas. O objetivo é muito importante. Zuboff também é um dos protagonistas de The Network Dilemma, documentário da Netflix Ele revela a variedade de efeitos prejudiciais das mídias sociais e está tendo um grande impacto. Zuboff dá a entrevista de sua casa no Maine (nordeste dos Estados Unidos). É cordial, muito americano: o chama pelo nome e de vez em quando ajuda a se fazer entender com palavras em espanhol.

Mais Informações

Questão. Nos Estados Unidos, agora, ele está mergulhado em uma campanha política extremamente polarizada. Nas eleições anteriores, houve ações disruptivas muito importantes que usaram o Facebook para influenciar o eleitorado. Esses eventos se repetem?

Responda. Sabemos que os russos ainda estão ativos e não foram abatidos. Por outro lado, aqueles que desenvolvem a campanha para Donald Trump especializar-se em microssegmentação comportamental [destinar informações personalizadas para um usuário específico], quão incrível e infelizmente ainda ótimo. Soubemos há uma semana que a equipe de Trump conseguiu persuadir os eleitores negros a não votar. E agora ele usa a mesma dinâmica para convencer os indecisos. Esta é a vida diária do capitalismo de vigilância.

P. Você se juntou a uma iniciativa, The Real Facebook Oversight. Qual é o teu objetivo?

R. É uma ação emergencial para chamar a atenção das pessoas para os problemas dessas corporações, para tomar decisões urgentes e decisivas que reduzem sua força e impossibilitam o uso do Facebook como arma para enviar mensagens violentas, civis e democraticamente perigosas. Temos grupos extremistas que foram inspirados e encorajados por um presidente, Trump. Eles falam a linguagem dos golpes, da negação da democracia, da negação de eleições justas. E o Facebook se tornou o megacast. Zuckerberg pode e deve agir para minimizar e, em alguns casos, eliminar essas ameaças. Você sabe que isso já aconteceu nos Estados Unidos, Mianmar, Filipinas e 30 outros países. Então, apontamos para ele e dizemos: “faça alguma coisa!”

P. Segundo relatório interno de um engenheiro do Facebook, tornado público, esta plataforma não funciona em países pequenos porque não tem interesse em fazê-lo.

R. O relatório do ex-funcionária do Facebook Sophie Zhang Foi muito importante. Mostre que o Facebook só se preocupa com seus interesses. Não sejamos românticos com as redes sociais. Entendemos sua lógica econômica e entenderemos como funcionam. E é aí que a gente tem que atuar, nos incentivos econômicos. O interesse do Facebook em monitorar conteúdo é zero. A única coisa que o pode fazer é que um Estado apresente queixas. Sem essa ameaça, eles simplesmente não farão nada.

P. Quão pesada pode ser a lei antitruste sendo avaliada nos Estados Unidos para conter o grande tecnologia? A investigação da Câmara dos Deputados sobre Amazon, Apple, Facebook e Google, divulgada esta semana, é altamente descritiva do poder que alcançaram.

R. Pode ser um primeiro passo. Quando começamos a tentar conter essas empresas, aplicamos leis herdadas do século XX. Mas essas leis não podem fazer tudo. Quando os usamos para conter o grande tecnologia não interrompemos necessariamente seus incentivos financeiros. No caso do Facebook, que também tem Instagram e WhatsApp, o que estaríamos causando seria um aumento da motivação competitiva entre as três filiais para continuar vendendo previsões de comportamento futuro. Devemos reformar as leis do século passado e ainda não fizemos esse trabalho.

P. E há algum lugar onde algum tipo de freio foi puxado?

R. Temos de reconhecer que a UE está na linha da frente. A Regulamento geral de proteção de dados criou oportunidades para mudar certas coisas. É uma base fundamental para trabalhar. Os líderes da Comissão Europeia estão muito bem informados sobre esta questão e estão firmemente empenhados em garantir que a economia de vigilância que domina as empresas de tecnologia não colida com as aspirações democráticas europeias. Estou muito esperançoso de que as primeiras linhas de mudança emergirão da UE. Porque do outro lado temos o caso chinês, um país autoritário, onde desde pelo menos 2010 o Partido Comunista vem desenhando seu futuro modelo digital de uma forma que reflita sua forma autoritária de governar. E eles têm feito isso com grande sucesso. Eles exportam tecnologia de vigilância para pelo menos 36 países. O mundo precisa desesperadamente que os países ocidentais assumam a responsabilidade agora, nesta década.

P. Mas chegaremos a tempo? Seus números macroeconômicos nos convidam a pensar que não.

R. O capitalismo de vigilância existe há apenas 20 anos. Até agora, ele fez o que queria sem um único freio legal. Até a Espanha aprovar a lei sobre o direito ao esquecimento, o primeiro obstáculo não havia sido colocado. Acabamos de começar. Do ponto de vista dos Estados Unidos, de onde vêm essas empresas, nada fizemos para contê-las. É muito importante que agora estejamos começando a pensar em como fazer isso. Não vejo razão para não termos sucesso, se estamos motivados para isso.

P. Ensaista bielorrusso e especialista em tecnologia Evgeny Morozov, que critica seu livro, diz que só podemos reduzir o tamanho de grande tecnologia quando tentamos limitar o poder de mundo financeiro e aceitar que os Estados Unidos devam desempenhar um papel modesto na ordem mundial.

R. Acho que lhe faz bem criticar e desprezar as últimas cinco décadas de domínio econômico na América. Tem sido um flagelo para nossas democracias e nossas economias, porque nos trouxe polarização e outros problemas. Eu gostaria de algo ainda mais ambicioso do que o que Morozov propõe, que é uma mudança de paradigma. Não sei se podemos dizer que chegamos ao ponto de inflexão, mas acho que estamos próximos: os círculos de investimento reconhecem que o fracasso do paradigma financeiro das últimas cinco décadas, que prejudicou as democracias, acabou provocando um aumento de monopólios e nem mesmo está sendo tão útil para eles quanto gostariam. Nossa ambição deve ser não apenas ter mais diversidade de paradigmas econômicos, mas buscar um novo consenso, já que o neoliberalismo destruiu tudo. Temos que começar do zero e reescrever as regras do jogo. Hayek [o expoente da escola austríaca] viu o seu desejo realizado desde a sepultura e é chegado o momento de avançar com uma decisão, não apenas com as nossas palavras, com as nossas instituições. Em vez de limitar o poder de Wall Street, o que acredito é que deve ser revisto.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *