SOJA, vencedores do Grammy de reggae, começaram a tocar nos porões de Arlington

Espaço reservado enquanto as ações do artigo são carregadas

Três estudantes da Yorktown High School em Arlington se apaixonaram pelo reggae nos anos 90. Clamando por colocar as mãos em todas as fitas de reggae da loja de discos, eles foram inspirados pelas mensagens e cativados pelos sons de Bob Marley.

Os três amigos, Jacob Hemphill, Bobby Lee e Ryan Berty, decidiram que formariam sua própria banda e nomearam é SOJA, para soldados do exército Jah, e era o tipo de coisa que você esperaria de adolescentes nos anos 90: praticar nas garagens e porões de seus pais, gravando-se em fita de áudio digital ou minidisco. Eles ouviram, criticaram seu próprio som e tocaram novamente.

Alguns dos outros alunos da escola apoiaram. Outros zombaram: um ex-colega de classe de Yorktown lembrou que as pessoas na escola conheciam a banda como os “Fakin’ Jamaicans”. Eram os garotos brancos tocando reggae.

Vinte e cinco anos depois, SOJA continua tocando, tendo ele adicionou companheiros de banda de Porto Rico e Venezuela e cresceu em um conjunto de oito peças. E eles estão longe de jogar nos porões de Arlington.

“Começar uma banda de reggae era meio que nosso sonho e a única coisa que queríamos fazer, e então um dia as pessoas começaram a vir aos shows e não temos certeza do que aconteceu”, disse o vocalista Hemphill em Las Vegas este mês. — desde que SOJA ganhou o Grammy de melhor álbum de reggae.

Seu álbum de 2021, “Beauty In the Silence”, deu à banda sua primeira vitória no maior palco da música.

Conheça a banda de reggae de garotos brancos mundialmente credível… de Arlington

Esse prêmio, no entanto, foi recebido com uma resposta mista. SOJA expirou venceu os artistas jamaicanos Sean Paul, Spice, Jesse Royal, Etana e Gramps Morgan na categoria, provocando um debate no mundo do reggae sobre a vitória e o estilo musical da banda. Mas, para quem conheceu o SOJA durante seus primeiros anos na área de DC, o Grammy parecia uma validação.

O trabalho começou cedo. Pouco depois de se formar na Yorktown High em 1998, a banda marcou um encontro no Lion and Fox Recording Studios, um estúdio da área de DC conhecido por gravar e mixar artistas de reggae.

O produtor e engenheiro Jim Fox disse que reconheceu algo imediatamente.

“Eu não podia deixá-los ir. Quero dizer, a música era tão incrível e legal. Eu os fiz ficar dois dias em vez de um dia só porque eu queria passar mais tempo nisso”, disse Fox em entrevista. “Foi algo especial. E essa gravação acabou sendo seu primeiro EP.”

No final dos anos 90 e início dos anos 2000, a região de Washington era um foco de reggae, disse a banda, oferecendo uma porta giratória de turnês de artistas jamaicanos e internacionais, bem como outros artistas caribenhos estacionados na área. Houve um bom show de reggae para ver em qualquer fim de semana.

O SOJA se tornou parte dessa cena, tocando em locais da U Street como State of the Union e Kaffa House. Foi naqueles dias que eles se conheceram Saray Israel, que há muito tempo conquistou o título “Baltimore Food Queen” pela presença constante ajudando a alimentar os músicos em shows e eventos.

Israel disse ao The Post que ainda se lembra da primeira vez que ouviu o SOJA tocar, em um lugar não muito longe do 9:30 Club, e pensei: “Uau, quem são esses caras?”

SOJA — Reggae da NoVa se torna global e retorna

Hoje, muitos dos locais onde SOJA e outros artistas de reggae já tocaram fecharam suas portas ou foram transformados como a DC. A cena musical da região, um paraíso histórico para o punk, mudou para além do reggae, precificado e digitalizado por uma revolução na tecnologia de gravação doméstica e pelo aumento vertiginoso do custo de vida.

“A cena de Arlington é muito difícil para muitos músicos por causa dos aluguéis aqui. É uma área muito cara”, disse Don. Zientara, produtor punk, músico e ex-proprietário do Inner Ear Studio, o lendário estúdio de gravação em Arlington que fechou definitivamente no ano passado.

Zientara gravou SOJA no Inner Ear alguns anos atrás.

“Eles são uma banda muito unida”, disse ele, “o que é único para muitas bandas se darem bem como irmãos”.

Eles também começaram viagens rodoviárias como uma família. Conseguir um primeiro caminhão mudou tudo, disse SOJA, permitindo que ele começasse a dirigir para cima e para baixo na Costa Leste dando shows. Às vezes os lugares estavam cheios. Às vezes, eles jogavam em uma sala quase vazia.

“Isso foi difícil, mas continuamos persistentes e nosso trabalho árduo valeu a pena”, disse SOJA ao The Post em um e-mail. “Depois de anos e anos continuando assim, acabaríamos pegando aviões e viajando por todo o mundo.”

Fox excursionou com ele, gravando e projetando sua música até que ele assinou contrato com a ATO Records em 2011.

“Em todo o mundo”, disse ele, “dizem que são da Virgínia.”

Eles disseram isso no Havaí e no Brasil, na Costa Rica e Red Rocks no Colorado, em Guam, no Santa Barbara Bowl, na Nova Caledônia, e em casa no Wolf Trap. À medida que progredia, a banda acumulou uma base de fãs internacional, particularmente na América do Sul, criando seu primeiro álbum pela ATO Records, “Strength to Survive”, para pico no número 1 na parada de álbuns de reggae da Billboard em 2012. Duas indicações iniciais ao Grammy se seguiram, em 2015 e 2017.

“Beleza no Silêncio” foi o trailer. O site da banda descreve o clima do álbum, que inclui colaborações com artistas como UB40 e Slightly Stoopid e alcançou o segundo lugar no Billboard’s Reggae Album, como uma “celebração com alma”.

“Nunca esperávamos ser indicados”, disse Hemphill. em uma entrevista nos bastidores após a vitória de SOJA no Grammy no início de abril.

“Ouvir nosso nome foi surreal e onírico”, disse a banda ao The Post. “Comemoramos com muitos abraços, lágrimas e mensagens de texto”.

A lista completa dos vencedores do Grammy 2022

Mas nem todos o seguiram. Afinal, o reggae se originou na Jamaica e tem laços profundos com a cultura da ilha e com o Rastafari, religião e movimento social ali radicado. Alguns fãs de reggae foram ao Twitter para criticar a Recording Academy por conceder o prêmio a um grupo liderado por homens brancos em detrimento de artistas jamaicanos.

Cegrica Hamilton, engenheira de som jamaicana que trabalha com a banda, foi uma dessas defendido a decisão. Muitos na Jamaica não estão familiarizados com o SOJA, ele disse ao The Post, mas ele admira seu trabalho por como ele evoluiu e foi inspirado por diferentes partes do mundo, diferentes gêneros: folk, havaiano e até Washington go-go.

Os membros do SOJA, por sua vez, disseram que sempre se sentiram profundamente apoiados por artistas jamaicanos de reggae, incluindo alguns dos candidatos ao Grammy deste ano.

“Enquanto a música reggae nasceu na Jamaica, e todos que conhecem o SOJA sabem o quanto nós o honramos e respeitamos, a música e a mensagem da Jamaica, com o honorável Robert Nesta Marley no comando, tornou-se TÃO grande e TÃO poderosa que se espalhou por toda parte. o mundo”, escreveu a banda ao The Post.

Concerto da Área DC e Calendário de Eventos

Quando SOJA venceu, Hamilton disse que estava muito feliz por um grupo que se tornou como uma família para ele.

“Eu não poderia estar lá para comemorar com eles”, disse ele, “mas ainda estou comemorando aqui na Jamaica”.

Fox também estava comemorando. Após a vitória, ele postou uma foto da banda do início dos anos 2000. no Facebook. “Senti isso quando gravamos a primeira demo. Olhe para eles agora. Vencedores do Grammy 2022. Você me deixa orgulhoso. Amo vocês, pessoal. Parabéns”, escreveu na legenda.

“Eles são talentosos”, disse Fox ao The Post dias depois. Não importa de onde você é.

Acontece que eles são, acrescentou, de Arlington.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.