Supremo Tribunal Federal decide a favor de Lula sobre Moro

SÃO PAULO

O Supremo Tribunal Federal decidiu 4 a 1 para manter a decisão que permite que a equipe de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha acesso às mensagens entre um juiz no escândalo da Operação Lava Jato e promotores estaduais.

Mensagens com um ex-juiz federal e ministro da Justiça, Sergio Moro, teriam sido obtidas e disseminadas ilegalmente em 2019, depois que telefones celulares de membros do Lava Jato foram hackeados.

A polêmica sobre a veracidade das negociações levou o caso de sete anos a ser investigado em uma nova operação.

A lavagem de carros envolvia contratos concedidos a empresas de construção em troca de subornos políticos.

A legislação brasileira proíbe o uso de provas obtidas ilegalmente.

Na audiência de terça-feira, juízes consideraram recurso do Ministério Público da Lula, que questionou a autenticidade das mensagens vazadas e pediram a revogação do acesso e uso da defesa de Lula.

Lula foi condenado à prisão por corrupção, com suspensão de seus direitos políticos.

O ex-presidente, favorito na disputa presidencial de 2018 contra o atual presidente Jair Bolsonaro, foi preso por 580 dias, coincidindo com as eleições.

O juiz Ricardo Lewandowski votou pela manutenção do acesso às mensagens. Ele já havia falado a favor de Lula em uma ordem judicial de dezembro autorizando o compartilhamento de negociações com a defesa.

O voto de Lewandowski foi apoiado pelos ministros Nunes Marques, indicado pelo Bolsonaro, Carmen Lucia e Gilmar Mendes.

O voto contra foi Edson Fachin.

A decisão permitirá que a defesa de Lula use as mensagens como principal estratégia na tentativa de derrubar sua condenação.

Para os advogados de Lula, o fato de Moro e promotores compartilharem informações sobre o caso é um sério sinal de interferência direta no processo, levantando suspeitas sobre o ex-juiz, que chefiou a Justiça de Bolsonaro até abril passado.

Moro criticou a decisão do tribunal. “É lamentável que terceiros possam acessar supostas mensagens obtidas após um delito criminal de dispositivos de aplicação da lei, o que é contrário à jurisprudência que proíbe o uso de provas ilegais em processos”, disse ele em nota.

Moro deixou o governo de Bolsonaro em abril de 2020, citando a interferência do presidente nos assuntos de seu ministério.

A lista de presos durante a Operação Lava Jato inclui os ex-presidentes Lula, do Brasil, Alejandro Toledo, do Peru, e Ricardo Martinelli, do Panamá, além de altos executivos da Petrobras, Odebrecht e várias outras empresas.

O site da Agência Anadolu contém apenas uma parte das notícias oferecidas aos assinantes do AA News Broadcasting System (HAS), e de forma resumida. Contate-nos para opções de assinatura.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *