Sobre a pressão do Brasil, Fernando Alonso, papel da Aston Martin : PlanetF1

Felipe Drugovich disse estar ciente da “pressão” de ser o próximo brasileiro na Fórmula 1, mas quer usar isso como “motivação”.

Dos muitos países que moldaram a história de 72 anos da Fórmula 1, poucos deixaram um impacto tão grande quanto o Brasil.

Em um país com mais de 200 milhões de pessoas, muitos de seus cidadãos passaram a dirigir no auge do automobilismo e alguns poucos alcançaram sua maior honra.

O país foi responsável por 101 vitórias em corridas de F1, número inferior apenas ao Reino Unido e Alemanha, e produziu três campeões mundiais em Nelson Piquet, Emerson Fittipaldi e talvez a figura mais lendária da história da F1: Ayrton Senna.

Tudo isso significa que quem dirige sob o azul, amarelo e verde da bandeira nacional tem um dos países mais expectantes do mundo de olho.

Ao todo são 31 pilotos brasileiros e agora o campeão mundial de Fórmula 2, Felipe Drugovich, espera se juntar a eles.

O jogador de 22 anos foi anunciado em setembro. como membro inaugural do Programa de Desenvolvimento de Pilotos da Aston Martin e servirá como piloto reserva da equipe em 2023.

Falando com exclusividade ao PlanetF1, Drugovich admitiu que sentiu a “pressão” de ser o próximo brasileiro no esporte, mas quer usar isso como um catalisador para sua potencial carreira na Fórmula 1.

“É a primeira vez que posso realmente experimentar meu GP em casa”, disse ele ao PlanetF1 na véspera do Grande Prêmio de São Paulo.

“Entrando e saindo do hotel pela manhã, as pessoas já pedem fotos.

“Se sente muito bem [to be Brazilian]. Obviamente, vem com um pouco de pressão, mas é uma boa pressão que servirá de motivação porque as pessoas se preocupam muito com quem representa seu país e agora sou eu”.

No entanto, a mais recente chegada ao paddock da Aston Martin não é sem ambição, admitindo que o seu objetivo final é vencer o Campeonato do Mundo e revelando que só assinou com a Aston quando a perspetiva de um lugar permanente deixou de ser uma opção.

“Tomamos a decisão em torno de Zandvoort”, disse ele. “Foram discussões bastante longas porque estávamos vendo o que era possível, o que estava na mesa.

“Só não queria perder oportunidades maiores porque obviamente maior é estar na grelha. Assim que vimos que estar na grelha era impossível, a melhor opção foi com a Aston”.

O brasileiro já vem colocando os pés por baixo da mesa, completando um teste de 300 km com o carro em Silverstone e também disputando o TL1 com o carro de Lance Stroll em Abu Dhabi.

“Foi inacreditável, uma experiência muito boa”, disse ele sobre a saída de Silverstone. “Um sonho realizado. Gostei muito, o tempo não estava bom mas conseguimos fazer 300km.

“O downforce é ridículo. Até a frenagem é muito diferente.

Felipe Drugovich já conversou com o “cara certo para aprender” Fernando Alonso

Drugovich não é o único rosto novo a usar o British Racing Green da Aston Martin na próxima temporada, como Fernando Alonso faz sua mudança da Alpine para substituir o aposentado Sebastian Vettel.

Dificilmente existe um professor melhor para Drugovich aprender do que o bicampeão mundial e o jovem de 22 anos disse que já falava espanhol.

“Ele dispensa apresentações e tem sido muito gentil comigo”, disse o brasileiro. Espero poder aprender muito com ele no próximo ano. Ele é o cara certo para aprender.”

A chegada de Drugovich, bem como a criação do programa de pilotos, faz parte do esforço da Aston Martin para se tornar não apenas um vencedor de corrida, mas também um candidato ao campeonato.

O brasileiro disse que ficou impressionado com o que viu e disse que a equipe compartilha seu objetivo de “fazer funcionar”.

“O principal objetivo para o próximo ano é obter o máximo de experiência possível. Acompanhando o time, aprendendo tudo que posso porque é um time novo pra mim.

“Obviamente, pilotar é a melhor coisa que você pode fazer para ganhar experiência, mas também seguir briefings, coisas assim.

“A ambição é bastante elevada para que este programa de condução funcione. Eu sou o primeiro a fazê-lo e eles estão realmente ansiosos para que funcione e eu sou o mesmo.

“Vou trabalhar muito para estar lá um dia. [on the F1 grid] e espero poder iniciar este programa da maneira certa.”

Como o Grande Prêmio do México de Fernando Alonso deixou uma impressão duradoura na Aston Martin

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *