Show do Virtual TD Sunfest da cantora brasileira dá início ao Mês da História Negra

Continuação do conteúdo do artigo

Ferreira “conquistou corações e almas” por todo o Brasil com sua canção Cota não é Esmola, uma canção “sobre a resistência anti-racista que agora ressoa em todos os espaços – de programas populares de televisão a manifestações de rua – e tem atraiu mais de três milhões de visualizações no YouTube ”, de acordo com materiais da imprensa.

A abertura de Ferreira é Rio Mira, uma Banda colombiano-equatoriana – que leva o nome do rio entre os dois países –com sua sonoridade única informada pela música dos quilombolas, os “escravos da África que, a partir do século XVI, fugiram de plantações e naufrágios para depois se estabelecerem no Pacífico”.

A música da banda é dominada por duas marimbas, um instrumento semelhante ao xilofone que tem suas raízes na África, combinado com tambores e shakers, juntamente com vocais impressionantes e harmonias de chamada e resposta. A música daquela região é tão “icónica e única” que a UNESCO lhe conferiu o estatuto de património cultural, disse Caxaj.

Rio Mira se apresentou no TD Sunfest em 2019 com um show de animação que encantou o público (online em bit.ly/3tnR1vl).

Visite o site sunfest.on.ca para ver os shows ou fazer uma doação.

A celebração oficial do Mês da História Negra de Londres, este ano um evento virtual gratuito, exceto para um festival de comida africana, começa no sábado.

Os destaques das celebrações virtuais incluem:

  • Sábado, 13h: Aaron Francis, criador e curador do Vintage Black Canada, compartilha imagens e histórias de famílias do sudoeste de Ontário; apresentações de 519 School of Hip Hop, Shanelle Twumasi e Helen Hibbert; uma seleção de grupos culturais e empresas proeminentes
  • Todas as segundas-feiras de fevereiro, às 18h30: Celebração infantil mostrando a história afro-americana por meio de histórias, folclore, música, dança e outras atividades.
  • 17 de fevereiro, 19h: Apresentação virtual e debate sobre a história dos negros canadenses sobre o tema Quem conta a história? Oradora principal Natasha Henry, presidente da Ontario Black History Society
  • 19 de fevereiro, 16h: Festival da comida africana; a comida pode ser pedida e retirada na Yaya’s Kitchen, 630 Dundas St.; $ 10 por pessoa, $ 20 por família (até quatro pessoas). Ligue para 519-319-3463 para fazer o pedido
  • 26 de fevereiro, 19h: Prêmio Lewis Coray Trailblazer Youth, em homenagem ao sargento da Polícia de Londres aposentado Lewis Coray, em reconhecimento a candidatos ao ensino médio das comunidades africana, caribenha e negra canadense
  • 27 de fevereiro, 14h: Cerimônia de encerramento celebrando a cultura de Londres e a comunidade negra da região, apresentando artistas e músicos locais; apresentação do Prêmio de Realização da Comunidade Negra anual a um homem e uma mulher, com base no serviço e na contribuição para a comunidade negra e a comunidade em geral.

Todos os eventos do Mês da História Negra são gratuitos, exceto o Festival de Comida Africana. Visite www.londonpubliclibrary.ca/black-history-month para obter mais informações ou para se inscrever em eventos.

[email protected]

Twitter.com/JoeBatLFPress

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *