Srgio defende Benecy Queiroz das críticas aos torcedores do Cruzeiro: ‘Ele contribui muito’

(Foto: Gustavo Aleixo / Cruzeiro)

O presidente da cruzeiro, Srgio Santos Rodriguescomentou sobre os constantes protestos da torcida contra o supervisor administrativo Benecy Queiroz. comum ver redes sociais críticas para o funcionário de 81 anos, que trabalha no clube há quase cinco décadas, conduziu inúmeras negociações com os jogadores e passou a outras funções como preparador físico, coordenador e até mesmo treinador. Para o representante da Raposa, as cobranças são feitas em tom exagerado.

“Essa é uma pergunta que vejo todos fazendo. O primeiro ponto é que às vezes quero procurar problemas onde não os tenho. O Cruzeiro tem um presidente, um vice-presidente, um diretor, um técnico, um técnico de futebol, e você acha que o problema está na supervisão, que hoje é muito mais administrativa que o futebol? Sinceramente, não há poder de decisão para o Benecy, até a torcida, e vejo que pode ser um grande problema para o Cruzeiro. A outra coisa que te explico é a pessoa que tem 40 anos de cruzeiro e ajudar, sim, em muitos assuntos “, disse Srgio, ao vivo no canal do clube em Youtube.

Os cruzeirenses sempre se lembram de uma entrevista com Benecy Queiroz Mine Network, em janeiro de 2016, em que revelou o Tentativa de subornar o árbitro em uma partida entre 1989 e 1990.. O episódio nunca foi explicado com clareza, mas deu ao supervisor de futebol uma sanção de 90 dias imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva. O clube nomeou Pedro Moreira para o cargo de Benecy, que, por sua vez, passou a ser supervisor administrativo. Srgio Rodrigues destacou que nunca houve erros logísticos no setor.

“Ele cometeu um erro gravíssimo em 2015 ou 2016, foi sancionado no STJD e, posteriormente, várias outras funções foram redistribuídas, tanto que o Cruzeiro nunca teve nenhum tipo de erro logístico. Hoje temos o Pedro Moreira, que é uma pessoa fenomenal, formado nos Estados Unidos, com mestrado nos Estados Unidos, temos diretores, temos, que sou muito próximo da Toca, tomando decisões. Isso é o que acho importante entender ”, frisou o presidente, destacando, a seguir, o bom relacionamento de Benecy Queiroz com outros clubes e também com a Confederação Brasileira de Futebol.

Benecy está lá porque ela contribui muito, ele tem muita experiência. um que, se você for à Toca, os jogadores gostarão. (…) Se for na CBF, e eu estive recentemente com o Rogrio Caboclo, todo mundo pergunta. Já fiz curso de administração na CBF, e hoje temos dois gerentes fazendo curso executivo de administração na CBF, que são Andr Argolo e Deivid, e muitos, quando falam de supervisão, mencionam Benecy e um de Grmio, que parece ter falecido no início do ano, como gente conhecida por conhecer detalhes da logística do futebol.

Srgio Rodrigues reiterou que a torcida não precisa ficar insatisfeita com a continuidade do Benecy em La Toca. “Dentro de sua capacidade e até limitando a função de seu cargo, ele contribui para o Cruzeiro Esporte Clube, diante de toda a história. Não é necessário que a multidão se agarre a ele. Não há poder de decisão para se concentrar em sua mão. Contribui de forma muito mais reativa do que pró-ativa, dentro de nossa estrutura, auxiliando os diversos profissionais ”.

Deivid e Ricardo Drubscky

Além de Benecy Queiroz, Srgio foi questionado sobre as atribuições do diretor técnico Deivid e o diretor de futebol Ricardo Drubscky. O primeiro participa de negociações e captação de recursos, enquanto o segundo atua junto à comissão técnica de Enderson Moreira.

“Deivid e Drubscky têm um trabalho muito focado, dentro de suas funções. Drubscky é uma pessoa que comanda a Toca da Raposa II, coordena tudo que acontece, transições baseadas, fala pelo lado da inteligência de negócios. E o Deivid é uma pessoa que negocia, viaja, ajuda na arrecadação de fundos ”, explica.

“Cada um tem um papel muito definido dentro do Cruzeiro. Várias equipes têm a mesma forma. Vamos pegar o exemplo do Palmeiras, para não ir longe demais. Você tem Anderson Barros e Edu Dracena, duas pessoas que trabalham como Deivid e Drubscky no Cruzeiro. Cada um tem o seu papel, e não aparecem porque sou eu que tenho que comparecer, porque a responsabilidade de falar convosco é minha ”, acrescentou a presidente.

Henrique

(Foto: Gustavo Aleixo / Cruzeiro)

Srgio Santos Rodrigues falou também da importância de Henrique para o grupo do Cruzeiro. Oitavo atleta que mais vestiu a camisa do clube, com 520 jogos, o meia é visto como o líder do elenco. O presidente não concordou com os adjetivos “solto” e “silencioso” usados ​​na pergunta enviada por um apoiador e ressaltou que o veterano de 35 anos foi um dos que mais frustrou o rebaixamento de Srie B.

“Não poderia pagar um salário para um jogador do Cruzeiro jogar em outro time, se tecnicamente ele puder ajudar o clube. Preguiçoso e omisso é você quem está colocando. Não estou de acordo. Nem todos que participaram da campanha do ano passado foram ruins. Hoje temos vários jogadores, que estão nos melhores times, e o Henrique estava, o Fluminense está no Srie A. Pedro Rocha, no Flamengo, no Orejuela, no Grmio. Acho que o Cruzeiro caiu de fora para dentro, de dentro para fora. Henrique, tive a oportunidade de falar quando o apresentamos, ele foi um dos poucos – e tínhamos relatórios internos – que chorou no vestiário e sofreu muito a queda ”.

Na opinião de Srgio, o Henrique também pode ajudar na parte técnica e fazer uma boa parceria com a Jadsom. “Tecnicamente entendemos que ele é uma pessoa que pode ajudar, sim. Quando você diz que ele não joga bem, eu acho que é uma opinião muito particular, quem sou eu para dizer quem joga bem ou mal, mas usamos um programa universal, usado por qualquer equipe do mundo, que dá pontuação de acordo com estatísticas. No último jogo, por exemplo, o placar do Henrique perdeu apenas um décimo para o Jadsom, que todos elogiaram e acho que ele jogou muito bem também. Portanto, existem opiniões. É difícil falar sobre a parte subjetiva. Do lado objetivo, é difícil lutar contra ele.

Por fim, o presidente preferiu destacar o histórico de conquistas de Henrique pelo Cruzeiro: seis Campeonatos Mineiros (2008, 2009, 2011, 2014, 2018 e 2019), duas Copas do Brasil (2017 e 2018) e dois Campeonatos Brasileiros (2013 e 2014). A opção de colocar o meio-campista como titular ficará sempre na comissão técnica.

“Eu o trouxe de volta porque achamos que um menino que gosta muito do Cruzeiro, foi bicampeão da Copa do Brasil como capitão, levantou as duas copas, tem um papel importante de liderança e acho que os números não provam o quê estão colocando. Agora, seja para jogar ou não, os critérios técnicos. Não é o presidente que se levanta. Trouxemos para isso, porque acreditamos que pode somar e porque temos certeza que fará parte de uma campanha vitoriosa. ”

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *