Superar a ansiedade é um desafio atual

JBr.

Várias dificuldades surgem com o estabelecimento da quarentena. Surge a necessidade de reestruturar a rotina de trabalho, acostumar-se ao afastamento das atividades sociais, buscar formas de cuidar da saúde sem sair de casa. E sem os devidos cuidados, o confinamento pode causar danos psicológicos. A psicóloga em saúde Adriana Flores explica os efeitos que podem ser observados nesse período e como é possível evitar danos.

No curto prazo, Adriana explica que o medo e a ansiedade são os sentimentos mais frequentes em quarentena, principalmente devido ao medo de contágio. “É um período de grande ansiedade, principalmente porque sempre ouvimos falar de sintomas conhecidos e com tendência a nos identificar. É também um período marcado pela frustração de interromper os planos e pela súbita mudança de rotina ”, explica.

A médio prazo, os efeitos da quarentena são mais preocupantes. “As perdas reais acontecem e a dificuldade permanece em estabelecer uma nova rotina. É quando você começa a ver os sentimentos associados a um padrão de depressão. (…) A longo prazo, começam a ser percebidos casos moderados e graves de depressão. As pessoas ficam mais irritadas, o nível de tolerância diminui e surgem dificuldades até para assimilar novas informações de maneira lógica ”, explica.

Após a quarentena, é comum o medo permanecer. “Alguns estudos com outras patologias que requerem isolamento mostram que, quando a quarentena termina, nos primeiros meses as pessoas tendem a continuar emitindo padrões comportamentais necessários durante o confinamento”. Comportamentos compulsivos, especialmente com a higiene, são comuns em pessoas que saíram da quarentena recentemente. Mas Adriana explica que esse efeito é temporário. “Após seis, sete meses, as pessoas entendem que podem retornar a um padrão normal”.

Precauções

A primeira precaução é evitar a sobrecarga de informações. “Uma pessoa que cede à necessidade de procurar informações o tempo todo é muito provável que sofra com antecedência. O que eu aconselho é procurar um horário fixo do dia para atualizar, e sempre com fontes confiáveis ​​de informação “, reflete ele.

Mas, mesmo que isso não seja suficiente, o correto é reconhecer e assumir o medo, e procurar ajuda psicológica o mais rápido possível. “O Conselho de Psicologia já permite serviços remotos, e muitos profissionais já oferecem um serviço gratuito nesse sentido. Tente falar sobre isso, procure ajuda “, diz ele.

Ajuda grátis

Para ajudar a prevenir os distúrbios associados à quarentena, o Serviço de Comércio Social do Distrito Federal (Sesc-DF) anunciou ontem que oferecerá ajuda psicológica online gratuita à população. As consultas são realizadas em grupos virtuais de até 15 pessoas, de todas as idades. As inscrições são feitas por email, enviando o nome completo e o horário preferido para [email protected] As consultas podem ser a partir das 8h. às 12h e a partir das 14h às 20h
Aplicações

As lojas de aplicativos da Apple e do Google também oferecem opções gratuitas de meditação e terapia guiadas. Aplicações como “Ansiedade desejada”, “Espaço de cabeça”, “Cíngulo”, “Calma”, “Rootd”, “Temporizador interno”, entre outras, podem servir como suporte auxiliar para enfrentar crises de pânico ou ansiedade durante esse período.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.